Mulheres em cárcere: Um olhar além das grades dos significados da relação mãe-filho por meio da Terapia Ocupacional / Women in prison: A look beyond the grids of the meanings of the mother- child relationship through Occupational Therapy

This Souza Santos, Raphaela Schiassi Hernandes, Halley Ferraro Oliveira

Abstract


No Brasil existe um número crescente de mulheres encarceradas, sendo que 80% delas são mães. Diante deste contexto o trabalho tem como objetivo geral compreender as percepções das vivências e os significados da maternidade para as mulheres reclusas. Objetivos específicos: entender qual o significado de família para as mulheres aprisionadas; conhecer como era a relação da detenta com sua mãe; identificar como era a relação mãe e filho antes do cárcere e durante o aprisionamento; investigar a perspectiva de futuro pós cárcere sobre o papel ocupacional de mãe e descrever como foi a percepção das detentas nos encontros realizados pela terapia ocupacional. A metodologia consiste em um relato de experiência analisado de forma qualitativa, envolvendo encontros de terapia ocupacional com detentas da unidade prisional feminina do estado de Sergipe. A pesquisa revelou que a família é considerada essencial na vida dessas internas, principalmente suas mães, sendo que o papel vivenciado por elas de ser mãe é considerado pela maioria como a razão da existência, na qual seus filhos as impulsionam para a esperança e perspectiva de um futuro melhor. O sentimento mais vivenciado é de saudade e quando a criança a encontra nesse espaço vivenciam tristeza, com desejo de ofertar amor, carinho e cuidado, o que não é possível. Já, os encontros com a terapia ocupacional foi trazido como a possibilidade de expressarem seus sentimentos bons e ruins e aliviar as angustias que permeiam suas vidas nesse ambiente reduzido de empatia, afeto e compreensão. 


Keywords


mulheres encarceradas; relações mãe-filho; Terapia Ocupacional.

References


ANDRADE, B. S. A. B. Entre as Leis da Ciência, do Estado e de Deus: o surgimento dos presídios femininos no Brasil. São Paulo, USP, 2011. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, São Paulo, 2011

ANDRADE, V. R. P. A Mudança do Paradigma Repressivo em Segurança Pública: reflexões criminológicas críticas em torno à proposta da 1º Conferência Nacional Brasileira de Segurança Pública. Sequência, Florianópolis, n. 67, dezembro, p. 335-356, 2013.

BARATTA, A. O paradigma de gênero: da questão criminal à questão humana. In: CAMPOS, Carmen Hein de (org.). Criminologia e feminismo. Porto Alegre: Sulina, 1999. p. 19-80.

BENETTON, M. J. A terapia ocupacional como instrumento nas ações de saúde mental. 1994. Tese (Doutorado em Saúde Mental) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

BENETTON, J.; MARCOLINO, T. Q. As atividades no Método Terapia Ocupacional Dinâmica, Cadernos de Terapia Ocupacional da Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, v. 21, n. 3, p. 645-652, 2013.

BITENCOURT, C. R. Falência da pena de prisão: causas e alternativas. 2ª ed. São Paulo: Saraiva, 2001.

BOWLBY, J. Apego. 2 ed. São Paulo: Martins Fontes 1990, Brasileira SP Original, 1969.

BRASIL. Lei nº 6.416 de 24 de maio de 1977. A reforma dos sistemas penais. Brasília/DF, 1977.

CASTILHO, E. W. V. Execução da pena privativa de liberdade para mulheres: a urgência de regime especial. In: Justitia. São Paulo, jul./dez., n. 64., 2007.

CAVALCANTE, M. C. V. et al. Relação mãe-filho e fatores associados: análise hierarquizada de base populacional em uma capital do Brasil-Estudo BRISA. Rev. Ciência & Saúde Coletiva, 22(5):1683-1693, 2017.

CHIES, L. A. B. Cemitério dos vivos: análise sociológica de uma prisão de mulheres. Sociologias, Porto Alegre, ano 7, nº 13, p. 338-345, 2005.

DIAS, M. B. Manual de Direito das Famílias. 4ª ed. Revista Atual. e ampl. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2007.

DINIZ, D. Cadeia: relato sobre mulheres. 1. ed. – Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente), Lei no 8.069, de 13 de julho de 1990.

ESPINOZA, O. A mulher encarcerada em face do poder punitivo. São Paulo: IBCCRIM, 2004. 180p.

FERRARI, S. M. L. A ancoragem no caminho da psicose: um estudo clínico do uso de atividades e sua compreensão no tratamento de psicóticos. Revista do Centro de Estudos de Terapia Ocupacional. São Paulo, n. 2, p. 9-15, 1997.

FICHBEIN, B. C.; MARTINS, C. D. N. “Parecer 80/2012 – BIOMED”, Promotoria de

Controle e de Execução Criminal de Porto Alegre, p. 1-9, 2012.

GARCIA, S. A. F. A família do paciente psiquiátrico e a criminalidade. In: RIGONATTI, S. P. (Coord.) Temas em Psiquiatria Forense e Psicologia Jurídica. São Paulo: Vetor, 2003.

KOSMINSKY, E. V.; PINTO, R. B.; MIYASHIRO, S. R. G. “Filhos de presidiários na escola: um estudo de caso em Marília – SP”, Revista de Iniciação Científica da FFC, v. 5, n. 1/2/3, p. 50-65, 2005.

LESSA, L. M. Mulheres e Cárcere: reflexão em torno das redes de proteção social. 14

f. Tese (Mestrado) – Universidade Federal de Pernambuco, UFPE, 2010.

LIMA, M. Da visita íntima à intimidade da visita: a mulher no sistema prisional. Tese (Mestrado). Universidade de São Paulo. São Paulo, 2006. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/6/6136/tde-24032008-085201/pt-br.php.

Acesso em 23 de fevereiro de 2019.

LOPES, R. Prisioneiras de uma mesma história: o amor materno atrás das grades. Tese (Doutorado em Psicologia Social). São Paulo: Universidade de São Paulo, 2004.

LOPES, R. et al. Gestação na prisão e relações familiares. São Paulo. Pesquisa em Iniciação Científica. Universidade Nove de Julho, 2014.

MARTINS, H. H. T. S. Metodologia qualitativa de pesquisa. Rev. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.30, n.2, p. 289-300, maio/ago. 2004

MAIA, C. N. et al. Histórias das prisões no Brasil, 1 ed, BRASIL: ROCCO, v II, ISBN 978-85-3252-458, 2009.

MALDONADO, M. T. Psicologia da Gravidez. Parto e Puerpério. 6 ed. Petrópolis, Vozes, 2002. P. 88 - 98.

MEDEIROS, L. L. Mulheres e cárcere-reflexões em torno das redes de proteção social. Universidade Federal de Pernambuco. Centro de filosofias e Ciências Humanas, 2010.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Legislação da saúde no sistema penitenciário. 1ª ed. Brasilia/DF, 2010.

MIRABETE, J. F. Manual de direito Penal. Ed. Atlas 14ed, São Paulo, Atlas, 2000. NÉIA, P. C; MADRID, F. M. L. A realidade da mulher no sistema prisional brasileiro.

Rev. ETINC (Encontro de Iniciação Cientifica) TOLEDO (CENTRO UNIVERSITÁRIO ANTONIO EUFRÁSIO DE TOLEDO DE PRESIDENTE

PRUDENTE) versão em CD-Rom ISSN 1809-2551 . v.14, n.14, 2018 Disponível em: < http://intertemas.toledoprudente.edu.br/index.php/ETIC/index> Acesso em: 23 de outubro de 2018.

OLIVEIRA, G. V. Efeitos Sanção penal e família: diálogos e possibilidades. 40f. Monografia. XIII Concurso Nacional de Monografias do CNPCP, 2010.

OLIVEIRA, M. G. F.; SANTOS, A. F. P. R. Desigualdade de gênero no sistema prisional: considerações acerca das barreiras à realização de visitas e visitas íntimas às mulheres encarceradas. Caderno Espaço Feminino, Uberlândia – Minas Gerais, v. 25, n. 1, jan./ jun, 2012. Disponível em: file:///C:/Users/Suporte%20Notebooks/Downloads/15095- Texto%20do%20artigo-78759-1-10-20121218.pdf. Acessado em 15 de fevereiro de 2019.

PASTORAL CARCERÁRIA. Relatório sobre mulheres encarceradas no Brasil. 2012 Disponível em: Acesso em 30 de janeiro de 2019.

PETRINI, J. C. Pós-Modernidade e Família: um itinerário de compreensão. 1 ed. Bauru – SP: Edusc, 2003.

PEREIRA, E. L. Famílias de mulheres presas, promoção da saúde e acesso às políticas sociais no Distrito Federal, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 21 (7) :2123-2134, 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v21n7/1413-8123-csc-21-07-2123.pdf. Acessado em 25 de fevereiro de 2019.

PEREIRA, L. U.; ÁVILA, G. N. Aprisionamento feminino e maternidade no cárcere

– uma análise da rotina institucional na penitenciária feminina Madre Pelletier. Revista Pensamiento Penal, 2013.

QUEIROZ, N. Presos que menstruam. 3ª Edição. Rio de Janeiro: Record, 2015. RAMOS, L. S. Direitos Sexuais e Reprodutivos no Cárcere em Dois Atos: Maternidade e Visita Íntima. Instituto de Direito Público Brasiliense (IDP). Brasília, DF, 2011.

RONCHI, I, Z. A maternidade e o cárcere: uma analise de seus aspectos fundamentais. Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 2017.

SPOSATO, K. B. Mulher e cárcere – uma perspectiva criminológica. In: Mulher e direito penal. Rio de Janeiro: Forense, p. 251-266, 2007.

VASONE, N. B.; SANTANA, I. J. Mulheres e prisão: gestação e liberdade. Anais do Sciencult, v. 6, n. 1, 2015. Disponível em: file:///C:/Users/Suporte%20Notebooks/Downloads/3111-4606-1-PB.pdf. Acessado em: 15 de fevereiro de 2019.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n5-220

Refbacks

  • There are currently no refbacks.