Influência da atividade física no desempenho motor e pico de fluxo expiratório em crianças de 06 a 12 anos / Influence of physical activity on motor performance and expiratory flow people in children from 6 to 12 years

Jéssica da Silva Tavares, Jadiane Dionísio, Gabriella Landim Ribeiro, Carolina Marot Meireles, Marina Melo Coelho, Thaís Barboza Paula, Ítalo Ribeiro Paula, Eliane Maria de Carvalho

Abstract


O objetivo do estudo foi avaliar o desempenho motor e o pico de fluxo expiratório máximo em escolares que praticam atividade física. Foi um estudo prospectivo de coorte transversal, com caráter observacional e avaliativo, não randomizado em escolares de 6 a 12 anos, divididas em: Grupo 1 = praticantes de atividade física (n=61) e Grupo 2 = não praticantes de atividade física (n=49). Todos foram submetidos a uma ficha de avaliação, seguido da medida do pico de fluxo expiratório e Escala de Desenvolvimento Motor. Foi utilizado o teste Kruskal-Wallis, considerando p<0,05. Os resultados demonstraram diferença significativa na comparação da idade motora geral entre praticantes e não praticantes (x2=61,35; p=0,0317), sendo que o grupo não praticante de atividade física apresentou menor desempenho motor geral quando comparados ao grupo praticante de atividade física. Na variável tipo de atividade física realizada, aeróbia e anaeróbia, não foi observado diferença significativa, tampouco nos valores relacionados a diferenças étnicas, comparadas ao desempenho motor, atividade física e pico de fluxo. Contudo, a variável gênero apresentou diferença significativa do pico de fluxo expiratório, sendo o do gênero masculino superior ao feminino (x2=49,65; p=0,0314). Conclui-se que o desempenho motor está relacionado à prática de atividade física no período de escolarização. O gênero masculino obteve melhores resultados no pico de fluxo expiratório comparado ao gênero feminino.


Keywords


Estudantes, desenvolvimento infantil, espirometria, atividade motora

References


Neto FR, Santos APM, Xavier RFC, Amaro KN. A importância da avaliação motora em escolares: análise de confiabilidade da escala de desenvolvimento motor. Rev. bras cineantropom. desempenho hum. 2010;12(6):422-427.

Santos S, Dantas L, Oliveira JA. Desenvolvimento motor de crianças, de idosos e de pessoas com transtornos de coordenação. Rev. paul. Educ. Fís., 2004; 18: 33-44.

Gallahue DL, Ozmun JC. Compreendendo o desenvolvimento motor: bebês, crianças, adolescentes e adultos. São Paulo: Ed. Phorte; 2005.

Cestaro EJ, Lorenzo VAPD, Marino DM, Walsh I, Ruas G, Jamami M, Marrara KT. Fatores que influenciam a capacidade física de pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica. Fisioter Pesq. 2010;17(4): 332-336.

Pereira B, Souza JTP. Adaptação e rendimento físico – considerações biológicas e antropológicas. R. bras. Ci e Mov. 2005; 13(2): 145-152.

Abe, T. et al. Architectural characteristics of muscle in black and white college football players. Med Sci Sports Exerc.1999; 31:1448-1452.

Swain KE, Rosenkranz SK, Beckman B, Harms CA. Expiratory flow limitation during exercise in prepubescent boys and girls: prevalence and implications. J Appl Physiol. 2010;108(5): 1267-1274.

Pelegrini A, Silva DAS, Petroski EL, Glaner MF. Aptidão física relacionada à saúde de escolares brasileiros: dados do projeto esporte Brasil. Rev Bras Med Esporte. 2011; 17(2): 92-96.

Silva DAS, Lima JO, Silva RJS, Prado RL. Nível de atividade física e comportamento sedentário em escolares. Rev. bras. cineantropom. desempenho hum. Jul.2008;11(3):299-306.

Silva PVC, Costa ALJ. Efeitos da atividade física para a saúde de crianças e adolescentes. Psicol. Argum. 2011; 29(64): 42-48.

Dombkowski KJ, Hassan F, Wasilevich EA, Clark SJ. Spirometry use among pediatric primary care physicians. Pediatrics. 2010; 126(4): 682-687.

Goulardins JB, Marques, JC, Casella EB. Quality of life and psychomotor profile of children with attention déficit hyperactivity disorder (ADHD). Arq Neuropsiquiatr. 2011; 69(4): 630-635.

Valentini NC. Percepções de Competência e Desenvolvimento Motor de meninos e meninas: um estudo transversal. Mov. 2002;8(2): 51-62.

Mazzardo, OJ. The Relationship of fundamental movement skills and level of Physical activity in second grade children [dissertação]. University of Pittsburgh; 2008.

Santos APMA, Villaverde LN, Costa ANF, Santos MO, Gregório EC, Andreis LM, et al. Aspectos biopsicossociais em escolares com atraso no desenvolvimento motor: um estudo longitudinal. J Hum Growth Dev. 2016; 26(1): 112-118.

Oliveira FB, Schwanke NL, Moraes GG, Todendi PF, Borges TS, Reuter, et al. Avaliação e desenvolvimento do VO2 de atletas participantes de uma escolinha de futebol. Cinergis. 2012; 13(1): 59-64.

Costa SF, Caberlon CF. Efeitos de um treinamento muscular ventilatório lúdico em crianças asmáticas. Revista de Pediatria SOPERJ. 2016; 16(2): 10-17.

Enright PL, Linn WS, Avol EL, Margolis HG, Junior HG, Peters JM. Quality of spirometry test performance in chidren and adolescents. Chest. 2000; 118(3): 665-671.

Boaventura CM, Amuy FF, Franco JH, Sgarbi ME, Matos L. B. Valores de referência de medidas de pico de fluxo expiratório máximo em escolares. Arq Med ABC 32. 2007; Suppl 2:S30-4.

Kumaran K & Agrawal A. Normal Peak Expiratory Flow Rate of School Children in Jabalpur, Madhya Pradesh. Indian J Pediatr. 2017; 84(8):580–584.

Okano A.H., Altimari L.R., Dodero S.R., Coelho C.F., Almeida P.B.L., Cyrino E.S. Comparação entre o desempenho motor de crianças de diferentes sexos e grupos étnicos. Rev. Bras. Ciên e Mov. 2001; 9(3): 39-44.

Armstrong N. Aptidão aeróbica de crianças e adolescentes. J. Pediatr. 2006; 82(6): 406-408.

Vasconcelos SL, Neta ZBS, Rodrigues AMS, Ferraz ASM. Nível de atividade física e capacidade aeróbica de escolares do ensino público e privado da zona sul de Teresina. Educação física em Resvista. 2011;5(3): 1-13.

Gueths M, Flor DP. O exercício aeróbico em crianças, adultos e idosos. Revista virtual EFArtigos. 2004;1(20).

Bielemann RM, Xavier MO, Gigante DP. Preferência por comportamentos favoráveis à prática de atividade física e nível de atividade física de crianças de uma cidade do sul do Brasil. Ciênc. saúde Colet. 2014; 19(7): 2287-2296.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n5-199

Refbacks

  • There are currently no refbacks.