Avaliação da qualidade de vida dos pacientes DM1 no ambulatório do centro de especialidades médicas de uma instituição/ Assessment of quality of life of DM1 patients in the ambulatory of the medical specialties center of an institution

Ana Katarina Marques de Lima, Layse Alice Carvalho Gonçalves, Flávia Marques Santos, Layse Melo Menici Ayres, Stéphanie De Windson Navarro Cruz, Ana Caroline Coelho Gomes, Letícia Pinheiro Nascimento, Erick Garcia Castro, Marina Assis da Escóssia Fernandes, Allan Jhones Costa Gomes

Abstract


Introdução: O diabetes mellitus tipo 1 (DM1) é doença autoimune, poligênica, decorrente de destruição das células β pancreáticas, ocasionando deficiência completa na produção de insulina. É uma doença crônica que interfere em vários aspectos da vida diária da pessoa, podendo afetar a sua qualidade de vida (QV). A partir disso, foram criados diversos instrumentos para avaliar a QV da pessoa diabética. O Diabetes Quality of Life Measure (DQOL) é um instrumento conhecido mundialmente e validado no Brasil. Por meio dele, são avaliados 4 domínios: satisfação, impacto, preocupações social/vocacional e preocupações relacionadas à diabetes. Os escores são calculados pela média dos itens individuais e quanto mais próximos de 1, melhor a qualidade de vida. Objetivo: Avaliar a qualidade de vida do paciente portador de DM1 em acompanhamento no Ambulatório de DM1 do Centro de Especialidades Médicas do CESUPA – PA. Método: Estudo transversal, analítico e descritivo. Foi avaliada a qualidade de vida de 20 pacientes com mais 15 anos de idade, através da aplicação da versão resumida do Diabetes Quality of Life Measure (DQOL-Brasil-8). Resultados: Os pacientes tinham entre 17 e 65 anos, alcançando média de 29.8 anos. Dos 20 pacientes estudados, 55% eram do sexo feminino. Os domínios avaliados pelo questionário alcançaram média geral de 3,2, indicando uma qualidade de vida regular dos componentes da amostra. Os domínios que obtiveram maiores pontuações, indicando menor qualidade de vida foram as preocupações social/vocacional (3,1) e as relacionadas com a diabetes (4,0). As perguntas analisadas pelo DQOL-Brasil-8, alcançaram médias a partir de 2,7, na questão da satisfação com a vida sexual e interferência da diabetes no exercício físico. Os valores mais altos obtidos foram, a preocupação de sofrer complicações em decorrência do diabetes (4,1), seguido da preocupação se virá a desmaiar (3,9) e incômodo em ter diabetes (3.5). Os homens alcançaram médias superiores às mulheres em todos os domínios, assim como no score geral, mostrando uma menor qualidade de vida neste gênero (2,8 mulheres e 3,6 homens). Conclusão: A QV nos pacientes com DM1 pesquisados foi avaliada como regular. Os domínios considerados insatisfatórios foram: preocupações relacionadas à diabetes e preocupações social/vocacional. Tais resultados servem como base para uma melhor compreensão das condições que atuam na QV do paciente diabético. Mensurar a QV nesses pacientes e compreender quais são os fatores que interferem, é uma forma de ajudar os profissionais a traçar estratégias que os motivem para o autocuidado.


Keywords


Diabetes Mellitus Tipo 1, Qualidade de Vida, Autocuidado, Doenças Crônicas

References


Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes 2017-2018 / Organização José Egídio Paulo de Oliveira, Renan Magalhães Montenegro Junior, Sérgio Vencio.

-- São Paulo : Editora Clannad, 2017.

Sesterheim P, Saitovitch D, Staub, HL. Diabetes mellitus tipo 1: multifatores que conferem suscetibilidade à patogenia auto-imune. Sci Med. 2007;17(4):212-7.

Lúcio Vilar. Endocrinologia Clínica. 5. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2013.

Felício JS, Souza ACCB, Koury CC, Neto JFA, Miléo KB, Santos FM, Rider HAB. Health-related quality of life in patients with type 1 diabetes mellitus in the different geographical regions of Brazil: data from the Brazilian Type 1 Diabetes Study Group. Diabetology & metabolic syndrome. 2015;7(1):87.

Brasil F, Brasil AMB, Souza RADP, Pontarolo R, Correr CJ. Desenvolvimento da versão brasileira resumida do Diabetes Quality of Life Measure (DQOL- Brasil-8). Revista Brasileira de Epidemiologia. 2015;18:943-952.

Aguiar CCT, Vieira APGF, Carvalho AF, Montenegro-Junior RM. Instrumentos de avaliação de qualidade de vida relacionada à saúde do diabetes melito:[revisão]. Arq. bras. endocrinol. metab. 2008;52(6):931-9.

Ministério da Saúde. DATASUS. http://www.datasus.gov.br Acesso em: 10/09/2019.

Fragoso LVC, Araújo MFM, Lima AKG, Freitas F, Júnior RW, Damasceno MMC. VIVÊNCIAS COTIDIANAS DE ADOLESCENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 1. Texto e contexto enfermagem. 2010; 19(3).

Quadros FSD. Adesão à dieta por diabéticos tipo 1: uma revisão narrativa. 2015. [Monografia]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Departamento de Medicina Social. 2015.

Brandão MD. Estratégias para o aumento da adesão de pacientes com diabetes mellitus tipo 1 ao tratamento: atividades educativas realizadas em um centro de referência. [Monografia]. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, Departamento de Enfermagem. 2014.

Simionato R, da Rocha TK, Lombardini AA, Viegas K, Carvalho GP, Carnabarro ST. Adesão ao tratamento de adolescentes com diabetes mellitus tipo 1. Ciência & Saúde. 2018; 11(3):184-9.

Goés APP, Vieira MRR, Del Roio LJR. Diabetes mellitus tipo 1 no contexto familiar e social. Revista Paulista de Pediatria. 2007;25(2):124-8.

Maia FFR, Araújo LR. Aspectos psicológicos e controle glicêmico de um grupo de pacientes com Diabetes Mellitus tipo 1 em Minas Gerais. Arq. Bras Endocrinol Metab. 2004;48(2)261-6.

Hartemann-Heutier A, Sultan S, Sachon C, Bosquet F, Grimaldi A. How type 1 diabetic patients with good or poor glycemic control cope with diabetes-related stress. Diabetes and Metabolism. 2001;27(5):553-562.

Silva JL. A atenção básica na redução das complicações do diabetes mellitus sob o enfoque da Teoria de Orem. [Monografia]. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, Departamento de Enfermagem. 2014.

Barsaglini RA. As representações sociais e a experiência com o diabetes: um enfoque socioantropológico. SciELO-Editora FIOCRUZ. 2011.

Galiano MA, Calvo MS, Feito MA, Aliaga MW, Leiva S, Mujica B. Condición de salud de pacientes diabéticos y su satisfacción com el tratamento para la enfermedad. Ciencia y enfermería. 2013;19(2):57-56.

Araújo AF, Souza MEA, Menezes CA. Qualidade de vida e aspectos socioeconômicos em diabéticos tipo 1. Arq. bras. endocrinol. metab. 2008;52(7):1124-1130.

Pires V, Pereira MG. Ajustamento conjugal, qualidade de vida, crenças sexuais e funcionamento sexual em pacientes diabéticos (as) e parceiros (as). Revista da Sociedade Brasileira de Psicologia Hospitalar. 2012;15(2):128-147.

Duarte CK, Almeida JCD, Merker AJS, Brauer FDO, Rodrigues TDC. Nível de atividade física e exercício físico em pacientes com diabetes mellitus. Revista da Associação Médica Brasileira. 2012;58(2):215-221.

Ramalho ACR, Soares S. O papel do exercício no tratamento do diabetes melito tipo 1. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia. 2008;52(2):260-7.

Zulian LR, Santos MAD, Veras VS, Rodrigues FFL, Arrelias CCA, Zanetti ML. Quality of life in patients with diabetes using the Diabetes 39 (D-39) instrument. Revista gaúcha de enfermagem. 2013; 34(3):138-146.

Felício JS, Souza ACCB, Koury CC, Neto JFA, Miléo KB, Santos FM, Rider HAB. Health-related quality of life in patients with type 1 diabetes mellitus in the different geographical regions of Brazil: data from the Brazilian Type 1 Diabetes Study Group. Diabetology & metabolic syndrome. 2015;7(1):87.

Ledón LL. Psychosocial impact of diabetes mellitus, experiences, meanings, and responses to disease. Revista Cubana de Endocrinología, 2012;23(1).

Siqueira KM, Barbosa MA, Boemer MR. O vivenciar a situação de ser com câncer: alguns des-velamentos. Revista Latino-Ameriana de Enfermagem. 2007;15(4).

Maia FFR, Araújo LR. Aspectos psicológicos e controle glicêmico de um grupo de pacientes com Diabetes Mellitus tipo 1 em Minas Gerais. Arq. Bras Endocrinol Metab. 2004;48(2)261-6.

Brasil F, Pontarolo R, Correr CJ. Qualidade de vida em adultos com diabetes tipo 1 e validade do DQOL-Brasil. Revista de Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada. 2014;35(1): 105-112.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n5-185

Refbacks

  • There are currently no refbacks.