Dificuldades em se realizar ações de prevenção e diagnóstico sobre a percepção de infecções sexualmente transmissíveis (IST’S): Relato de experiência / Difficulties in performing prevention and diagnostic actions in the perception of sexual transmission infections (STI): Experience report

Matheus Sallys Oliveira Silva, Tiago Sousa da Costa, Francisco Alrimar Silva Xavier, Lilia Rocha Pinto, Adjanny Estela Santos de Souza, Fabielle Pimentel de Aguiar, Ana Débora da Silva Monteiro, Helen Tais de Oliveira Rodrigues

Abstract


Introdução: Apesar das inúmeras campanhas de prevenção acerca das Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST’s), as mesmas estão entre as cinco principais causas de procura por serviço de saúde. Campanhas de prevenção são imprescindíveis haja vista que as IST’s são importantes causas de doença aguda, infertilidade, incapacidade e morte. Todavia, ainda hoje há uma negligência quanto a temática visto que as ações de prevenção e diagnóstico são desvalorizadas por uma parte significativa da população, dificultando a eficácia de estratégias desse tipo. Objetivo: Relatar a experiencia de acadêmicos em ações promovidas pelo Centro de Testagem e Aconselhamento (CTA-Estadual). Metodologia: Trata-se de um relato de experiência de acadêmicos do curso de Enfermagem da UEPA-Campus XII acerca de ações de prevenção e diagnóstico a partir de testes rápidos de sífilis, hepatite e HIV promovidos pelo Centro de Testagem e Aconselhamento (CTA-Estadual) realizado em vários pontos da cidade de Santarém/PA Resultados: Observou-se que um significativo número de participantes das ações possuíam um certo receio ao optarem ou não a fazer o teste rápido. Isso é mais visível na população idosa que ainda trata o tema sexualidade como um “tabu”. E quanto aos jovens, o que implica para que ações desse tipo não sejam eficazes é o pseudo-pensamento de invulnerabilidade quanto às infecções, tornando-os “alvos” fáceis para propagação dessas doenças. Conclusão: Ações de prevenção das IST’S são fundamentais para a manutenção de uma sociedade sadia. Todavia, é imperceptível que uma abordagem mais humanizada que promova maior sensibilização é o caminho certo para a aceitação de práticas preventivas por parte da população.


Keywords


“Doenças Sexualmente Transmissíveis”, “Promoção da Saúde”, “Diagnóstico”.

References


BARBOSA, et al. Projeto DST/AIDS. Anais do 2º. Congresso Brasileiro de Extensão Universitária, 2004.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST): o que são, quais são e como prevenir. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2019. Disponível em: https://saude.gov.br/saude-de-a-z/infeccoes-sexualmente-transmissiveis-ist

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST): o que são, quais são e como prevenir. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2019. Disponível em: https://saude.gov.br/saude-de-a-z/infeccoes-sexualmente-transmissiveis-ist

SILVA, et al. Refletindo sobre a abordagem às infecções sexualmente transmissíveis: relato de experiência. Braz. J. Hea. Rev., Curitiba, v. 3, n. 3, p. 6057-6065 may./jun. 2020.

Ministério da Saúde (BR) - Secretaria de Vigilância em Saúde – Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis, do HIV/Aids e das Hepatites Virais. Boletim Epidemiológico. HIV AIDS 2017. Disponível em http://www.aids.gov.br

DICK, B.; FERGUSON, B. J. Health for the world's adolescents: a second chance in the second decade. J Adolesc Health.; v. 56, n. 1, p. 3-6, jan., 2015.

MOREIRA, et al. Sexualidade e prevenção de IST e HIV/aids entre idosos usuários da estratégia saúde da família. Rev. Pre. Infec e Saúde.2015;1(3):76-82.

MURPHY et al. Highly Active Antiretroviral Therapy Decreases Mortality and Morbidity in Patients with Advanced HIV Disease. Annals of Internal Medicine Logo. 2001.

RICARDO, Keyla Cecília; NORO, Luiz Roberto Augusto (Orient.). Ação de controle e avaliação no processo de descentralização de testes rápidos de HIV, sífilis e hepatites B e C para Unidades Básicas de Saúde. 2017. 15 f. Trabalho de Conclusão de Curso. (Especialização em Gestão da Política de DST, AIDS, Hepatites Virais e Tuberculose – Educação a Distância) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2017.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n5-180

Refbacks

  • There are currently no refbacks.