Processo de territorialização em saúde como instrumento de trabalho / Territorialization process in health as a work tool

Márcya Cândida Casimiro de Oliveira, Marcos Alexandre Casimiro de Oliveira, Kelton Dantas Pereira, George Estrela de Oliveira, Maria Luíza Santos Arnaud Coutinho, Yana Mirian da Silva Maia, Fátima Sonally Sousa Gondim, Daniella de Souza Barbosa

Abstract


A territorialização é um propósito básico da Estratégia de Saúde da Família (ESF) implementado pelo Ministério da Saúde, tendo importância na delimitação espacial no direcionamento no combate às doenças. O presente estudo tem por objetivo identificar a importância do Território-Área de uma Unidade de Saúde, avaliar as especificidades referentes a cada Território-Microárea abrangida, além de verificar o processo do trabalho dos profissionais da ESF com ênfase no papel da ACS (Agente Comunitária de Saúde). Trata-se de uma análise descritiva, qualitativa, com abordagem direta e observacional do tipo relato de experiência do estágio no Território área de uma Unidade de Saúde da Família, localizada em João Pessoa-PB, durante os meses agosto e setembro de 2017. O registro de dados foi coletado através de fontes escritas, imagéticas e orais. Durante a vivência no Território-Área na Unidade de Saúde da Família, foram realizadas visitas nos 05 Territórios-Microáreas, totalizando 619 famílias assistidas. Desse modo, foi possível verificar processo de trabalho da equipe multidisciplinar que compõe a ESF, especialmente a função das ACS que tem como principal instrumento de trabalho a visita domiciliar. Notou-se a presença da desigualdade social, depósito inadequado de lixo, barreiras geográficas e a invisibilidade social. Portanto, a aproximação com outra realidade social e cultural contribuiu para a humanização, agregando conhecimentos para formar profissionais de saúde mais resolutivos, bem como viabiliza a compreensão acerca da importância da construção de vínculo profissional-usuário, do acolhimento, da escuta e do trabalho em equipe multidisciplinar para contemplar, ao máximo, os anseios da comunidade.

 

 


Keywords


Atenção Primária à Saúde, Saúde da Família, Agentes Comunitários de Saúde.

References


ALVES FILHO, P et al . Desigualdades socioespaciais relacionadas à tuberculose no município de Itaboraí, Rio de Janeiro. Revista brasileira de epidemiologia, São Paulo, v. 20, n. 4, p. 559-572, dez. 2017.

ANDRADE, V. M. P.; CARDOSO, C. L. Visitas Domiciliares de Agentes Comunitários de Saúde: Concepções de Profissionais e Usuários. Psico-USF, Itatiba, v. 22, n. 1, p. 87-98, Apr. 2017.

ARANTES, L. J.; SHIMIZU, H. E.; MERCHAN-HAMANN, E. Contribuições e desafios da Estratégia Saúde da Família na Atenção Primária à Saúde no Brasil: revisão da literatura. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 21, n. 5, p. 1499-1510, mai, 2016.

BORGES C.; TAVEIRA, V. R. Territorialização. In: GUSSO, G.; LOPES, J. M. C. Tratado de medicina de família e comunidade: princípios de formação e prática. 2 ed. Porto Alegre: Artmed, 2018, 2432p.

BRASIL. Cadernos de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

BRASIL. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2012.

BRASIL. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Brasília: Ministério da Saúde, 2017.

BRASIL. Programas de Agentes Comunitários (PACS). Secretaria Executiva. Brasília: Ministério da Saúde, 2001.

CARVALHO FILHA, F. S. S.; NOGUEIRA, L. T. MEDINA, Maria Guadalupe. Avaliação do controle de hipertensão e diabetes na Atenção Básica: perspectiva de profissionais e usuários. Saúde debate, Rio de Janeiro, v. 38, n. spe, p. 265-278, Oct. 2014.

Declaração Universal dos Direitos Humanos adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembleia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948. Psicologia clínica, Rio de Janeiro, v.20, n.2, 2008.

MONKEN, M.; BARCELLOS, C. Vigilância em saúde e território utilizado: possibilidades teóricas e metodológicas. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 21, n. 3, 2005.

MUCELIN, C. A.; BELLINI, M. Lixo e impactos ambientais perceptíveis no ecossistema urbano. Sociedade & Natureza, Uberlândia, v. 20, n. 1, p. 111-124, jun. 2008.

ONU. Declaração Universal dos Direitos Humanos adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembleia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948. Psicologia clínica, Rio de Janeiro, v.20, n.2, 2008.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n5-179

Refbacks

  • There are currently no refbacks.