A percepção da construção do mapa inteligente e do vídeo educativo: Um relato de experiência / The perception of the construction of the intelligent map and the educational video: A story of experience

Thais Amorim Amaral, Daiana de Oliveira, Bárbara Camilly Simon, Fabiana Barille da Rocha, Letícia Tofili Mandelli, Gleizze Ilana Gomes

Abstract


A Unidade de Saúde oferece o atendimento primário à população, assim, para que isso ocorra adequadamente e de forma eficaz, necessita-se de mapeamento da região onde a unidade atende a população. O mapa inteligente oferece ao enfermeiro e à equipe, o conhecimento da área de atuação para que promova a saúde integralmente. Portanto, o objetivo desse estudo é relatar a percepção da construção do mapa inteligente e do vídeo educativo da Atenção Básica. Assim sendo, esta pesquisa trata-se de um relato de experiência sobre um trabalho desenvolvido na disciplina de Administração em Saúde Pública no curso de enfermagem, que consistiu na construção do mapa inteligente de uma determinada Unidade Básica de Saúde da cidade de Batayporã-MS e na criação de um vídeo educativo que por meio do que foi identificado durante o mapeamento caracterizar o ambiente de trabalho em que o enfermeiro está inserido. Foi utilizado o método de apresentação em maquete apontando a localização da unidade, sua região de abrangência e um vídeo educativo relatando as atribuições do profissional enfermeiro, relacionadas aos benefícios da implantação do mapa inteligente. O estudo contribui para o conhecimento e aperfeiçoamento de novas tecnologias na assistência em saúde, promovendo ao enfermeiro maior domínio sob possíveis dificuldades na detecção precoce de agravos que o mapa inteligente contribui minimizando futuros problemas.

Keywords


Ensino em Saúde, Saúde Pública, Recursos audiovisuais.

References


Secretaria de Saúde de Santa Catarina, Atenção Básica. [Internet]. [acesso em 2018 ago 14] Disponível em: http://portalses.saude.sc.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=2489&Itemid=468

Adami NP. A enfermagem de saúde pública na atualidade brasileira. Rev. Bras. Enferm. [Internet]. 1973 [acesso em 2018 ago 20]; 26(1): 46-52. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v26n1-2/0034-7167-reben-26-02-0046.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde [Internet]. 2017 [acesso em 2018 ago 20]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html

Smeltzer S. C et al; Brunner e Suddarth : Tratado de enfermagem Médico-cirúrgico,Volume 1. Rio de Janeiro, 2014.

Machado, D.H; Territorização e caracterização da população adscrita da equipe de saúde da família 905. [Internet] Campo Grande, 2014. [Acesso em: 2018 ago 13] Disponível em: file:///C:/Users/SEC%2003/Downloads/pi%20Daniel%20.pdf

Brasil, Ministério da Saúde. PORTARIA Nº 2.488, DE 21 DE OUTUBRO DE 2011. [Internet]. 2011. [acesso em 2018 ago 20]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2488_21_10_2011.html

Cardoso. CG; et al. Mapa inteligente: planejamento em ações de saúde no município de santa cruz do sul. [Internet]. 2011. [acesso em 2018 ago 22]. Disponível em: http://online.unisc.br/acadnet/anais/index.php/salao_ensino_extensao/article/view/1007

Rolnik S. Políticas de hibridação: evitando falsos problemas. In: Lima EL, Ferreira Neto JL, Aragon LE, organizadores. Subjetividade contemporânea: desafios teóricos e metodológicos. Curitiba: CRV; 2010. p. 15-24.

UNA-SUS. Saúde da criança e a saúde da família/ Fabrício Silva Pessoa (Org.). - São Luís: EDUFMA, [Internet]. 2016. [acesso em 2018 ago 22]. Disponível em: http://www.unasus.ufma.br/site/files/livros_isbn/isbn_sf04.pdf

Haddad AE. Educação Baseada na Comunidade e as políticas indutoras junto aos cursos de graduação na Saúde. In: Bollela VR, Germani ACCG, Campos HH, Amaral E, editores. Educação Baseada na Comunidade para as profissões da Saúde: aprendendo com a experiência brasileira. Ribeirão Preto: FUNPEC; 2014. p. 9-36.

Lacerda, JT de; Botelho, LJ; Colussi, C. Planejamento na Atenção Básica. Florianópolis : Universidade Federal de Santa Catarina, 2012. (Eixo II: O Trabalho na Atenção Básica). [acesso em 2018 ago 20]. Disponível em: https://ares.unasus.gov.br/acervo/handle/ARES/1167.

Razera, A. P.R.; et al. Vídeo educativo: estratégia de ensino-aprendizagem. Ciência Cuidado e Saúde, Maringá, 2014. 13 (1), p. 173-178.

Coelho, M. O.; Jorge, M. S. B. Tecnologia das relações como dispositivo do atendimento humanizado na atenção básica à saúde na perspectiva do acesso, do acolhimento e do vínculo. Ciência Saúde coletiva, [Internet] 2009, 14(1). [acesso em 2018 ago 22] Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232009000800026&script=sci_arttext

Monken, M; Barcellos, C. O território na promoção e vigilância em saúde. In: Fonseca, AF (org.). O território e o processo saúde-doença. Rio de Janeiro: EPSJV/Fiocruz, [Internet] 2007. [acesso em 2018 ago 22] Disponível em: Acesso em 22/08/2018

Filatro, A; Cairo, S. Produções de Conteúdos Educacionais. [Livro] 2015. São Paulo: Saraiva.

Moreira AM, Masini EFS. Aprendizagem Significativa: A Teoria de David Ausubel. São Paulo (SP): Centauro; [Livro] 2016.

Educação profissional e docência em saúde: a formação e o trabalho do agente comunitário de saúde. O território e o processo saúde doença. [Internet] [Acesso em 2018 ago 14] Disponível em: file:///C:/Users/SEC%2003/Downloads/PDF%20-%20Livro%20do%20Curso.pdf

Garcia, ACP, et al. Agente Comunitário de Saúde no espírito santo: do perfil às atividades desenvolvidas, [Internet] 2017. [acesso em 2018 ago 22] Disponível em: Acesso em 22/08/2018.

Rolnik S. Políticas de hibridação: evitando falsos problemas. In: Lima EL, Ferreira NJL, Aragon LE, organizadores. Subjetividade contemporânea: desafios teóricos e metodológicos. Curitiba: CRV; 2010. p. 15-24.

Almeida TJ, et al. Educação lúdica em saúde: relato de experiência dos “enfermeiros luminescentes”. Revista de pesquisa: cuidado é fundamental. 2013; 5(5): 122-30.

Barbosa MA, et al. Reflexões sobre o trabalho do enfermeiro em Saúde Coletiva. Revista Eletrônica de Enfermagem, 2004, 6(1).




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n5-175

Refbacks

  • There are currently no refbacks.