Medidas de enfrentamento para idosos com covid-19 a luz da teoria adaptativa de callista roy / Coping measures for elderly with covid-19 the light of callista roy adaptive theory

Camila da Silva Pereira, Maria Lucilândia de Sousa, Thaís Isidório Cruz Bráulio, Vitória de Oliveira Cavalcante, Edson Lineu Callou Cruz Amorim, Maria de Fátima Esmeraldo Ramos Figueiredo, Dayanne Rakelly de Oliveira, Rachel de Sá Barreto Luna Callou Cruz

Abstract


INTRODUÇÃO: A COVID-19 trata-se de uma doença infecciosa causada pelo novo coronavírus (SARS-CoV-2), esta apresenta elevada transmissibilidade e acentuada propagação. Destaca-se, diante dessa infecção, a vulnerabilidade da população idosa, principalmente em casos onde já são apresentados quadros de doenças crônicas, fazendo-se necessário um olhar aprofundado a esse grupo. OBJETIVO: Refletir acerca das medidas de enfrentamento para idosos diagnosticados com COVID-19, a luz da teoria adaptativa de Callista Roy. MÉTODO: Estudo descritivo do tipo teórico-reflexivo, realizado em agosto de 2020, embasado por leituras e interpretações de artigos científicos. A busca nas bases de dados foi realizada via BVS, por meio dos descritores “aged”, “COVID-19”, “theory” e “Callista Roy”, em combinação com os operadores booleanosAND” e “OR”, aplicando-se os seguintes cruzamentos: “COVID-19 AND aged”, “theory AND Callista Roy” e “COVID-19 AND aged OR Callista Roy”. Encontraram-se 54 artigos, sendo incluídos 19 publicados nos idiomas português, inglês e espanhol no período de dezembro de 2019 a julho de 2020, assim como, estudos da literatura clássica que abordam a teoria. Excluíram-se 35 artigos indisponíveis para download e que não respondiam ao objeto do estudo. RESULTADOS: Roy descreve quatro conceitos principais do Modelo de Adaptação, são eles: pessoa, ambiente, saúde e enfermagem. Nesse contexto, para o idoso com COVID-19, as medidas de enfrentamento podem surgir pelo modo fisiológico, atentando-se à oxigenação, nutrição, eliminação, atividade/repouso e proteção. Módulo de autoconceito incentivando aspectos espirituais como valores e crenças, levando-se em consideração também os papéis que esse público desempenha na sociedade e a interdependência pessoal, com avaliação do preenchimento afetivo no processo de dar e receber amor, respeito e valorRoy expõe ainda que o ambiente influencia o processo de desenvolvimento e comportamento do ser. Assim, é dada aos indivíduos a oportunidade de ressignificação, por meio das mudanças no cenário e na rotina da população atualmente. A promoção do processo de adaptação nos quatro modos apresentados é um objetivo da enfermagem, e essa, pode oportunizar e avaliar o retorno apresentado pelos sujeitos em cada conceito, para que com base nisso ocorra a promoção das medidas interventivas. CONSIDERAÇÕES FINAIS: A associação da teoria embasada no estudo, pode fornecer um olhar integral às necessidades do indivíduo por meios dos módulos envolvendo a pessoa, o ambiente, a saúde e a enfermagem como forma de alcance das medidas de enfrentamento. Ademais, é notório que a compreensão desta conjuntura pelo profissional enfermeiro, bem como, a articulação entre a equipe multiprofissional, pode promover a redução dos agravos que possam emergir, assim como estimular melhorias nos fatores biopsicossociais da saúde dos idosos.

 

 


Keywords


Geriatria, Infecções por coronavírus, Teoria de enfermagem.

References


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM (ABEn Nacional). Departamento Científico de EnfermagemGerontológica. Comunicação aos trabalhadores de enfermagem das instituições de longa permanênciade idosos (ILPI) para o enfrentamento da disseminação da COVID-19. 2020. Disponível em: http://www.abennacional.org.br/site/wp-content/uploads/2020/03/DCEG-ABEn_.

BARROS, A.L.B.L, et al. Pesquisa em enfermagem e a modificação da árvore do conhecimento no CNPq: contribuição à ciência. Rev. bras. enferm. v.73, n. 1, 2020.

BAVARESCO, M. et al. Complicações na estomia intestinal de eliminação e pele periestomia: processo de (in) adaptação à luz de Roy. 2020.

COSTA, F. A. et al. COVID-19: seus impactos clínicos e psicológicos na população idosa. Brazilian Journal of Development, v. 6, n. 7, 2020.

FISCHER, F. et al. COVID-19 and the Elderly: Who Cares? Frontiers in public health, v. 8, p. 151, 2020.

HAMMERSCHMIDT, A. K. S; SANTANA, R. F. Saúde do idoso em tempos de pandemia COVID-19. Cogitare Enfermagem, v. 25, 2020.

KALACHE, A. et al. Envelhecimento e desigualdades: políticas de proteção social aos idosos em função da Pandemia COVID-19 no Brasil. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v. 23, n. 6, 2020.

LEÃO, L.R.B; FERREIRA, V.H.S; FAUSTINO, A.M. O idoso e a pandemia do Covid-19: uma análise de artigos publicados em jornais. Brazilian Journal of Development, v. 6, n. 7, p. 45123-45142, jun. 2020.

LIMA, K. C. et al. A pessoa idosa domiciliada sob distanciamento social: possibilidades de enfrentamento à COVID-19. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v. 23, n. 2, 2020.

MASCARENHAS, V. H. A. et al. COVID-19 and the production of knowledge regarding recommendations during pregnancy: a scoping review. Rev. Latino-Americana de Enfermagem, v. 28, 2020.

MEDEIROS, L. P. et al. Modelo de Adaptação de Roy: revisão integrativa dos estudos realizados à luz da teoria. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, v. 16, n. 1, p. 132-140, 2015.

MEHRA, A. et al. A crisis for elderly with mental disorders: Relapse of symptoms due to heightened anxiety due to COVID-19. Asian Journal of Psychiathy, v. 51, p. 102-114, 2020.

MENG, H. et al. The Psychological effect of COVID-19 on the Elderly in China. Elsevier, v. 289, 2020.

MORAES, J. T. et al. Conceito e Classificação de Lesão por Pressão: atualização do National Pressure Ulcer Advisory Panel. Enferm. Cent. O. Min. v. 6, n. 2, p. 2292-2306, 2016.

MORENS, D.M. et al. Escaping Pandora’s Box-Another Novel Coronavirus. The New England Journal of Medicine, p. 1293-1295, 2020.

OLIVEIRA, W, et al. “Como o Brasil pode deter a COVID-19”. Revista Epidemiologia, Serviço Social e Saúde. vol. 2, n.29, p.1-8, 2020.

ROY, C.; ANDREWS, H. A Teoria da enfermagem: o modelo da adaptação de roy. Lisboa: Instituto Piaget, 2001.

ROY, C.; ANDREWS, H. The Roy Adaptation Model. 3. ed. London: Person Education LTD, 2009.

SANTOS, J.L.P. et al. Adaptação de longevos no domicílio após internação na unidade de terapia intensiva e alta hospitalar. Texto & Contexto-Enfermagem, v. 28, 2019.

SILVA, J. V; BRAGA, C.G. Evidências das teorias de enfermagem no processo de cuidar. 2. ed. Curitiba: Editora Prisma, 2016.

SOUZA, J.H.A. Isolamento social versus qualidade de vida dos idosos: um olhar multiprofissional frente à pandemia do Covid-19. Rev. Pub Saúde, 3, a035, 2020.

TEIXEIRA, F. A. et al. A evolução da Covid-19 e incidência nos óbitos da população idosa: defesa do isolamento horizontal. Revista Brasileira de Administração Científica, v. 11, n. 3, p.167-182, 2020.

VALL, J; LEMOS, K.I.L; JANEBRO, A.S.I. O processo de reabilitação de pessoas portadoras de lesão medular baseado nas teorias de enfermagem de Wanda Horta, Dorothea Orem e Callista Roy: um estudo teórico. Cogitare Enfermagem, v. 10, n. 3, 2005.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n5-167

Refbacks

  • There are currently no refbacks.