Perfil da qualidade de vida de pacientes com câncer colorretal estádios III e IV em instituição privada no Estado do Pará: Estudo seccional / Profile of the quality of life of patients with colorretal cancer stadiums III and IV in a private institution in the State of Pará: Section study

Taynah Cascaes Puty, Yasmim Souza Sarraf, Rebeca da Paixão Cleophas Cunha, Luis Eduardo Werneck de Carvalho, Fernando Adami

Abstract


Introdução: Devido ao grande número de pacientes vivendo com câncer colorretal (CCR), a qualidade de vida é um marcador que vem sendo cada vez mais avaliado. O paciente oncológico é mais susceptível a desenvolver diversos quadros emocionais, que podem progredir para ansiedade exacerbada ou condições de saúde mais graves, como depressão. Dessa forma, considerando que o câncer colorretal é o terceiro maior responsável por mortes por câncer no mundo, torna-se essencial estudar a qualidade de vida desses indivíduos. Objetivo: Descrever a qualidade de vida de pacientes com câncer colorretal estágios III e IV em uma instituição no estado do Pará. Método: Realizou-se um estudo observacional e descritivo, no período de agosto de 2016 a fevereiro de 2018, em uma clínica privada de Oncologia em Belém, Pará. Para adaptar este artigo às normas de estudos observacionais, foi utilizado o checklist Strengthening the Reporting of Observational Studies in Epidemiology (STROBE). Foram coletados dados de 30 pacientes com câncer colorretal em estágios III e IV. Dois questionários foram utilizados: o questionário validado SF-36 e um questionário socioeconômico, demográfico e de saúde elaborado pelos autores. A coleta de dados foi realizada durante as sessões de quimioterapia por meio de entrevista. Todos os indivíduos assinaram um Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE). Resultados: A média de idade foi de 57,86 anos (dp = 14,58). Considerando a média de qualidade de vida, avaliada pelo SF-36, a limitação por aspectos físicos foi a categoria com maiores extremos de respostas (mediana: 37,5, p25: 0; p75: 75). A vitalidade foi a categoria com menor amplitude (mediana: 70; p25: 56,25; p75: 85). Conclusão: O câncer, historicamente, é avaliado por meio de taxas de sobrevida e cura. Porém, essa pesquisa busca trazer a importância de avaliar essa doença a partir da visão do paciente, mais especificamente por sua percepção de qualidade de vida, mostrando como ela pode ser afetada pela doença e por outros aspectos paralelos. Por fim, esses resultados podem basear estudos futuros, que por sua vez podem servir de base para oferecer cuidados diferenciados a esses pacientes, minimizando os efeitos da doença em sua qualidade de vida.


Keywords


câncer colorretal, qualidade de vida, neoplasia.

References


Organization WH. GLOBOCAN 2012: Estimated cancer incidence, mortality and prevalence worldwide in 2012. Lung cancer fact sheet[Citated 2016 Jun 15] Available at http://globocan iarc fr/Pages/fact_sheets_cancer aspx. 2015.

Park CH, Kim NH, Park JH, Park DI, Sohn CI, Jung YS. Individualized colorectal cancer screening based on the clinical risk factors: beyond family history of colorectal cancer. Gastrointestinal endoscopy. 2018.

Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional do Câncer. "Incidência de câncer no Brasil. Estimativa 2020." (2019).

Indicators O. Health at a Glance 2011. OECD Indicators, OECD Publishing, Paris DOI: https://doi org/101787/health_glance-2015-en Accessed February. 2015;15:2016.

Oncology ASoC. Colorectal Cancer: Statistics [cited 2019 jan 04]. Available from: https://www.cancer.net/cancer-types/colorectal-cancer/statistics.

Rodin G, Lo C, Rydall A, Nissim R, Malfitano C, Shnall J, et al. Managing cancer and living meaningfully (CALM): A randomized controlled trial of a psychological intervention for patients with advanced cancer. American Society of Clinical Oncology; 2017.

Kimura CA, Kamada I, Guilhem D, Monteiro PS. Quality of life analysis in ostomized colorectal cancer patients. Journal of Coloproctology (Rio de Janeiro). 2013;33(4):216-21.

Bottomley A. The cancer patient and quality of life. The Oncologist. 2002;7(2):120-5.

Jansen L, Koch L, Brenner H, Arndt V. Quality of life among long-term (⩾ 5 years) colorectal cancer survivors–Systematic review. European Journal of Cancer. 2010;46(16):2879-88.

Grimes DA, Schulz KF. Descriptive studies: what they can and cannot do. The Lancet. 2002;359(9301):145-9.

Malta M, Cardoso LO, Bastos FI, Magnanini MMF, Silva CMFPd. Iniciativa STROBE: subsídios para a comunicação de estudos observacionais. Revista de Saúde Pública. 2010;44:559-65.

Egner JR. AJCC cancer staging manual. JAMA. 2010;304(15):1726-7.

Brazier JE, Harper R, Jones N, O'cathain A, Thomas K, Usherwood T, et al. Validating the SF-36 health survey questionnaire: new outcome measure for primary care. Bmj. 1992;305(6846):160-4.

Tribius S, Meyer M, Pflug C, Hanken H, Busch C-J, Krüll A, et al. Socioeconomic status and quality of life in patients with locally advanced head and neck cancer. Strahlentherapie und Onkologie. 2018:1-13.

You J, Wang C, Yeung NCY, Lu Q. Socioeconomic status and quality of life among Chinese American breast cancer survivors: The mediating roles of social support and social constraints. Psycho‐Oncology. 2018.

da Cunha Ferreira E, Barbosa MH, Megumi Sonobe H, Barichello E. Autoestima e qualidade de vida relacionada à saúde de estomizados. Revista Brasileira de Enfermagem. 2017;70(2).

Cheong IY, An SY, Cha WC, Rha MY, Kim ST, Chang DK, et al. Efficacy of Mobile Health Care Application and Wearable Device in Improvement of Physical Performance in Colorectal Cancer Patients Undergoing Chemotherapy. Clinical colorectal cancer. 2018;17(2):e353-e62.

Sierko E, Werpachowska MT, Wojtukiewicz MZ, editors. Psychological, physical, and social situation of Polish patients with colorectal cancer undergoing first-line palliative chemotherapy. Oncology nursing forum; 2011.

Grande GE, Farquhar MC, Barclay SI, Todd CJ. Quality of life measures (EORTC QLQ-C30 and SF-36) as predictors of survival in palliative colorectal and lung cancer patients. Palliative & supportive care. 2009;7(3):289-97.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n5-165

Refbacks

  • There are currently no refbacks.