Descrição epidemiológica da febre amarela no brasil: alerta sobre a expansão da doença / Epidemiological description of yellow fever in brazil: alert on the spansion of the disease

Yohana Pereira Vieira, Letícia Petry, Luana Escobar dos Santos, Rafael Marcelo Soder, Vera Regina de Marco, Pedro de Souza Quevedo, Darielli Gindri Resta Fontana, Luiz Anildo Anacleto da Silva

Abstract


A febre amarela é enfermidade viral pertencente a um grupo ecológico transmitido por artrópodes, denominado de arboviroses. Sua ocorrência representa um importante problema de saúde pública em todo mundo, sendo reconhecida por apresentar alta letalidade e morbidade em regiões tropicais da África e América do Sul. O objetivo deste estudo é descrever a situação epidemiológica atual da febre amarela no Brasil e alertar sobre a possível disseminação da doença no país. Os dados epidemiológicos da febre amarela nestes últimos anos, mostram um aumento significativo de casos, principalmente na região sudeste do Brasil. Em relação a letalidade, observou-se uma taxa elevada. Conclui-se a importância na vigilância epidemiológica na prevenção e controle dessa enfermidade, capacitando equipes, para assim consecutivamente disseminar informações para a comunidade.


Keywords


Enfermagem, Febre amarela, Vigilância epidemiológica.

References


DEGÁLLIER N, HERVÉ JP, ROSA APAT, VASCONCELOS P, ROSA JFST, SÁ FILHO G. A ecologia dos arbovírus na Amazônia: pesquisas atuais e perspectiva. Rev Fund SESP. 1986; 31:127-30.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Update on progress controlling yellow Yellow fever in África, 2004-2008. Wkly Epidemiol Rec. 2008; 83(50):449-60.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Manual de vigilância epidemiológica de febre amarela. Brasília, 2004.

RIBEIRO M, ANTUNES CMG. Febre amarela: estudo de um surto. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical 42 (5): 523, set-out- 2009.

TAUIL PL, SANTOS JB, MORAES MAP. Febre Amarela. In: Coura JR. Dinâmica das doenças infecciosas e parasitárias. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2005. p. 1775-1765.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Coordenação-Geral de Desenvolvimento da Epidemiologia em Serviços. Guia de Vigilância em Saúde: Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. – 1. ed. atual. – Brasília: Ministério da Saúde, 2016. 773 p.

BRASIL. Ministério da Saúde. Manual de Vigilância Epidemiológica de Febre Amarela. Fundação Nacional de Saúde. Brasília, 1999.

BRASIL, Portaria Nº 204, De 17 De Fevereiro De 2016.

FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE. Manual de vigilância epidemiológica de febre amarela. Disponível em http://www.funasa.gov.br.

FRANCO O. A história da febre amarela no Brasil. Rio de Janeiro: Ministério da Saúde; 1969. 200 p.

VASCONCELOS PFC. Febre amarela. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical 36(2):275-293, mar-abr, 2003.

PORTO MFS. A tragédia da mineração e do desenvolvimento no Brasil: desafios para a saúde coletiva. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 32(2):e00211015, fev, 2016.

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA. Previsão Sazonal do INMET. Disponível em http://www.inmet.gov.br. Acesso em março de 2017.

KELSO JM, MOOTREY GT, TSAI TS. Anaphylaxis from yellow fever vaccine. Journal of Allergy Clinical and Immunology 103: 698-701, 1999.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de vigilância em saúde. Departamento de vigilância de Doenças Transmissíveis. Orientações para profissionais de saúde sobre febre amarela silvestre. Brasília, Distrito Federal. Janeiro, 2017.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Manual de vigilância epidemiológica de febre amarela. Brasília, 2004.

ROMANO, APM et al . Febre amarela no Brasil: recomendações para a vigilância, prevenção e controle. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, v. 20,n. 1, p. 101-106, mar. 2011.

BASTOS, F., & KRASILCHIK, M. (2004). Pesquisas sobre a febre amarela (1881-1903): uma reflexão visando contribuir para o ensino de ciências. Ciência & Educação (Bauru), 10(3), 417–442.

CAVALCANTE, K. R. L. J., & TAUIL, P. L. (2016). Características epidemiológicas da febre amarela no Brasil, 2000-2012. Epidemiologia e Servicos de Saude : Revista Do Sistema Unico de Saude Do Brasil, 25(1), 11–20.

NÓVOA, T. D’AVILA, CORDOVIL, V. R., PANTOJA, G. M., RIBEIRO, M. E. S., CUNHA, A. C. DOS S., BENJAMIN, A. I. M., SILVA, C. D. C. DE C., SILVA, T. N. DA, & SANTOS, F. A. (2020). Cobertura vacinal do programa nacional de imunizações (PNI). Brazilian Journal of Health Review, 3(4), 7863–7873. https://doi.org/10.34119/bjhrv3n4-053




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n5-163

Refbacks

  • There are currently no refbacks.