Predição epidemiológica dos usuários do programa HIPERDIA em relação às doenças cardiovasculares em um município Amazônida / Epidemiological prediction of HIPERDIA program in relation to cardiovascular disease, in an Amazonic city

Rosete Damião Nunes da Silva, Elielza Guerreiro Menezes, Elielza Guerreiro Menezes, Huxlan Beckmam de Lima, Huxlan Beckmam de Lima, Sonia Rejane de Senna Frantz, Sonia Rejane de Senna Frantz, Maria Luiza Carvalho de Oliveira, Maria Luiza Carvalho de Oliveira, Adriany da Rocha Pimentão, Adriany da Rocha Pimentão, Andreza Cardoso Ramires, Andreza Cardoso Ramires, Taycelli Luiza de Oliveira Dias, Taycelli Luiza de Oliveira Dias

Abstract


Objetivo: Analisar a predição epidemiológica dos usuários do Programa Hiperdia em relação às doenças cardiovasculares; Métodos: Trata-se de estudo exploratório-descritivo retrógado com abordagem quantitativa, realizada com base nas informações colhidas em prontuários, fichas de cadastros dos usuários inseridos no Programa Hiperdia. Resultados: Foram analisados 84 prontuários dos usuários do Hiperdia, sendo 60% do sexo feminino e 40% sexo masculino, a faixa etária de 51 anos (85%) foi a mais predominante entre homens e (31%) em mulheres de 51 a 60 anos. A população rural sobressai com 75% dos casos, aposentados e atividades do lar.  A Hipertensão Arterial Sistêmica de maior predominância em 71% dos casos seguida da Diabetes com 21%, com baixo risco cardiovascular, na assistência falhas nos registros. Conclusão: Foram observados que os usuários do Hiperdia não realizam com frequência acompanhamento médico com consultas periódicas e sim quando ocorrem as complicações.


Keywords


Enfermagem; Fatores de riscos; Hipertensão Arterial

References


Brasil, Ministério da Saúde (BR). Diabetes Mellitus: Manual de Hipertensão Arterial e Diabetes. Brasília (DF); 2002.

Ministério da Saúde. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: hipertensão arterial sistêmica [Internet]. Ministério da Saúde. 2013. 130 p. Available at: www.saude.gov.br/doencascronicas

Gomes TJO, Silva MVR, Santos AA. Controle da pressão arterial em pacientes atendidos pelo programa Hiperdia em uma Unidade de Saúde da Família. Rev Bras Hipertens. 2010;17( 3):132-139.

Brasil, Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Hipertensão arterial sistêmica para o Sistema Único de Saúde / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2006 a.

Brasil, Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Diabetes Mellitus / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2006 b.

Schmidt MI, Ducan BB, Hoffmann JF, Moura L, Matta DC, Carvalho RMSV. Prevalência de diabetes e hipertensão no Brasil baseado em inquérito de morbidade auto referida. Rev Saúde Pública. 2009; 43(2): 74-82.

Carvalho Filha FSSC, Nogueira LT, Viana NLMM. Hiperdia: adesão e percepção de usuários acompanhados pela Estratégia Saúde Da Família. Rev Rene, 2011; 12(n. esp.):930-6.

Ministério da Saúde (BR) Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde. SIS Hiperdia (Internet). Brasília. 2013. Disponível em: http://hiperdia.datasus.gov.br .

Marques da Silva P, Lima MJ, Neves PM, Espiga de Macedo M. Prevalence of cardiovascular risk factors and other comorbidities in patients with hypertension in Portuguese primary health care populations: The PRECISE study. Rev Port Cardiol [Internet]. 2019;38(6):427–37. Available at: https://doi.org/10.1016/j.repc.2018.09.011

Monakali S, Ter Goon D, Seekoe E, Owolabi EO. Prevalence, awareness, control and determinants of hypertension among primary health care professional nurses in Eastern Cape, South Africa. African J Prim Heal care Fam Med. 2018;10(1):1–5.

Noblat, ACB, Lopes MB, Lopes GB, Lopes AA. Complicações da hipertensão arterial em homens e mulheres atendidos em um ambulatório de referência. Arq. Bras. Cardiol. São Paulo. 2004; 83( 4),

Zaitune MPA, Barros MBAB, César CLG, Carandina L, Goldbaum M.. Hipertensão Arterial em idosos: prevalência, fatores associados e práticas de controle no município de Campinas, São Paulo, Brasil. Cad. Saúde Pública. 2006: 22,(supl II)

.

Elliot WJ, Black HR. Treatment of hypertension in the elderly. Am J Geriatr Cardiol. 2002; 11(1):11-21.

Rosa TEC, Benício MHD, Latorre MRDO, Ramos LR. Fatores determinantes da capacidade funcional entre idosos. Revista de Saúde Pública. 2003;1(37):40-8.

Cotta RMM, Batista, KCS, Reis, RS, Souza, GA, Dias G, Castro, FAF et al. Perfil sociossanitário e estilo de vida de hipertensos e/ou diabéticos, usuários do Programa de Saúde da Família no município de Teixeiras, MG. Ciência & Saúde Coletiva. 2009; 14(4): 1251-1260.

Vanelli CP, Costa MB, Colugnati FAB, Pinheiro HS, De Paula EA, Simão CCAL, et al. Dialogue between primary and secondary health care providers in a Brazilian hypertensive population. Rev Assoc Med Bras. 2018;64(9):799–805

Ministério da Saúde (BR) Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde. Portal Brasil. Brasília. Disponível: http://brasil.gov.br/saúde/2013/11/hipertensão.

Dallacosta FM, Dallacosta H, Nunes AD. Perfil de hipertensos cadastrados no programa Hiperdia de uma unidade básica de saúde. Unoesc & Ciência – ACBS. 2010;1(1):45-52.

IV Diretriz Brasileira sobre Dislipedemias e Prevenção da Ateresclerose. Arq Bras Cardiol. 2013; 101 (Suppl I): 1-22.

Sociedade Brasileira de Cardiologia, Sociedade Brasileira de Hipertensão, Sociedade Brasileira de Nefrologia. V Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial. Rev Bras Hipertens.2006;13(4):260-312.

Paula EA, Paula RB, Costa DMN, Colugnati FAB, Paiva EP. Avaliação do risco cardiovascular em hipertensos. Ver. Latino-Am. Enfermagem. (Periódico na Inernet). 2013; 21(3). Disponível em:http://scielo.br/scielo.php?script=sciarttext&pid=S010411692013000300820&lng.

Bortolotto LA, Praxedes JN. Hipertensão arterial e insuficiência renal crônica. Rev Bras Hipertens. 2008;15(3):152-155; 21 (3): [periódicos na internet]. Disponivel em: http:// http://departamentos.cardiol.br/dha/revista/15-3/09-hipertensao.pdf.

Bloch KV, Melo NA, Nogueira AR. Prevalência da adesão ao tratamento anti-hipertensivo em hipertensos resistentes e validação de três métodos indiretos de avaliação da adesão. Cad. Saúde Pública, (periódico na internet). 2008; 24(12): 2979-2984, Disponível em http://departamentos.cardiol.br/dha/revista/15-3/09-hipertensao.pdf.

Contiero AP, Pozati MPS, Challouts RI, Carreira L, Marcon SS. Idoso com hipertensão arterial: dificuldades de acompanhamento na Estratégia Saúde da Família. Rev Gaúcha Enferm., Porto Alegre (RS) 2009 mar;30(1):62-70.

Marinho MG da S, Cesse EÂP, Bezerra AFB, Sousa IMC de, Fontbonne A, Carvalho EF de. Analysis of health care costs of patients with diabetes mellitus and hypertension in a public health reference unit in Recife--Brazil]. Arq Bras Endocrinol Metabol [Internet]. 2011;55(6):406–11. Available at: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22011857




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n5-152

Refbacks

  • There are currently no refbacks.