Esporte e lazer na promoção da saúde mental de adolescentes em situação de vulnerabilidade social / Sport and leisure promoting the mental health of socially vulnerable adolescents

Keise Bastos Gomes da Nóbrega, Mizaelly Cristina Pereira Gomes, Raissa de Oliveira Negrão, Thais Marcela de Andrade Silva, Viviane Mayra Araújo Pessoa de Albuquerque Guedes, Erivanderson Ferreira Santos Silva, Adriely Conceição Freires de Aguiar, Marina Araújo Rosas

Abstract


INTRODUÇÃO: A adolescência é uma fase de mudanças, vivenciada por transformações físicas, emocionais, sociais na qual o sujeito modifica seus domínios e concepções. Sabe-se que a vulnerabilidade expõe os indivíduos a situações de risco a sua saúde mental e acaba por potencializar os efeitos consequentes. O suporte social, como a prática esportiva e atividades de lazer são fatores de proteção, que atuam na promoção na qualidade de vida de adolescentes em situação de risco psicossocial. OBJETIVO: descrever as ações realizadas através do projeto “Esporte e Lazer na Promoção da Saúde Mental”. MÉTODO: Trata-se de um relato de experiência a respeito de um projeto de extensão com adolescentes em vulnerabilidade social, através de intervenções com atividades de educação em saúde, práticas esportivas e de lazer. RESULTADOS e DISCUSSÃO: Diante das atividades desenvolvidas junto aos adolescentes e seus familiares, foi possível fazer a relação entre ensino-pesquisa-extensão e promover a esses participantes melhor qualidade de vida, possibilitando novas experiências, com a adoção de hábitos mais saudáveis e atitudes de autocuidado. Houve o envolvimento de profissionais da rede e o engajamento dos familiares e/ou responsáveis nas etapas do projeto, contribuindo com a eficácia da proposta. Além do exposto, os resultados também podem servir de referência para novos estudos e mobilizar ações de intervenções apropriadas a essa clientela, a partir das demandas identificadas. CONSIDERAÇÕES FINAIS: A experiência de participação no projeto trouxe ganhos para todos os envolvidos, discentes, docentes, profissionais e adolescentes. Através das ações realizadas, evidenciou-se os benefícios da atividade física, bem como, do lazer para os aspectos psicossociais, relacionados à melhoria da qualidade de vida de adolescentes em situação de vulnerabilidade social. Diante disso, torna-se fundamental o estímulo a incorporação dessas práticas, por meio de articulações intersetoriais na rede de cuidados, considerando a proteção à saúde mental.


Keywords


Atenção Primária à Saúde, Cuidado do Adolescente, Esporte, Lazer, Saúde Mental, Terapia Ocupacional.

References


ASSIS SGD, AVANCI Q, PESCE, XIMENES F. Situação de crianças e adolescentes brasileiros em relação à saúde mental e à violência. Ciências e saúde coletiva. 2009 Mar – Abr, 14(2): 349-361.

ASSOCIAÇÃO AMERICANA DE TERAPIA OCUPACIONAL (AOTA). Estrutura da prática da Terapia Ocupacional: domínio & processo 3ª ed. Rev Ter Ocup Univ São Paulo. (Ed. Especial). 2015; 26(1): 1-49.

BORDIN IAS, PAULA C. Estudos populacionais sobre saúde mental de crianças e adolescentes brasileiros. In: Mello MF, Mello AAF, Korh R. (Org.). Epidemiologia da saúde mental no Brasil. Porto Alegre: Artmed; 2007.

BRASIL. Fundação Nacional de Saúde. Diretrizes de educação em saúde visando à promoção da saúde. Brasília: Funasa, 2007. 70 p

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção em Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Diretrizes nacionais para a atenção integral à saúde de adolescentes e jovens na promoção, proteção e recuperação da saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2010. 132 p

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Cadernos de Atenção Básica, Saúde mental. n. 34, Brasília: Editora MS, 2013. 176 p.

BRASIL. Portaria nº 2.761, de 19 de novembro de 2013. Institui a Política Nacional de Educação Popular em Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (PNEPS-SUS).

CID MF. Cotidiano familia: Refletindo sobre a saúde mental infantil e a prática. Revista Terapia Ocupacional Univ São Paulo. 2015 set-dez. 26(3): 428-438

CID MF, MATSUKURA, CIA. Relações entre a saúde mental de estudantes do ensino fundamental e as práticas e estilos parentais. O Mundo da Saúde, São Paulo. 2015. 39(4): 504-513.

COUTO MCV, DUARTE CS, DELGADO PGG. A saúde mental infantil na saúde pública brasileira: situação atual e desafios. Revista Brasileira de Psiquiatria. Rio de Janeiro, n.30, v.1, 2008.

DIRETRIZES PARA AS POLÍTICAS DE EXTENSÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR BRASILEIRA. Ministério Da Educação Conselho Nacional De Educação. Brasília, DF; Out, 2018.

DRUMMOND LDC, RADICCHI LA, GONTIJO CD. Fatores sociais associados a transtornos mentais com situações de risco na atenção primária de saúde. Revista Brasileira Epidemiologia. 2014. 15(3): 560 – 572.

FARRE, A. G.M.C. et al . Promoção da saúde do adolescente baseada na arte/educação e centrada na comunidade. Rev. Bras. Enferm., Brasília , v. 71, n. 1, p. 26-33, fev. 2018

FERRIOLI, S.H.T; MARTURANO, E.M; PUNTEL, L.M. Contexto familiar e problemas de saúde mental infantil no Programa Saúde da Família. Revista de Saúde Pública,; n.41, v.2; 2007. p. 251-259.

FLEITLICH BW, GOODMAN R. Implantação e implementação de serviços de saúde mental comunitários para crianças e adolescentes [editorial]. Rev Bras Psiquiatr. v. 24; n.1, 2002.

GONTIJO, D.T. et al. Occupational Therapy and Sexual and Reproductive Health Promotion in Adolescence: A Case Study

JARDIM DP. Educação em saúde na adolescência: uma experiência acadêmica na Estratégia Saúde da Família. Adolesc Saude. 2012;9(4):63-67

KESSLER RC, ANGERMEYER M, ANTHONY JC, et al. Lifetime prevalence and age-of-onset distributions of mental disorders in the World Health Organization’s World Mental Health Survey Initiative. World Psychiatry 2007; 6: 168–76.

MARZOL, BONAFÉ, YUNES MAM. As Perspectivas de Crianças e Adolescentes em Situação de Acolhimento Sobre os Cuidadores Protetores, PSICO, Porto Alegre. 2012 jul/set. 43(3): 317-324.

MATSUKURA, T. S.; FERNANDES, A. D. S. A.; CID, M. F. B. Fatores de risco e proteção à saúde mental infantil: o contexto familiar. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo, v. 23, n. 2, p. 122- 129, maio/ago. 2012.

MONTEIRO D.R.P. O marco conceitual da vulnerabilidade social. Sociedade em Debate, Pelotas. 2011. jul – dez. 17(2): 29-40.

Morais A, Kolle SH, Raffaelli M. Eventos Estressores e Indicadores de Ajustamento entre Adolescentes em Situação de Vulnerabilidade Social no Brasil. Dissertação de Doutorado. Universidade de Psicologia, Bogotá/Colombia. 2010; 9(3): 787-806.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE (OMS), Cuidar de Crianças e Adolescentes com Transtornos Mentais. Ministério da Saúde. Definição da OMS, Genebra. 2003.

SÁ, D.G.F; BORDIN, I.A.S; MARTIN, D; PAULA, C.S. Fatores de Risco para

Problemas de Saúde Mental na Infância/Adolescência. Psicologia: Teoria e Pesquisa. Brasília, out-dez, v.26 n. 4, 2010. p. 643-652.

SANTOS, Maria Cristina Elyote Marques; DE ANDRADE SANTOS, Paulo César Marques. Pesquisa e extensão universitária como sustentação do ensino/Investigación y extensión universitaria como apoyo a la enseñanza. Brazilian Journal of Development, v. 5, n. 9, p. 14345-14360, 2019.

SARRIERA JC; TATIM DC; COELHO RPS; BUCKER J. Uso do Tempo Livre por Adolescentes de Classe Popular. Psicologia: Reflexão e Crítica. 2007; 20(3): 361-367.

UNICEF: O direito de ser adolescente: Oportunidade para reduzir vulnerabilidades e superar desigualdades / Fundo das Nações Unidas para a Infância. Brasília, DF. 2011.

THIENGO, D. L.; CAVALCANTE, M. T.; LOVISI, G. M. Prevalência de transtornos mentais entre crianças e adolescentes e fatores associados: uma revisão sistemática. J. bras. psiquiatr., Rio de Janeiro, v. 63, n. 4, dec. 2014. p. 360-372

WIEGAND-GREFE, S., SELL, M.; BONNIE FILTER, B.; PLASS-CHRISTL, A. Family Functioning and Psychological Health of Children with Mentally Ill Parents. Int. J. Environ. Res. Public Health, v.16, n.7, p.1278, 2019.

VICENTIN, M. C. G. Infância e adolescência: uma clínica necessariamente ampliada. Rev. Ter. Ocup.Univ. São Paulo, v. 17, n. 1, jan./abr. 2006. p. 10-17.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n5-151

Refbacks

  • There are currently no refbacks.