A escolha da via de parto por graduandas em medicina do Primeiro ao Quinto ano da Universidade Brasil / The choice of the birth route for undergraduates in medicine from the first to the fifth year of Universidade Brasil

Victória Barboza Tamarozzi, Morisa Martins Leão Carvalho

Abstract


Introdução: A escolha da via de parto cesariana no Brasil tem índices altos, mesmo só sendo indicada em situações de risco à saúde da mãe ou do feto, ou seja, muitas dos partos cesárea realizados são evitáveis, sendo o recomendado pela OMS apenas 15%. Objetivos: Neste trabalho temos como objetivo avaliar a escolha da via de parto pessoal e profissional por estudantes de medicina, visando uma comparação com os dados nacionais, na busca de explicações para os elevados dados nacionais de parto cesárea. Métodos: Para o mesmo foi realizado uma revisão bibliográfica e a aplicação de um questionário as graduandas em medicina do primeiro ao quinto ano da Universidade Brasil, no qual foi feito uma analise quantitativa das respostas obtidas. Resultados: Com isso foi-se observado no âmbito pessoal uma preferencia pelo parto cesárea pelas graduandas do primeiro ao quarto ano, sendo o parto normal mais prevalente nas alunas do quinto ano. Já na indicação profissional, a maciça maioria das estudantes indicariam o parto normal as suas pacientes. Conclusão: Os exacerbados partos cesárea podem ser um reflexo do ensino adquirido pelos especialistas em ginecologia e obstetrícia durante a residência e não na formação do médico generalista.


Keywords


graduandas em medicina, parto cesárea, parto normal.

References


Ministerio da Saude. SINASC - Sistema de Informações sobre. Brasil: Nascidos Vivos; 2007.

(2) Godinho AS et al. Fatores associados ao tipo de parto na rede pública de Patos de Minas-MG. Brazilian Journal of Health Review 3(2), 2384-2395,2020.

Freitas PF, Moreira BC, Manoel AL, Botura ACA. O parecer do Conselho Federal de Medicina, o incentivo à remuneração ao parto e as taxas de cesariana no Brasil. Cad. Saúde Pública [online]. 2015;31(9):1839-1855.

Costa SP, et al. Parto normal ou cesariana? Fatores que influenciam na escolha da gestante. Revista de Enfermagem da UFSM, 2014; 4(1):1-9.

Machado Junior LC et al. Associação entre via de parto e complicações maternas em hospital público da Grande São Paulo, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 2009;25:124-132.

Feitosa RMM, et al. Fatores que influenciam a escolha do tipo de parto na percepção das puérperas. Revista de Pesquisa Cuidado é Fundamental Online, 2017;9(3):717-726.

Watanab T, et al. Medical students’ personal choice for mode of delivery in Santa Catarina, Brazil: a cross-sectional, quantitative study. BMC Med Educ. 2012;12(57).

Minuzzi A, Rezende CL. Fatores de influência na escolha da viade parto: uma revisão de literatura. REVISTA UNINGÁ REVIEW, 2017;14(1):11-11.

Bittencourt F, Vieira JB, De Almeida ACCH. Concepção de gestantes sobre o parto cesariano. Cogitare Enfermagem, 2013;18(3):515-520.

Kottwitz F, Gouveia HG, Gonçalves AC. Via de parto preferida por puérperas e suas motivações. Escola Anna Nery: revista de enfermagem. 2018;22(1).

Al-Mufti R, McCarthy A, Fisk NM. Survey of obstetricians’ personal preference and discretionary practice. Eur J Obstet Gynecol Reprod Biol. 1997;73(1):1–4.

Siqueira RM, Peixoto HM, Martins RGG. Opiniões de estudantes de enfermagem sobre preferências pela via de parto. Rev. enferm. UFPE on line, 2012;6(1): 69-75.

Pires D et al. A influência da assistência profissional em saúde na escolha do tipo de parto: um olhar sócio antropológico na saúde suplementar brasileira. Revista brasileira de saúde materno infantil= Brazilian journal of mother and child health. Recife. 2010;10(2):191-197.

Vale LD et al. Preference and factors associated with the type of delivery among new mothers in a public maternity hospital. Rev. Gaúcha Enferm. [online]. 2015;36(3):86-92.

Dos Santos RAA, De Melo MCP, Leal RJM. Experiência do tipo de parto: relato de puérperas através da análise de discurso.Revista de Ciências Médicas e Biológicas, 2015;14(1):74-81.

Gentile FP, Noronha Filho G, Cunha AA. Associação entre a remuneração da assistência ao parto e a prevalência de cesariana em maternidades do Rio de Janeiro: uma revisão da hipótese de Carlos Gentile de Mello. Cad Saúde Pública 1997; 13:221-6.

Junior TL, Steffani JÁ, Bonamigo EL. Escolha da via de parto: expectativa de gestantes e obstetras. Revista Bioética, 2013;21(3):509-517.

(18) Chitarra CA et al. Perfil clínico obstétrico das parturientes atendidas em um hospital universitário, quanto à indicação do tipo de parto. Brazilian Journal of Health Review 3 (4), 7893-7909, 2020.

Ministério da Saúde. Portal do Governo brasileiro;2018. http://www.saude.gov.br/noticias/agencia-saude/42714-ministerio-da-saude-fara- monitoramento-online-de-partos-cesareos-no-pais.

Freitas PF, Savi EP. Desigualdades sociais nas complicações da cesariana: uma análise hierarquizada. Cad Saúde Pública 2011; 27:2009-20.

Velho MB, Dos Santos EKA, Collaço VS. Parto normal e cesárea: representações sociais de mulheres que os vivenciaram. Revista Brasileira de Enfermagem, 2014; 67(2):282-289.

Velho MB et al. Vivência do parto normal ou cesáreo: revisão integrativa sobre a percepção de mulheres. Texto & Contexto Enfermagem, 2012;21(2): 458-466.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n5-137

Refbacks

  • There are currently no refbacks.