Samu nas escolas: utilizando o lúdico na educação em saúde / Samu in schools: using playfulness in health education

Shirley Carneiro De Sousa Callou, Antônia Adonis Callou Sampaio, Tatiane Pina Santos Linhares, Agnete Troelsen Pereira, Mykaelle Almeida Salgado

Abstract


Introdução: A educação em saúde é uma das funções de maior importância no papel dos profissionais de saúde, o uso do lúdico vem ganhando destaque como mediador do ensino-aprendizagem. Diante dos números expressivos de trotes telefônicos executadas por crianças ao Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), vislumbrou-se a necessidade de utilizar a educação em saúde de forma lúdica para sensibilizar as crianças sobre a importância do serviço e as consequencias que os trotes podem trazer para a população. Objetivo: Este estudo tem como objetivo explanar um relato de experiência dos acadêmicos de enfermagem referente ao desenvolvimento do projeto “SAMU nas escolas: sou amigo do SAMU não passo trote” que utiliza atividades lúdicas para promover a educação em saúde nas escolas do município de Senhor do Bonfim-Ba. Metodologia: Trata-se de um relato de experiência sobre as atividades do projeto SAMU nas escolas, de abordagem descritiva, com objetivo de relatar o desenvolvimento do projeto durante o ano de 2014 e 2015; utilizando como recurso inovador o teatro. Resultados: Observa-se como resultados, o entendimento e a sensibilização sobre o funcionamento do serviço de urgência; elucidação a grande problemática e prejuízos à vida que os trotes telefônicos proporcionam; estímulo à adesão das crianças enquanto multiplicadores do serviço e, por conseguinte, redução dos trotes. Conclusão: A implantação deste projeto vislumbra a relevância de se trabalhar de forma dinâmica as atividades educativas, pois permite a participação efetiva das crianças, buscando entender o conhecimento e opinião dos mesmos, fazendo-os refletir e julgar os comportamentos, promovendo diálogo e fazendo com que as crianças se sintam atores sociais participativos e multiplicadores de atitudes conscientes, promovendo melhor qualidade dos serviços.

 


Keywords


Educação em saúde. SAMU. Crianças.

References


BRASIL. Ministério da Saúde. Política nacional de atenção às urgências. 3. ed. ampl. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde. 256p. 2006.

MINAYO, M. C. S.; DESLANDES, S. F. Análise da implantação do sistema de atendimento pré-hospitalar móvel em cinco capitais brasileiras. Cad. Saúde Pública. v.24, n.8, p.1877-1886. 2008.

Serviço do SAMU 192. Portal Saúde. Copyright. 2009. Disponível em:. Acesso em: jul,2015.

WHITAKER I.Y., GUTIÈRREZ M.G.R, KOIZUMI M.S. Gravidade do trauma avaliada na fase pré-hospitalar. Rev Assoc Med Bras. n. 44, p. 111-9. 1998.

Ministério. 40% das ligações ao SAMU são trotes. Site TERRA. 2008. Acesso em fev. 2016. Disponível em: .

LEAL, F. Trotes para os serviços de emergência poderão ser punidos. [internet]. 2012. Acesso em jul 2015. Disponível em:.

BRASIL. Ministério da saúde. Temas de Interesse: Saúde Pública. Saúde na mídia – relatório de imprensa. Brasília. 2014. Acesso em jul 2015. Disponível em: .

SILVA, LD et al. O enfermeiro e a educação em saúde: um estudo bibliográfico. Rev. Enferm. UFSM. v.2, n.2, p:412-419. 2012.

COSCRATO, G.; PINA, J.C.; MELLO, D.F. Utilização de atividades lúdicas na educação em saúde: uma revisão integrativa da literatura. Acta Paul Enferm v.23,n.2,p.257-63. 2010.

Soares SM, Silva LB, Silva PAB. Teatro em foco na saúde da família. Esc Anna Nery. v.15, n.4, p. 818-824. 2011.

FONSECA, C.S.; NERI, D.F.M. Atividades lúdicas como estratégia de promoção da saúde: uso do teatro na busca da prevenção do diabetes. EXTRAMUROS-Revista de Extensão da UNIVASF. v.3,n.3. 2015.

LIMA, J.A.C.; SANTOS, P.C.F. Relato de experiência sobre uma estratégia pedagógica de sensibilização para minimizar danos. Rev. enferm. UFPE. v.7,p.5023-8. 2013.

JAPENISKI, L.F.S.;LINS, M.E.F. ;BRUNETTI, C.V. ;ARAÚJO, H.K.A. ;SANTANA, J.A.B.S. ;NUNES, Y.M.S. ;QUEIROZ, A.P.D.G. A experiência de acadêmicos de Medicina com educação em saúde sobre primeiros socorros na Atenção Básica: o projeto “Anjos da Guarda”. Rev. Braz. J. Hea. v.3,n.2 , p. 3110-3118.2020




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n5-133

Refbacks

  • There are currently no refbacks.