Especies fúngicas responsáveis por onicomicoses em pacientes atendidos no municipio de Petrolina, Pernambuco / Fungal species responsible for onychomycosis in patients served in the city of Petrolina, Pernambuco

Aislany Warlla Nunes Luna, Ana Letícia Freire Menezes, Bruna Letícia Da Silva Melo, Efraim Ricardo Souza Santos Filho, Fernanda Emilia Xavier de Souza, Manassés Weliton da Silva Cruz, Maria Clara Campos de Sá, Kedma de Magalhães Lima

Abstract


Infecções fúngicas em tecido cutâneo podem ser causadas por leveduras, dermatófitos e fungos filamentosos não dermatófitos, os últimos emergentes em pacientes imunodeprimidos. As características clinicas da lesão geralmente se correlacionam ao tipo de fungo observado na pesquisa micológica, à forma com que o hospedeiro responde a infecção, a região anatômica e o tecido afetado. O presente trabalho realizado de janeiro/2018 à janeiro/2019, teve como objetivo investigar e caracterizar os aspectos clínicos, epidemiológicos e laboratoriais das micoses superficiais e cutâneas, a fim de determinar o perfil epidemiológico das infecções fúngicas por meio de exames micológicos em pacientes atendidos no município de Petrolina-PE. Foram enviados para realização de coleta micológica 31 pacientes com suspeita de micose superficial, sendo que em 5 casos, os pacientes apresentavam lesão em dois sítios anatômicos diferentes, dando um total de 36 amostras biológicas. Das 36 amostras biológicas retiradas de regiões com suspeita de micose superficial, 88% apresentaram diagnóstico positivo. No entanto, dos exames com diagnóstico positivo, 91%apresentaram positividade ao exame direto de contigo, e 9% somente ao exame direto, sendo que esses três casos eram sugestivos clinicamente e em exame direto para pitiríasevesicolor. Houve maior número de diagnósticos positivos para o onicomicoses 53% e pitiríase versicolor 19%. Em ordem decrescente, seguiram-se tinea pedis12, 5%; tineacorporis 9%; tinea capitis 3%%; tineacruris 3%. Verificou-se maior ocorrência dos fungos leveduriformes 59%, representados principalmente por Malasseziasp 12,5% e Candidasp 15% seguidos dos filamentos dermatofíticos 28 % representados principalmente por Trichophytonrubrum 25% e dos fungos filamentosos não dermatofíticos 12,5 %, com maior ocorrência de Fusariumsolani 9%. Nos fungos leveduriformes, a Malasseziaspp apresentou maior ocorrência em casos de pitiríase versicolor 12,5%. Contudo foi detectada também em casos de suspeita clínica de tinea capitis 3%. A Candidaspp foi o agente causal mais incidente nas onicomicoses 34%. Dos fungos filamentosos dermatofíticos, Thichophytonrubrum apresentou maior incidência nas onicomicoses 12,5%, tendo sido detectado também em tinea pedis 9%, tineacorporis 9% e tineacruris 3%. Quanto aos fungos aos fungos dermatofíticos, Scytalidiumdimidiatum foi observado em casos de onicomicoses 6% e tinea pedis 3%. O sexo feminino foi o mais acometidos pelas micoses superficiais 66 %, representadas principalmente por onicomicoses 31%. No sexo masculino houve incidência de micoses observadas em duas regiões anatômicas, e sendo confirmado mesmo fungo em exame direto e cultura, ocorrendo estas por fungo dermatofítico T. Rubrum. É importante ressaltar também a relação entre a incidência das micoses superficiais com a sazonalidade e as classes sociais não foram significativos. Por fim, neste trabalho foi possível constatar, que onicomicose e pitiriase versicolor são as micoses superficiais mais incidentes no meio estudado, e que a Candidasp e Malasseziasp foram os agentes etológicos mais freqüentes. O sexo feminino é o mais acometido, sendo onicomicose e micose superficial, mais freqüente. Já no sexo masculino houve maior ocorrência por fungos dermatofitos T. rubrum. Não foi demonstrada a influência da sazonalidade em relação à incidência das micoses superficiais.

 

 


Keywords


Micologias; Fungos; Onicomicoses.

References


ALVES, S.; MILAN, E.; SANT’ANA, P.; OLIVEIRA, L.; SANTURIO, J.; COLOMBO, A. Hypertonicsabouraudbroth as a simpleandpowerfultest for Candidadubliniensisscreening. Diagnostic Microbiology and Infectious Disease, v. 43, p. 85–86, 2002.

AMEEN, M. Epidemiology of superficial fungal infections. Clinics in Dermatology , v. 28, n. 2, p. 197-201, 2010.

CAMPANHA, A. M.; TASCA, A. M.; SVIDZINSKI, T .I. E. Dermatomicoses: freqüência, diagnóstico laboratorial e adesão de pacientes ao tratamento em um sistema público. Latin American JournalofPharmacy, v. 26, n. 3, p. 442-448, 2007

COELHO, M.P.; Mendes, B.G.; Soprana, H.Z.; Santos, L.F.V.; Nappi, B.P.; Santos, J.I. Micoses observadas em pacientes atendidos no Hospital Universitário, Florianópolis, Santa Catarina. Revista Brasileira de Análises Clínicas, v. 37, n. 1, p. 27-30, 2005.

CORDEIRO, L.V. Perfil epidemiológico de dermatofitoses superficiais em pacientes atendidos em um laboratório da rede privada de João Pessoa-PB / Laísa Vilar Cordeiro. João Pessoa: [s.n.], 2015.

CRIADO, P.R.; OLIVEIRA, C.B.; DANTAS, K.C.; TAKIGUTI, F.A.; BENINI, L.V.; VASCONCELLOS, C. Micoses superficiais e os elementos da resposta imune. Anais Brasileiros de Dermatologia. v. 86, n. 4, p.726-31, 2011.

DAMÁZIO, P.M.R.B.C.; LACERDA, H.R.; LACERDA FILHO, A.M.; MAGALHÃES, O.M.C.; NEVES, R.P. Epidemiologia, etiologia e formas clínicas das dermatofitoses em Pernambuco, 1995-2005. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. v. 40, n. 4, p. 484-486, 2007.

GUILHERMETTI, E.; KIOSHIMA, E.S.; SHINOBU, C.; SILVA, S. C.; MOTA, V. A.; SVIDZINSKI, T. I. E. Micologia médica: uma área das análises clínicas que está em expansão. Revista Brasileira de Análises Clínicas, v. 36, n. 1, p. 51-53, 2004.

KAUFFMAN, C. A.; PAPPAS, P.G.; SOBEL, J.D.; DISMUKES, W.E. Essentials ofClinical Mycology. Springer, 2011. ISBN 1441966390.

LIMA, M. K.;REGO M. S. R.; MONTENEGRO F.; SILVEIRA S. S. N. Espécies fúngicas responsáveis por onicomicoses em Recife,Pernambuco. RBAC, vol 40(2):107-110,2008.

KURTZMAN, C.P.; FELL, J.W.: The yeast: a taxonomic study. 4.ed. Amsterdam: Elsevier, 1998. , p.1055.

LACAZ, C.S.; PORTO, E.; MARTINS, J.E.C. Micologia médica: fungos, actinomicetos e algas de interesse médico. Savier, São Paulo, 1991.

MAGALHÃES, K. ; REGO, R. S. M. ; MELO, F. M. ; SILVEIRA, N. S. S. . Espécie Fúngica responsável por onicomicose em Recife, Pernambuco, Revista Brasileira de Análises Clínicas. v. 40, n. 2, p. 107-10, 2008.

MENEZES, E.A.; MENDES, L.G.; CUNHA, F.A. Resistência a antifúngicos de Candidatropicalis isoladas no Estado do Ceará, Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. v. 42, n. 3, p 354- 355, 2009.

MEZZARI, A.; HERNANDES, K.M.; FOGAÇA, R.F.H.; CALIL, L.N. Prevalência de Micoses Superficiais e Cutâneas em Pacientes Atendidos Numa Atividade de Extensão Universitária Revista Brasileira de Ciências da Saúde, v. 21, n. 2, p. 151-156, 2017.

MURRAY, P.R.; PFALLER, M.A.; ROSENTHAL, K.S. Microbiologia Médica. 8ª edição. Rio de Janeiro: Elsevier, 2017.

OLIVEIRA, J.A.A.; BARROS, J.A.; CORTEZ, A.C.A.; OLIVEIRA, J.S.R. Micoses superficiais na cidade de Manaus, AM, entre março e novembro/2003. Anais Brasileiros de Dermatologia. v. 81, n.3, p.238-243. 2006.

OMOM,R.B.Comomm superficial fungalinfections in imunosuppressedpatients.JamAcadDermatol, v.31, n.3, pt.2 (S56-S59), 1994.

ROGERS, T. R. Antifungal drug resistance: limited data, dramatic impact? InternationalJournal of AntimicrobialAgents, v. 27, n. 1, p. 7-11, 2006..

SANABRIA, R; FARIÑA, N; LASPINA, F; BALMACEDA, M; SAMUDIO, M. Dermatofitos y hongosleveduriformes produtores de micosissuperficiales. [acesso 24 abril. 2018]. Disponível em:http://www.una.py/iics/TEMA12.pdf.

SHARMA, G.; DAS, D.; MUKHERJEE, J.; PURANDARE, B. Prevalence of mucositis and candidal carriage in patients undergoing treatment for head and neck cancers. International Journal Of Innovative Research & Development, v. 2, n. 6, 2013.

SHARMA, R.; SHARMA, M. Keratinase activity of dermatophytes and yeast species for poultry wast and wast water treatment. The IIOAB Journal. v. 2, n. 3, p.19-22, 2011.

SIDRIM, J.C.; MOREIRA, J.L.B. Fundamentos Clínicos e Laboratoriais da Micologia Médica. Guanabara Koogan: Rio de Janeiro,1999.

SOMENZI,C.C.; RIBEIRO, T.S.; MENEZES, A. Características particulares da micologia clínica e o diagnóstico laboratorial de micoses superficiais. Newslab. Ed. 77, 2006.

TINTELNOT, K; HAASE, G; SEIBOLD, M; BERGMANN, F; STAEMMLER, M; FRANZ, T; NAUMANN, D. Evaluation of phenotypic markers for selection and identification of Candida dubliniensis. Journal of ClinicalMicrobiology, v. 38, n. 4, p. 1599-608, 2000.

ZARDO, V.; MEZZARI, A. Os antifúngicos nas infecções por Candida sp. Newslab. São Paulo, SP, v.63, 2004.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n5-122

Refbacks

  • There are currently no refbacks.