Caracterização do perfil das intoxicações medicamentosas na população de Taubaté, São Paulo, no período de 2014 a 2018 / Characterization of the profile of drug intoxications in the population of Taubaté, São Paulo, from 2014 to 2018

Susana Fernandes Mota, Ana Luiza do Rosário Palma, Simone Aparecida Biazzi de Lapena, Lucas de Paula Ramos, Wendel Simões Fernandes, Mário Carlos de Barros Júnior, Fernanda Gonçalves de Oliveira

Abstract


No Brasil, as intoxicações medicamentosas derivam, geralmente, de uma falha na prática da política de medicamentos no país. Diante deste cenário, o propósito deste estudo foi identificar os perfis dos afetados pela intoxicação medicamentosa no município de Taubaté-SP e a importância do cuidado farmacêutico nessas situações. Foi realizado um estudo retrospectivo indireto do perfil das intoxicações medicamentosas notificadas em Taubaté-SP, entre 2014 e 2018, através de abertura de protocolo junto à prefeitura do município para acesso aos dados armazenados no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN). Foi observado que os casos de intoxicações notificados provêm principalmente de tentativas de suicídio (56,06%) e automedicação (10,11%) de munícipes do sexo feminino (69,65%) e com perfil jovem, idade de 20 a 29 anos (21,8%). Os índices mostraram que os casos evoluíram para cura sem sequela (91,36%) e apenas um óbito ocorreu no período (0,18%). Comparado-se com outros estudos, o município de Taubaté-SP apresentou perfis de intoxicações semelhantes ao de outras localidades, inclusive se comparada em nível nacional. Conclui – se que a participação ativa do farmacêutico na promoção a saúde e ao uso racional de medicamentos é de suma importância para o controle e minimização das ocorrências de intoxicações medicamentosas.


Keywords


intoxicação, suicídio, automedicação, atenção farmacêutica.

References


BERNARDES, H. C. et al. Perfil Epidemiológico de Automedicação entre Acadêmicos de Medicina de Uma Universidade Pública Brasileira. Brazilian Journal of Health Review, Curitiba, v. 3, n. 4, p. 8631-8643 jul./aug. 2020. DOI:10.34119/bjhrv3n4-111

CRF-GO. Conselho Regional De Farmácia Do Estado De Goiás. Farmacêuticos podem atuar no combate ao suicídio, 2019. Disponível em: < http://crfgo.org.br/noticia/id/380/noticia-titulo/farmaceuticos-podem-atuar-no-combate-ao-suicidio> acesso em Out./2019

COSTA, A. O.; ALONZO, H. G. A. Centros de Informação e Assistência Toxicológica no Brasil: descrição preliminar sobre sua organização e funções. Saúde Debate. vol.43 no.120. Rio de Janeiro Jan./Mar. 2019 Pub. May 06, 2019.

FRIEDMAN, N et al. Fatalities in poisoned patients managed by medical toxicologists. Clinical Toxicology. 2019. DOI: 10.1080/15563650.2019.1672877

GERMANO, L. C.; ALONZO, H. G. A. Estudo descritivo dos atendimentos hospitalares por eventos toxicológicos em um município do estado de São Paulo, 2012. Epidemiologia e Serviços de Saúde : revista do Sistema Unico de Saude do Brasil, v. 26, n. 3, p. 545–556, 2017.

IBGE- Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico 2018.

KARACA, O.; ERTAŞKIN, A. Epidemiology of Self-poisoning with Drug in the Central Anatolian Region in Turkey. Cureus, v. 12, n. 2, p. 1–7, 2020.

MACHADO-ALBA, J. E. et al. Social, cultural and economic factors associated with self-medication. Biomedica, v. 34, n. 4, p. 580–588, 2014.

MATHIAS, T. L.; GUIDONI, C. M.; GIROTTO, E. Tendências de eventos toxicológicos relacionados a medicamentos atendidos por um Centro de Informações Toxicológicas. Brazilian Journal of Epidemiology, v. 22, p. e190018, 2019.

MARGONATO, F. B.; THOMSON, Z.; PAOLIELLO, M. M. B. Determinantes nas intoxicações medicamentosas agudas na zona urbana de um município do Sul do Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v. 24, n. 2, p. 333–341, 2008.

OPAS – Organização Pan-Americana De Saúde. Folha informativa – Depressão, 2018. Disponível em: < https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5635:folha-informativa-depressao&Itemid=1095>. Acesso em: 20 de março de 2020.

OPAS – Organização Pan-Americana De Saúde. Folha informativa – Suicídio, 2018. Disponível em: .Acesso em: 20 de março de 2020.

OZTORA, S. et al. The practice of self-medication in an urban population. Biomedical Research (India), v. 28, n. 14, p. 6160–6164, 2017.

PEREIRA, A. S. et al. Fatores de risco e proteção para tentativa de suicídio na adultez emergente. Ciência & Saúde Coletiva, v. 23, n. 11, p. 3767–3777, 2018.

REIS, A. M. M. Atenção Farmacêutica e promoção do uso racional de medicamentos. Universidade Federal do Ceará, v. 1, n. 1, p. 1–17, 2010.

SANTOS, S. A. et al. Suicide and attempts suicide by exogenous intoxication in rio de janeiro: Analysis of data from official health information systems, 2006-2008. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 16, n. 2, p. 376–387, 2013.

SERENO, B. M. V., SILVA, S. A., SILVA, C. G. Perfil epidemiológico das intoxicações por medicamentos no Brasil entre os anos de 2013 a 2017. Braziliam Journal of Health Review, Curitiba, v. 6, n. 6, p.33892-33903, jun. 2020. DOI:10.34117/bjdv6n6-079

SHAH, D. A. The self-medication epidemic: The prevailing use and abuse of non-prescription medications in developing countries like Pakistan. Journal of the Pakistan Medical Association, v. 63, n. 12, p. 1574, 2013.

SINITOX. Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas. Estatística anual de casos de intoxicação e envenenamento: Brasil, 2018. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz/Centro de Informação Científica e Tecnológica; 2017.

VELOSO, C. et al. Violência autoinfligida por intoxicação exógena em um serviço de urgência e emergência. Revista Gaúcha de Enfermagem, v. 38, n. 2, p. e66187, 2017.

VIEIRA, R. et al. Intoxicação Exógena Por Análise De Laudos.Derecho y Cambio Social p. 1–15, 2016.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n5-107

Refbacks

  • There are currently no refbacks.