Qualidade de vida de pacientes após acidente vascular encefálico isquêmico atendidos em uma clínica de neurologia em Belém-Pará / Quality of life of patients after ischemic brain vascular accident served in a neurology clinic in Belém-Pará

Danilo Arthur Kalif Cavalcante, Tellyson Araujo Furtado, João Rafael Reis Valente, Ursula Tatiane de Farias Hounsell Almeida, Thiago Celeira de Sousa, Emanuel de Jesus Soares de Sousa, Leonayra Daniela de Oliveira Lopes, Camila Araujo Oliveira, Amanda Santos Duarte, Manuella Anchieta Gouveia

Abstract


Introdução: A doença cerebrovascular atinge cerca de 16 milhões de pessoas ao redor do globo a cada ano, sendo a principal causa de morbidade no mundo. Por essa razão, a Avaliação da Qualidade de Vida (QV) se traduz como de grande importância para verificar e compreender o impacto do adoecimento na vida dos pacientes, sendo útil inclusive para o sistema púbico de saúde, na busca de elaborar programas de reabilitação que considerem aos aspectos da vida do indivíduo de forma integral. Objetivo: Avaliar a evolução da qualidade de vida em indivíduos que sofreram Acidente Vascular Encefálico Isquêmico. Método: Estudo experimental do tipo transversal prospectivo de caráter descritivo e analítico. Participaram da pesquisa indivíduos de ambos os sexos, a partir de 18 anos de idade, com diagnóstico de Acidente Vascular Encefálico Isquêmico sofrido entre janeiro e junho de 2018, residentes na Região Metropolitana de Belém-PA e atendidos na Clínica Unineuro. Por tratar-se de estudo piloto, o tamanho amostral foi definido de forma a ser representativo do universo de pacientes em condições semelhantes. Os dados foram coletados por meio do questionário Escala Específica de Qualidade de Vida no Paciente Pós-AVE (EQVE-AVE), o qual conta com 49 itens divididos em 12 domínios. Resultados: Os domínios mais afetados pelo Acidente Vascular encefálico na baixa qualidade de vida afetados, foram Energia (44,8%), Papel familiar (54,2%), Linguagem (49,6%), Mobilidade (53%), Humor (52%), Auto Cuidado (46,6%), Papel Social (44,8%), Função Extremidade Superior (47,2 %), Trabalho e produtividade (42,26%). Em contraponto, os domínios: Personalidade (81,3%), Memória e Concentração (66,0%) e Visão (90%), representaram os melhores índices relacionados à qualidade de vida. Conclusão: Dentre os fatores de maior relevância na qualidade de vida pós-AVE, em primeiro lugar está a dificuldade de retornar ao trabalho. A perda de função da extremidade superior do corpo é um item muito prevalente, que acaba contribuindo para o afastamento do ambiente de trabalho.


Keywords


Epidemiologia, Qualidade de Vida, Acidente Vascular Cerebral, Análise de Consequências.

References


- Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Diretrizes de atenção à reabilitação da pessoa com acidente vascular cerebral / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. – Brasília: Ministério da Saúde, 2013;56(6):30-74.

- Andrews A, Bohannon R. Distribution of muscle strength impairments following stroke. Clin Reha.2000;14(1):79-87.

- Ministério da Saúde, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa nacional de saúde. Percepção do estado de saúde, estilo de vida e doenças crônicas. Rio de Janeiro: Ministério da Saúde; 2014 p. 75- 94.

- Brasil. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Especializada. Manual de rotinas para atenção ao AVC. Brasília: Ministério da Saúde, 2013. Disponível em: .Acesso em: 22 fev. 2018.

- Organização Pan-Americana da Saúde. Enfoque passo a passo da OMS para a vigilância de acidentes vascular cerebrais. Suíça: Ministério da Saúde; 2014 p. 37-54.

- Corvelo DM, Malengo P, Schmidt E. Relação entre os aspectos das alterações funcionais e seu impacto na qualidade de vida das pessoas com sequelas de Acidente Vascular Encefálico (AVE). Mund. Saúde. 2010;34(2):165-175.

- Gouvêa D, Gomes CSP, Melo SC, Abrahão PN, Barbieri G.Acidente vascular encefálico: uma revisão da literatura.Cienc. Atu. 2015; 6(2):02-06.

- Falcão I, Carvalho E, Barreto K, Lessa F, Leite V. Acidente vascular cerebral precoce: implicações para adultos em idade produtiva atendidos pelo Sistema Único de Saúde. Rev. Bras. Saúde Mater. Infan. 2004;4(1):95-101.

- Mazzola D, Polese J, Schuster R, Oliveira S. Perfil dos pacientes acometidos por acidente vascular encefálico assistidos na Clínica de Fisioterapia Neurológica da Universidade de Passo Fundo. Rev. Bras. Prom. Saúde. 2007:22-27.

- Pedroso V, Souza L, Teixeira A. Síndromes neuropsiquiátricas associadas a acidentes vasculares encefálicos: revisão de literatura. J. Bras. Psiq. 2014;63(2):165-176.

- Schäfer PS, Menegotto LO, TisserL.Acidente Vascular Cerebral: as repercussões psíquicas a partir de um relato de caso.Cienc. Cogn. 2010; Vol 15(2):202-215.

-Pereira ABCNG, Alvarenga H, Júnior RSP, Serrano MT. Prevalência de acidente vascular cerebral em idosos no Município de Vassouras, Rio de Janeiro, Brasil, através do rastreamento de dados do Programa Saúde da Família. 2009;25(9):1929-1936.

-Moreira RP, Araujo TL, Cavalcante TF, Oliveira ARS, Holanda GF, Morais HCC, Vasconcelos JDP. Cuidador de cliente com acidente vascular encefálico: associação com diagnósticos de enfermagem. Rev. Eletr. Enf. 2010;12(3):425-30.

-Santos Schäfer P, Oliveira Menegotto L, Tisser L. Acidente Vascular Cerebral: as repercussões psíquicas a partir de um relato de caso. Cienc. Cogn. 2010;15(2):202 - 215.

- Marillac Niro Terroni L, Ferreira Mattos P, Freitas Menezes Sobrero M, Delgado Guajardo V, Fráguas R. Depressão pós-AVC: aspectos psicológicos, neuropsicológicos, eixo HHA, correlato neuroanatômico e tratamento. PsiqClín. 2008;36(3):100-8.

- Yesavage JA, Brink TL Rose TL et al. Development and validation of a geriatric depression screening scale: a preliminary report. J Psychiat Res 1983;17:37-49.

- World Health Organization Quality Of Life Group. Development of the WHOQOL - Rationale and current status. Int J Ment Health. 1994;23(3):24-56.

- MOREIRA, Nuno Ricardo Tiene Lima et al. Qualidade de vida em indivíduos acometidos por Acidente Vascular Cerebral. Revista Neurociências, João Pessoa - Pb, v. 23, n. 4, p.530-537, 03 nov. 2015.

- Rangel ESS, Belasco AGS, Diccini S. Qualidade de vida de pacientes com acidente vascular cerebral em reabilitação. Acta Paulista de Enfermagem; 2013; 26(2): 205-212.

- Pereira S, Coelho FB, Barros H. Acidente vascular cerebral hospitalização, mortalidade e prognóstico; 2003; 17: 187-2.

- Canuto MAO, Nogueira LT, Araújo TME. Qualidade de vida relacionada à saúde de pessoas após acidente vascular cerebral. Acta Paulista de Enfermagem; 2016; 29(3): 245-252.

- Lima RCM, Teixeira-Salmela LF, Magalhães LC, Gomes-Neto M. Propriedades psicométricas da versão brasileira da escala de qualidade de vida específica para acidente vascular encefálico: aplicação do modelo Rasch. Revista Brasileira de Fisioterapia; 12(2): 149-156.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n5-089

Refbacks

  • There are currently no refbacks.