Principais causas de internações em uma unidade neonatal no extremo Norte do Brasil / Main causes of hospitalizations in a neonatal unit in the extreme North of Brazil

Andressa Gomes da Silva, Andréa dos Santos Cardoso, Cleonice Barbosa de Oliveira, Hadassa Oliveira de Moura

Abstract


Os primeiros dias de vida, são considerados como os mais vulneráveis para a sobrevivência do indivíduo, que em situação de risco de morte, tem a sua internação em uma Unidade Neonatal. Estando a enfermagem como promotores do cuidado e colaboradores para a diminuição da morbimortalidade, evidencia-se o saber epidemiológico, possibilitando a assistência direcionada a realidade de saúde neonatal e materna. Objetivou-se verificar as principais causas de internações em uma Unidade Neonatal. Tratando-se de uma pesquisa de natureza descritiva com abordagem quantitativa, através de pesquisa de campo, documental, composta por 206 prontuários, referente ao I Trimestre de 2017. Foram analisadas as seguintes variáveis: idade da puérpera, idade gestacional, tipo de parto, afecções maternas, sexo, peso, Apgar, proveniência do recém-nascido, diagnóstico de internação neonatal, tempo de internação e desfecho clínico. As variáveis foram analisadas pelo programa Microsoft Excel® 2013 para obtenção de média, desvio padrão e porcentagem, sistematizados em tabelas e gráficos e submetidos à estatística descritiva. Os resultados apontam que a prematuridade (48%) e a disfunção respiratória (18,9%) destacam-se como principais diagnósticos de internações, com idade gestacional média de 35,8 semanas, peso médio ao nascer de 2.531 gramas, destacando-se o parto cesáreo (54%). Em relação as afecções ante natais, a grande maioria não apresentou afecções, seguida da infecção em trato urinário - ITU em algum trimestre da gestação (31,55%). Conclui-se que a população de neonatos caracterizou-se, principalmente, pela prematuridade, com percentual considerável de recém-nascidos cuja as mães apresentaram ITU.  Recomenda-se incentivo a ações que sensibilize os profissionais quanto a prestação da assistência de qualidade desde o pré-natal até o nascimento, contribuindo na diminuição dos índices de internações neonatais.

Keywords


Enfermagem Neonatal, Unidade de Terapia Intensiva Neonatal, Afecções maternas.

References


Quaresma M. E, Almeida A. C, Méio M. D, Lopes J. M, Peixoto M. V. Factors associated with hospitalization during neonatal period. J Pediatr (Rio J), 2018.

¬¬¬¬¬¬2 Brasil. Atenção à saúde do recém-nascido guia para os profissionais de saúde, problemas respiratórios, cardiocirculatórios, metabólicos, neurológicos, ortopédicos e dermatológicos. 2 edição, volume 3, 2012.

Almeida F. A. Morais M. S. Cunha M. L. R. Cuidando do neonato que está morrendo e sua família: vivências do enfermeiro de terapia intensiva neonatal, Rev Esc Enferm, 2016.

Unicef. Situação mundial da infância. Disponível em: http://www.unicef.org/sowc2016 Último acesso: 25/05/2019.

Brasil. Estatísticas Vitais. Datasus. Ministério da Saúde. Disponível em: http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?area. Último acesso em: 25/05/2019.

Silva, T. P.; Silva, M. M, Valadares, G. V. Gerenciamento do cuidado de enfermagem à criança em condição crônica hospitalizada. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Escola de Enfermagem Anna Nery. Programa de Pós-Graduação em Enfermagem. Rio de Janeiro-RJ, Brasil. Rev Bras. Enferm, 2015.

Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986. Dispõe sobre a Regulamentação do Exercício da Enfermagem e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília (DF), de 26 de junho de 1986. Seção I - fls. 9.273 a 9.275.

Nanci V. K. P, Adalberto G, Santos A. P. et. al. Internações em UTI neonatal, 2017.

Souza S. S, Costa R, Nascimento K. C, Francioni F. F, Pires D. E. P. A epidemiologia como instrumental na produção de conhecimento em enfermagem, 2008.

Wanderley K. B. Internação hospitalar materna e infantil indígena: A intersubjetividade no processo do cuidar, UFRR, 2016.

Cadastro nacional de estabelecimentos de saúde – CNES. Disponível em: http://cnes2.datasus.gov.br/ModHospitalar.asp?VCo_Unidade=1400102566168, último acesso em: 25/05/2019.

Tamez. Enfermagem na UTI Neonatal: assistência ao recém-nascido de alto risco. 5ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2013. 12 Dias KO, Carneiro.

Matthews S. Qual é a melhor idade para se ter filhos? Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/geral-40771237, de 2017. Último acesso em: 29/05/2019.

Oliveira C. S. Casagrande G. A. Grecco L. C. Golin M. O. Perfil de recém-nascidos pré-termo internados na unidade de terapia intensiva neonatal do hospital de alta complexidade, 2015.

Brasil, bebês prematuros. Disponível em: http://portalms.saude.gov.br/noticias/823-assuntos/saude-para-voce/40775-bebes-prematuros, 2017. Último acesso em: 20/05/2019.

Damian A. Waterkemper R. Paludo C. A. Perfil de neonatos internados em unidade de tratamento intensivo neonatal: estudo transversal, Arq. Ciênc. Saúde. 2016.

Souza K. C. L, Campos N. G, Júnior F. F. U. S. Perfil dos recém-nascidos submetidos à estimulação precoce de uma Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. Rev Bras Promoc Saúde, 2013.

Unicef. Guia dos direitos da gestante e do bebê. Bebês, cuidados, gestantes I. UNICEF

Fundo das Nações Unidas para a Infância. II. Ziraldo. 2011.

Junior A. R. F. Albuquerque R. A. S. Aragão S. R. Rodrigues M. E. N. G. Perfil epidemiológico de mães e recém-nascidos prematuros, 2018.

Brasil. Atenção ao pré-natal de baixo risco, Série A. Normas e Manuais Técnicos Cadernos de Atenção Básica, n° 32, 2012.

¬¬¬¬¬Nascimento W. L. S. Oliveira F. M. Araújo G. L. S. Infecção do trato urinário em gestantes usuárias do sistema único de saúde, 2013.

Brasil. Cadernos de atenção básica nº 32. Atenção ao pré-natal de baixo risco, 2013.

Lansky S. Friche A. A. L. Silva A. A. M. Pesquisa Nascer no Brasil: perfil da mortalidade neonatal e avaliação da assistência à gestante e ao recém-nascido. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 2014.

Costa L. D. Andersen V. F. Perondi A. R. França V. F. Cavalheiri J. C. Bortoloti D. S. Fatores preditores para a admissão do recém-nascido na unidade de terapia intensiva neonatal, 2017.

Brasil, atenção à saúde do recém-nascido: guia para os profissionais de saúde. Disponível em: http://www.redeblh.fiocruz.br/media/arn_v1.pdf, 2011.

Segur P. C, Morero J A P, Oliveira C. T. Assistência de enfermagem ao recém-nascido com síndrome do desconforto respiratório. Revista Uningá, 2019.

Tadielo ¬ ¬B. Z, Neves E. T, Arrué A. M, Silveira A, Ribeiro A. C, Tronco C. S, et al. Morbidade e mortalidade de recém-nascidos em tratamento intensivo neonatal no sul do Brasil, 2013.

Oliveira G. S, Lima M. C. B. M, Lyra C. O, Oliveira A. G. R. C, Ferreira M. A. F. Desigualdade espacial da mortalidade neonatal no Brasil: 2006 a 2010. Cienc Saúde Coletiva, 2013.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n5-086

Refbacks

  • There are currently no refbacks.