Comorbidades em pacientes com Microcefalia atendidos em Centro de Reabilitação na cidade de Teresina-PI / Comorbidities in patients with Microcephaly seen in a Rehabilitation Center in the city of Teresina-PI

Leonardo Raphael Santos Rodrigues, Jordano Leite Cavalcante de Macêdo, Ana Patricia de Carvalho Petillo Rodrigues, Maria Andréia da Nóbrega Marques, Francisco José Alencar, Leylane Auzeni Mendes Rilzer Lopes, Caroline Rodrigues de Barros Moura, Larissa Kelly de Araújo Cardoso

Abstract


Introdução: A Microcefalia é uma condição neurológica em que o tamanho da cabeça e/ou o perímetro cefálico está abaixo da média para idade e sexo, diagnosticada no nascimento ou infância. Tem como causas infecções congênitas, síndromes, malformações no sistema nervoso central, exposição a drogas, álcool e certos produtos químicos na gravidez e desnutrição grave. Objetivo: O objetivo da pesquisa foi verificar a presença ou não de comorbidades em pacientes com microcefalia atendidos em centro de reabilitação. Metodologia: Foi realizado um estudo descritivo-explorativo, retrospectivo, através da análise de 65 prontuários de pacientes que deram entrada no período de novembro de 2015 a julho de 2016 com diagnóstico confirmado de Microcefalia. Foram registrados e analisados dados referentes ao gênero, tempo de gestação, faixa etária de início do tratamento e presença de comorbidades nos pacientes com microcefalia. Resultados: Observou-se maior número de pacientes do sexo feminino (63%) em relação ao sexo masculino (37%). O tempo de gestação da maioria dos pacientes encontrava-se dentro do período considerado Termo (66%). Alterações de tônus muscular (91%), Irritabilidade (42,5%) e crises convulsivas (32,39%) foram as comorbidades com maior prevalência na população estudada. Em relação ao tônus muscular dos pacientes, 88% apresentavam espasticidade e apenas 3% apresentavam hipotonia. Discussão: Além de alterações no tônus muscular, crianças com microcefalia podem ainda apresentar crises convulsivas, acometimentos articulares, atrasos no desenvolvimento intelectual, motor e fala, déficits auditivo e visuais. Conclusão: O estudo da comorbidade é uma área de grande importância, podendo permitir que relevantes informações sejam obtidas sobre a etiologia e a fisiopatologia da Microcefalia. Os dados demonstram que os pacientes com diagnóstico confirmado apresentam comorbidades que levam a prejuízos na interação, estimulação e desenvolvimento neuropsicomotor nesses pacientes.


References


AVELINO, Monique Ornellas de Almeida; FERRAZ, Priscila Correia da Silva. Análise do desenvolvimento neuropsicomotor em crianças com síndrome pós–zika vírus: um estudo transversal. Revista Pesquisa em Fisioterapia, v. 8, n. 2, p. 147-154, 2018.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Boletim sobre Microcefalia. Disponível em: http://ibes.med.br/boletim-ms-sobre-microcefalia-regiao-nordeste-concentra-795-dos-casos-notificados/. 2016b.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Diretrizes de estimulação precoce: crianças de zero a 3 anos com atraso no desenvolvimento neuropsicomotor decorrente de microcefalia. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde – Brasília: Ministério da Saúde, 2016a.

DOS REIS, Raquel Pitchon et al. Aumento dos casos de microcefalia no Brasil. Rev Med Minas Gerais, v. 25, n. Supl 6, p. S88-S91, 2015.

FECURY, Priscylla Celeste Milhomem Silva et al. Avaliação do perfil de expressão de genes relacionados a via de microrna’se apotose em células neurais infectadas experimentalmente pelo vírus Zika (ZIKV). Brazilian Journal of Health Review, v. 3, n. 3, p. 7117-7133, 2020.

FLOR, Cármen Júlia Del Rei Villa; GUERREIRO, Caroline Ferreira; DOS ANJOS, Jorge Luis Motta. Desenvolvimento neuropsicomotor em crianças com microcefalia associado ao Zika Vírus. Revista Pesquisa em Fisioterapia, v. 7, n. 3, p. 313-318, 2017.

FREITAS, Alyne Aparecida Ferreira et al. Avaliação do impacto familiar em pais de crianças diagnosticadas com microcefalia pelo Zika Vírus. Revista Enfermagem Atual In Derme, v. 87, n. Edição Esp, 2019.

MELO, Diego Gomes da Silva; BORGES, Mikaelly Cavalcanti. A MICROCEFALIA NA ATUALIDADE. 2019.

NUNES, Magda Lahorgue et al. Microcephaly and Zika virus: a clinical and epidemiological analysis of the current outbreak in Brazil. Jornal de Pediatria (Versão em Português), v. 92, n. 3, p. 230-240, 2016.

PIRES Lívia dos Santos, et al. Microcefalia: semiologia e abordagem diagnóstica. Resid Pediatr. 2019;9(1):70-79 DOI: 10.25060/residpediatr-2019.v9n1-11

SÁ, Simone Aline Araújo Guimarães de et al. Dinâmica familiar de criança com a síndrome congênita do Zika vírus no Município de Petrolina, Pernambuco, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v. 36, p. e00246518, 2020.

SALGE, Ana Karina Marques; et al. Infecção pelo vírus Zika na gestação e microcefalia em recém-nascidos: revisão integrativa de literatura. Revista Eletrônica de Enfermagem, v. 18, n. 1137, p. 1-15. 2016.

SOUZA, Wayner Vieira de et al. Microcefalia no Estado de Pernambuco, Brasil: características epidemiológicas e avaliação da acurácia diagnóstica dos pontos de corte adotados para notificação de caso. Cadernos de Saúde Pública, v. 32, p. e00017216, 2016.

WILLRICH A, AZEVEDO CCF, FERNANDES JO. Desenvolvimento motor na infância: influência dos fatores de risco e programas de intervenção. Rev Neurocienc 2009;17:51-6.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n5-081

Refbacks

  • There are currently no refbacks.