Vulnerabilidade programática de mulheres assistidas em um Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Outras Drogas / Programmatic vulnerability of women assisted in a Psychosocial Care Center for Alcohol and Other Drugs

Ende Iasmim Cruz Santos, Dienna de Souza Andrade, Keline Santos de Carvalho, Vânia Sampaio Alves

Abstract


O consumo de substâncias psicoativas por mulheres é um fenômeno complexo, multifacetado e envolto por diferentes esferas de vulnerabilidade nos âmbitos programático, social e individual. A despeito da constatação de um problema de saúde públicao relevante e das particularidades da experiência do consumo de álcool e outras drogas entre mulheres, ainda pouco se conhece sobre o fenômeno. Consequentemente, nota-se que embora os serviços de assistência aos usuários de substâncias psicoativas, por vezes, possam ser considerados como uma “porta de entrada” da proteção social, com a garantia do tratamento e o desenvolvimento de políticas públicas mais efetivas, estes tendem a desenvolver ações de acolhimento e de cuidado estruturadas a partir de evidências científicas pouco sensíveis às diferenças de gênero nas suas dimensões biopsicossociais. Dessa forma, este fenômeno acaba por comprometer o diagnóstico precoce, o acolhimento e, por conseguinte, a assistência do seguimento feminino. O presente trabalho tem por objetivo caracterizar situações de vulnerabilidade programática na assistência a mulheres envolvidas com álcool e outras drogas em tratamento em um Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Outras Drogas (CAPS AD) de um município da Bahia. Trata-se de um estudo descritivo, de abordagem qualitativa. Os dados foram coletados mediante observação sistemática, observação participante e entrevistas semiestruturadas com profissionais do serviço. Como resultado, foram caracterizadas situações de vulnerabilidade programática na assistência a mulheres, manifestas principalmente na fragilidade da infraestrutura do serviço e da composição da equipe multiprofissional, com repercussões no acolhimento e na oferta de assistência sensível à especificidade da necessidade de cuidado das mulheres.


Keywords


Álcool e outras drogas. Saúde da Mulher, Atenção Psicossocial. Políticas Públicas.

References


Almeida Filho, Naomar de. (2005). Transdisciplinaridade e o paradigma pós-disciplinar na saúde. Saúde e Sociedade, 14(3), 30-50.

Ayres, J. R. D. C. M. (2009). Organization of health care actions: models and practices. Saúde e Sociedade, 18, 11-23

Bertolozzi, M. R., Nichiata, L. Y. I., Takahashi, R. F., Ciosak, S. I., Hino, P., Val, L. F. D., ... & Pereira, É. G. (2009). Os conceitos de vulnerabilidade e adesão na Saúde Coletiva. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 43(SPE2), 1326-1330.

Boccardo, A. C. S., Zane, F. C., Rodrigues, S., & Mângia, E. F. (2011). O projeto terapêutico singular como estratégia de organização do cuidado nos serviços de saúde mental. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo, 22(1), 85-92.

Brasil. Ministério da Saúde. (2004). Saúde mental no SUS: os centros de atenção psicossocial. Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n. 3.088/GM, de 23 de dezembro de 2011. Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). [Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil Brasília (30 dez. 2011).

Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher: princípios e diretrizes. Brasília (DF): Editora MS; 2011.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Especializada e Temática. Centros de Atenção Psicossocial e Unidades de Acolhimento como lugares da atenção psicossocial nos territórios: orientações para elaboração de projetos de construção, reforma e ampliação de CAPS e de UA / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Especializada e Temática. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.

Carloto, Cássia Maria, & Gomes, Anne Grace. (2011). Geração de renda: enfoque nas mulheres pobres e divisão sexual do trabalho. Serviço Social & Sociedade, (105), 131-146.

Lino, L. L. (2014). Políticas Públicas para dependentes químicos: um estudo sobre o CAPS AD. Blucher Social Sciences Proceedings, 1(1), 171-181.

Oliveira, J. F. D., Paiva, M. S., & Valente, C. L. (2006). Representações sociais de profissionais de saúde sobre o consumo de drogas: um olhar numa perspectiva de gênero. Ciência & Saúde Coletiva, 11, 473-481.

Oliveira, J. F. D., Nascimento, E. R. D., & Paiva, M. S. (2007). Especificidades de usuários (as) de drogas visando uma assistência baseada na heterogeneidade. Escola Anna Nery, 11(4), 694-698.

Oliveira, J. F. D. (2008). Invisibilidade do consumo de drogas como problema de saúde num contexto assistencial: uma abordagem de gênero. Tese (doutorado em Saúde Coletiva). Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia, Salvador, 187.

Onocko-Campos, Rosana Teresa, & Furtado, Juarez Pereira. (2006). Entre a saúde coletiva e a saúde mental: um instrumental metodológico para avaliação da rede de Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) do Sistema Único de Saúde. Cadernos de Saúde Pública, 22(5), 1053-1062.

Pereira, M. R.; Amaral, S. A.; Tigre, V. A.; Batista, V.S.; Brito, J. R.; Santos, C. R. (2020). Adesão ao tratamento de usuários de álcool e outras drogas: uma revisão integrativa/ Adherence to the treatment of users of alcohol and other drugs: na integrative review. Brazilian Journal of Health Review, 3(3), 6912-6924.

Ramiro, F. D. S., Padovani, R. D. C., & Tucci, A. M. (2014). Consumo de crack a partir das perspectivas de gênero e vulnerabilidade: uma revisão sobre o fenômeno. Saúde em Debate, 38, 379-392.

Unodoc. Relatório Mundial sobre Drogas (2016). Disponível em: https://www.unodc.org/doc/wdr2016/WORLD_DRUG_REPORT_2016_web.pdf

Santana, R. T., Miralles, N. C. W., Alves, J. F., dos Santos, V. Á., Vinholes, U., & da Silveira, D. S. (2020). Perfil dos usuários de CAPS-AD III/Profile of users of a psychosocial Care Center. Brazilian Journal of Health Review, 3(1), 1343-1357.

Silva, S. N., & Lima, M. G. (2017). Assistência Farmacêutica na Saúde Mental: um diagnóstico dos Centros de Atenção Psicossocial. Ciência & Saúde Coletiva, 22, 2025-2036

de Oliviera Silva, É. B., & de Figueiredo Pereira, A. L. (2015). Perfil das mulheres usuárias de cocaína e crack atendidas em Centro de Atenção Psicossocial [Profile of women crack cocaine users attending a Psychosocial Care Center]. Revista Enfermagem UERJ, 23(2), 203-209.

Sodelli, M. A noção de vulnerabilidade na prevenção ao uso nocivo de drogas. In: SODELLI, Marcelo. Uso de drogas e prevenção: da desconstrução da postura proibicionista às ações redutoras de vulnerabilidade. São Paulo: Iglu, 2010. p. 73-86.

Wolle, C.C.; Zilberman, M.L.. Mulheres. IN: Diehl, A.; Cordeiro, D. C.; Laranjeira, Ronaldo (Orgs). Dependência Química: prevenção, tratamento e políticas públicas. Porto Alegre: Artemed, 2011, 375-382.

Zilberman, M. Uso de Drogas entre Mulheres, IN: Baptista, M.; Cruz, M. S.; Matias, R. Drogas e Pós-Modernidade. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2003, 175-185.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n5-079

Refbacks

  • There are currently no refbacks.