Ensino de práticas integrativas em saúde em uma Universidade Pública do Amazonas: Incluindo a Medicina Tradicional Chinesa na formação de Médicos, Enfermeiros e Odontólogos / Teaching integrative health practices at a Public University of Amazonas: Including Traditional Chinese Medicine in the training of Physicians, Nurses and Odontologists

Alex Martins, José Nilson Araújo Bezerra

Abstract


Legitimada pela Organização Mundial da Saúde, as práticas integrativas apresentam uma crescente demanda por novos cursos de formação. Mesmo com o reconhecimento da OMS sobre os benefícios da acupuntura, ela ainda não está presente em muitas escolas de saúde do Brasil. O presente estudo tem o objetivo de relatar a experiência de formação de recursos humanos com expertise em práticas integrativas e complementares em saúde, em uma universidade pública do Estado do Amazonas. Metodologia trata-se de um relato de experiência sobre oferta de disciplina optativa, com carga horária de 60 horas, para 3 cursos da Escola de Saúde. A referida disciplina foi ofertada aos discentes dos cursos de Enfermagem, Medicina e Odontologia. Resultados: Foram formados N=61(100%) discentes na disciplina de Acupuntura, Medicina Tradicional Chinesa e Terapias Complementares em saúde, sendo n=33 (54%) do curso de Medicina, n=26 (43%) do curso de Enfermagem e n= 2 (3%) do curso de Odontologia. A média das avaliações foi 9,5 (avaliações com pontuações de 0-10), demonstrando um bom aproveitamento das técnicas explanadas durante processo de ensino e aprendizagem. Conclusão: O presente estudo descreve acerca da experiência do ensino de práticas integrativas em saúde por meio de uma disciplina optativa que foi desenvolvida especialmente para discentes de cursos de saúde de uma universidade pública do Amazonas como forma de oportunizar novos conhecimentos e também proporcionar que tais técnicas possam ser utilizadas e aplicadas no âmbito do Sistema Único de Saúde.


Keywords


Acupuntura, Educação, Práticas Integrativas, Sistema Único de Saúde, Capacitação profissional, saúde coletiva.

References


ASSOCIAÇÃO MÉDICA BRASILEIRA DE ACUPUNTURA (AMBA). Ciência valida acupuntura. São Paulo; 2006. http://amba.org.br/

BRASIL. 2006. Ministério da saúde. Portaria n. 971 de 3 de Maio de 2006. Aprova a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da União; Poder Executivo, Brasília, DF, 4 maio 2006. Seção 1, p. 20‐5. http://189.28.128.100/dab/docs/legislacao/portaria971_03_05_06.pdf

BRASIL. 2020. Portaria GM/MS nº 9712. Dispõe sobre a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC). https://www.saude.mg.gov.br/pics

CHRISTENSEN, M.C.; BARROS, N.F. 2010. Medicinas alternativas e complementares no ensino médico: revisão sistemática. Rev. bras. educ. med., Rio de Janeiro , v. 34, n. 1, p. 97-105, Mar. 2010. https://doi.org/10.1590/S0100-55022010000100012

CAPRA F. O Ponto de Mutação. 24ª ed. São Paulo: Cultrix; 2004.

CARNEVALE, Renata Cavalcanti et al. O Ensino da Acupuntura na Escola Médica: Interesse e Desconhecimento. Rev. bras. educ. med., Rio de Janeiro, v. 41, n. 1, p. 134-144, Jan. 2017. https://doi.org/10.1590/1981-52712015v41n1rb20160040

CENTRO DE ESTUDOS DE ACUPUNTURA E TERAPIAS ALTERNATIVAS (CEATA). História da acupuntura. São Paulo; 2007.

HUNT KJ, COELHO HF, WIDER B, PERRY R, HUNG SK, TERRY R, ERNST E. Complementary and alternative medicine use in England: Results from a national survey. Int J Clin Pract. 2010; 64:1496–1502. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/20698902/

MOREIRA MES, CRUZ ILS, SALES MEN, MOREIRA NIT, FREIRE HC, MARTINS GA, AVELINO GHF, DE ALMEIDA JÚNIOR S, POPOLIM RS. Metodologias e tecnologias para educação em tempos de pandemia COVID-19/ Methodologies and technologies for education in times of pandemic COVID-19. Brazilian Journal of Health Review. Vol.3, no.3, 2020. https://doi.org/10.34119/bjhrv3n3-180

SALOMONSEN L, SKOVGAARD L, COUR S, NYBORG L, LAUNSO L, FONNEBO V. Use of complementary and alternative medicine at Norwegian and Danish hospitals. BMC Complement Altern Med 2011; 11(1):4. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/21244655/

SILVA, E. D. C.; TESSER, C. D. Experiência de pacientes com acupuntura no Sistema Único de Saúde em diferentes ambientes de cuidado e (des)medicalização social. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 29(11):2186‐2196, nov, 2013. https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-311X2013001100006&script=sci_abstract&tlng=pt

SCOGNAMILLO-SZABO, Márcia Valéria Rizzo; BECHARA, Gervásio Henrique. Acupuntura: bases científicas e aplicações. Cienc. Rural, v. 31, n. 6, p. 1091-1099, Dec. 2001 . https://doi.org/10.1590/S0103-84782001000600029

SU D, LI L. Trends in the use of complementary and alternative medicine in the United States: 2002-2007. J Health Care Poor Underserved 2011;22(1):296-310. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/21317523/

TIAN Guo-qing,LIANG Xiao-chun,GUO Sai-shan,et al,. 2008. Peking Union Medical College Hospital,Chinese Academy of Medical Sciences,Beijing(100730);Effect of Ningzhi Capsule on Blood Lipid Spectrum in Type 2 Diabetes Mellitus Patients Complicated with Hyperlipidemia[J];Chinese Journal of Integrated Traditional and Western Medicine. https://en.cnki.com.cn/Article_en/CJFDTotal-ZZXJ200802011.htm

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS -UEA. 2018. Portaria nº106/2018, dispões sobre produtividade acadêmica. http://legislacao2.uea.edu.br/index.php?dest=info&doc=a&num=4865

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). 2020. Guidelines on good manufacturing practices for the manufacture of herbal medicines. https://www.who.int/traditional-complementary-integrative-medicine/publications/trs1010_annex2.pdf




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n5-060

Refbacks

  • There are currently no refbacks.