Cuidando dos cuidadores familiares de idosos dependentes: uma proposta de tecnologia de acolhimento / Caring for family caregivers of dependent elderly people: a proposal for welcoming technology

Bruna Mourão Moura, Leidiene Ferreira Santos, Fabiane Aparecida Canaan Rezende, Tábatta Renata Pereira de Brito, Daniella Pires Nunes

Abstract


Objetivo: Propor uma estratégia de acolhimento a cuidadores de idosos acamados e avaliar, na perspectiva dos cuidadores, o uso de tal tecnologia. Método: Trata-se de um estudo metodológico, com abordagem qualitativa, realizado com três cuidadores familiares de idosos acamados. Para análise dos dados utilizou-se Análise de Conteúdo segundo os pressupostos de Bardin. Resultados: Entre os cuidadores, 66,7% eram do sexo feminino, 66,7% residiam no mesmo domicílio do idoso, apresentaram média de idade de 45,6 anos, 33,3% relataram tensão excessiva associada ao cuidado, como também disfunção familiar. A tecnologia de acolhimento representou para os cuidadores: aprendizagem; grupo como uma possibilidade de vínculo; momento para falar da sobrecarga; momento para relaxar; necessidade do olhar do profissional para o cuidador e necessidade de um grupo de apoio. Conclusão: Considera-se que a implementação da tecnologia de acolhimento com os cuidadores de idosos acamados trouxe benefícios aos cuidadores, tornando-se essencial a prática de ações humanizadas pela enfermagem e demais profissionais de saúde a fim de suprir as necessidades do cuidador familiar, além do idoso cuidado.


Keywords


Cuidadores, Processos grupais, Acolhimento, Educação em Saúde, Idoso fragilizado.

References


Moraes E. Atenção à saúde do Idoso: Aspectos Conceituais. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde. 2012. Disponível em: . Acesso em: 08 fev. 2018.

Groisman D. Formação de cuidadores de idosos: avanços e retrocessos na política pública de cuidados no Brasil. In: Morosini, MVGC et al (Org.). Trabalhadores técnicos em saúde: aspectos da qualificação profissional no SUS. Rio de Janeiro: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio. 2013; 391-419. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2018.

Lemos CES. A solidão judicializada e a solidariedade intergeracional. Revista Vértices, Rio de Janeiro. 2010; 12 (2): 29-54. Disponível em: https://pdfs.semanticscholar.org/23c3/ 6c5cf931da418fb b3df9ee81 a1cec13c76b0.pdf. Acesso em: 20 abr. 2018.

Brasil. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil [recurso eletrônico]. – Brasília: Supremo Tribunal Federal, Secretaria de Documentação, 2019: 577p. Disponível em: https://www.stf.jus.br/arquivo/cms/legislacaoConstituicao/anexo/CF.pdf. Acesso em: 13 jan. 2020.

Jesus ITM, Orlandi AAS, Zazzetta MS. Sobrecarga, perfil e cuidado: cuidadores de idosos em vulnerabilidade social. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia. 2018; 21(2): 199-209. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2018.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Guia prático do cuidador. Brasília: MS. 2008. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2018.

Kobayasi DY et al. Sobrecarga, rede de apoio social e estresse emocional do cuidador do idoso. Revista Avances en Enfermería. 2019; 37 (2): 140-148. Disponível em: . Acesso em: 11 mar. 2019.

Nunes DP, Brito TRP, Duarte YAO, Lebrao ML. Cuidadores de idosos e tensão excessiva associada ao cuidado: evidências do Estudo SABE. Revista Brasileira de Epidemiologia [online]. 2018b; 21 (supl.2). Disponível em: . Acesso em: 19 abr. 2018.

National Alliance For Caregiving (NAC) and Public Policy Institute. Caregiving in the U.S, 2015.

Araújo JS et al. Perfil dos cuidadores e as dificuldades enfrentadas no cuidado ao idoso, em Ananindeua, PA. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia [online]. 2013; 16 (1): 149-158, 2013. Disponível em: . Acesso em 10 jun. 2018.

Diniz MAA et al. Estudo comparativo entre cuidadores formais e informais de idosos. Revista Ciência & Saúde Coletiva. 2018; 23 (11): 3789-3798.

Couto AM, Castro EAB, Caldas CP. Vivências de ser cuidador familiar de idosos dependentes no ambiente domiciliar. Revista Rene. 2016; 17 (1): 76-85. Disponível em: . Acesso em: 15 jun. 2018.

Reis LA, Santos KT, Gomes NP, Reis LA. Determinantes da sobrecarga e desconforto emocional em cuidadores de idosos. Revista Enfermagem Contemporânea. 2016; 5 (1): 59-67.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Envelhecimento e saúde da pessoa idosa – Brasília: 2006; Ministério da Saúde.

Borges CL, Cunha JP, Silva AA, Rocha VA, Freitas MC. Cuidando do cuidador: intervenções para o autocuidado. Revista de enfermagem UFPE online. 2015; 9 (4): 7474-7481. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2018.

Gerber Z, Tolmacz R, Doron Y. Self-compassion and forms of concern for others. Elsevier Personality and Individual Differences. 2015; 86: 394-400.

Torres GMC et al. O emprego das tecnologias leves no cuidado ao hipertenso na Estratégia Saúde da Família. Revista Escola Anna Nery. 2018; 22 (3): e201701.

Santos DS, Mishima SM, Merhy EE. Processo de trabalho na Estratégia de Saúde da Família: potencialidades da subjetividade do cuidado para reconfiguração do modelo de atenção. Revista Ciência & Saúde Coletiva. 2018; 23(3): 861-870.

Polit DF, Beck CT. Fundamentos da pesquisa em enfermagem: avaliação de evidências para a prática de enfermagem. 2011; 7ª ed. Porto Alegre: ArtMed.

Chizzotti A. Pesquisa em ciências humanas e sociais. 2009; São Paulo: Cortez.

Bardin L. Análise de Conteúdo. Tradução: Luís Augusto Pinheiro. 2016; São Paulo: Edições 70.

Yalom I, Leszcz M. Psicoterapia de Grupo: Teoria e Prática. 2006; 5ª ed. Tradução: Ronaldo Cataldo Costa, Editora: Artmed.

Brasil. Ministério da Saúde. Acolhimento nas práticas de produção de saúde. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. 2008; – 2. Ed. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde.

Oliveira LMAC, Santos LF. Trabalhando com grupos na assistência a familiares em UTI. 2015; 1 Ed. – Curitiba: Appris.

Motta KAMB, Munari DB. Um olhar para a dinâmica do coordenador de grupos. Revista Eletrônica de Enfermagem. 2006; 8 (1): 150-161.

Bock AMB, Teixeira MLT, Furtado O. Psicologia. 2019; 2ª ed. São Paulo: Saraiva Educação, 2019.

Neff K, Germer C. Manual de mindfulness e autocompaixão: um guia para construir forças internas e prosperar na arte de ser seu melhor amigo [recurso eletrônico]. 2019; tradução: Sandra Maria Mallmann da Rosa. Porto Alegre: Artmed.

Motta KAMB et al. O grupo como instrumento de construção do conhecimento: aspectos éticos. Revista da SPAGESP. 2007; 8, (1). Disponível em: . Acesso em 10 jan. 2019.

Gomes ID et al. Grupo de Suporte a Familiares de Pessoas com Doença Mental Grave: Reequilíbrio da Identidade no Quotidiano. Revista Pensar Enfermagem. 2017; 21 (1).

Figueiredo D, Guerra S, Marques A, Sousa L. Apoio psicoeducativo a cuidadores familiares e formais de pessoas idosas com demência. Revista Temática Kairós Gerontologia. 2012; 15 (1): 31-55. Disponível em: . Acesso em: 10 fev. 2019.

Dantas TM, Rodrigues LB, Santos WS, Dias JC, Santana NM, Lima ICV. Percepções e vivências de cuidadores familiares de idosos acamados. Revista Brasileira em Promoção da Saúde. 2015; 28 (3): 411-417. Disponível em: < https://periodicos.unifor.br/RBPS/article/view/3567/pdf>. Acesso em: 10 mar. 2019.

Anjos KF, Boery RNSO, Pereira R, Pedreira LC, Vilela ABA, Santos VC, Rosa DOS et al. Associação entre apoio social e qualidade de vida de cuidadores familiares de idosos dependentes. Revista Ciência & Saúde Coletiva. 2015; 20 (5): 1321-1330. Disponível em: < http:// www.scielo.br/ pdf/csc/ v20n 5/pt_1413-8123-csc-20-05-01321.pdf Acesso em: 20 jan. 2019.

Arnemann CT, Lavich CRP, Terra MG, Mello AL, Raddatz M. Educação em saúde e educação permanente: ações que integram o processo educativo da enfermagem. Revista Baiana de Enfermagem 2018; 32:e24719 2018.

Barbiani R, Nora CRD, Schaefer R. Práticas do enfermeiro no contexto da atenção básica: scoping review. Revista Latino-Americana de Enfermagem. 2016; 24 (e2721).

Sorato DB, Peres SV, Mitsuyuki MC, Drude FS. Cuidar e ser Cuidado Pelo Grupo de Apoio Protege. Revista Psicologia em Estudo. 2010; 15 (4): 751-75. Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2019.

Figueiredo D, Guerra S, Marques A, Sousa L. Apoio psicoeducativo a cuidadores familiares e formais de pessoas idosas com demência. Revista Temática Kairós Gerontologia. 2012; 15 (1): 31-55.

Lino VTS et al. Prevalência de sobrecarga e respectivos fatores associados em cuidadores de idosos dependentes, em uma região pobre do Rio de Janeiro, Brasil. Caderno de Saúde Pública. 2016; 32 (6): e00060115.

Souza LR et al. Sobrecarga no cuidado, estresse e impacto na qualidade de vida de cuidadores domiciliares assistidos na atenção básica. Caderno de Saúde Coletiva. 2015; 23 (2)1: 40-149.

Brasil. Política Nacional de Humanização – PNH. 2013, 1ª edição. Brasília – DF.

Ouchi JD, Lupo APR, Alves BO, Andrade RV, Fogaça MB. O papel do enfermeiro na unidade de terapia intensiva diante de novas tecnologias em saúde. Revista Saúde em Foco. 2018; 10: 412-428.

Ploeg J, Markle-Reid M, Valaitis R, McAiney C, Duggleby W et al. Web-Based Interventions to Improve Mental Health, General Caregiving Outcomes, and General Health for Informal Caregivers of Adults With Chronic Conditions Living in the Community: Rapid Evidence Review. Journal of Medical Internet Research. 2017; 19 (7).

Wu B, Petrovsky DV, Wang J, Xu H, Zhu Z, McConnel ES, Corrazzini KN. Dementia caregiver interventions in Chinese people: A systematic review. Journal of Advanced Nursing. 2019; 75 (3): 528-542. doi: 10.1111 / jan.13865.

Fernandes CS, Angelo M. Cuidadores familiares: o que eles necessitam? Uma revisão integrativa. Revista da Escola de Enfermagem da USP. 2016; 50 (4): 675-682.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n5-056

Refbacks

  • There are currently no refbacks.