Atividade antioxidante do extrato etanólico de sementes e vagens de Caesalpinia echinata / Antioxidant activity of Caesalpinia echinata ethanolic extract of seeds and pods

Yhasminie Karine da Silva Xavier, Elizabete Regina Silva Lucena dos Santos, Cleidiane Silva Vieira de Souza, Fernanda Aguiar de Souza, Anne Maely Maria de Sales Ferreira, Ivone Antônia de Souza, Carina Scanoni Maia

Abstract


A espécie Caesalpinia echinata Lam (Caesalpinia echinata), conhecida popularmente como Pau Brasil , é uma espécie pertencente à Família Fabaceae e é nativa da Mata Atlântica.  Na medicina popular, o espécime é relatado como adstringente, cicatrizante, odontoálgico, tônico, além de apresentar atividades antioxidantes, anti-inflamatórias e antiangiogênicas (AGUIAR & PINHO, 1996; GOMES et al., 2014; SILVA, 2001) Visando isto, o objetivo deste trabalho foi avaliar o potencial antioxidante do extrato etanólico obtido através da mistura de sementes e vagens de Caesalpinia echinata (EESVCe) pelo método DPPH. Para realizar este ensaio, as amostras foram preparadas pela adição de 1 mL de solução de DPPH (60 µM, Sigma, Germany) em 2,5 mL de solução de extrato, o qual foi diluído em etanol nas concentrações 50, 100 e 200 μg/mL. Como resultado foi verificado que o aumento do índice de atividade antioxidante foi dose dependente em relação as concentrações do extrato, sugerindo que o extrato tenha compostos com a capacidade de estabilizar os radicais livres. Em suma, Os resultados obtidos no presente estudo demonstraram que o EESVCe é capaz de inibir a atividade oxidante de DPPH. Evidenciando assim a intensidade da ação antioxidante demonstrada pelas plantas.

 


Keywords


Caesalpinia echinata, DPPH, Antioxidantes.

References


Aguiar FFA, Pinho RA 1996. Pau-brasil (Caesalpinia echinata Lam.), 2nd ed., Instituto de Botânica, São Paulo, 14 pp.

BASTOS IVGA, et al. Estudo fitoquímico preliminar e avaliação da toxicidade aguda do extrato etanólico bruto de Caesalpinia echinata Lam. Rev. Bras. Farm., 2011; Pernambuco, 92(3): 219-222.

CONFORTI F, et al. In vivo anti-in flammatory and in vitro antioxidant activities of Mediterraneandietary plants. J. ethno pharm., 2008; 116(1), 144-151.

DE PAULA AGP, et al. Avaliação da estabilidade das antocianinas do açaí no periodo de 28 dias em diferentes condições. Braz. J. Hea. Rev., 2019; 2 (5), 4811-4823.

DJERIDANE A, et al. Antioxidant activity of some Algerian medicinal plants extracts containing phenolic compounds. Food Chem. 2006; 97(4): 654-660.

DUARTE-ALMEIDA JM, et al. Avaliação da atividade antioxidante utilizando sistema β-caroteno/ácido linoleico e método de sequestro de radicais DPPH. Ciênc Tecnol Aliment. Campinas. 2006; 26(2): 446-452.

GOMES ECBS, et al. Evaluation of Antioxidant and Antiangiogenic Properties of Caesalpinia Echinata Extracts. J. can. 2014; 5: 143-150.

HUANG D, et al. The chemistry behind antioxidant capacity assays. J Agric Food Chem. 2005; 53(6): 1841-1856.

LAPORNIK B, et al. Comparison of extracts prepared from plant by-products using different solvents and extraction time. J Food Eng. 2005; 71(2): 214-22.

LUSHCHAK VI. Free radicals, reactive oxygenspecies, oxidative stress and its classification. Chem. Biol. Interact. 2014; 224 (1):164-175.

MAHBOUBI M, et al. Total phenolic content, antioxidant and antimicrobial activities of Blepharisedulis extracts. Songklanakarin J.Sci. Technol., 2013; 35(1), 11-16.

MENSOR LL, et al. Screening of Brazilian plant extracts for antioxidant activity by the use of DPPH free radical method. Phytother Res. 2001; 15: 127- 130.

MUSCHIETTI LV et al. Atividades biológicas dos flavonóides naturais. In: Yunes RA, Cechinel Filho V. Química de produtos naturais, novos fármacos e a moderna farmacognosia, 2nd ed., Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, 2009, p. 189-218.

NÚÑEZ-SELLÉS AJ. Antioxidant therapy: Myth or reality?. J Braz Chem Soc. São Paulo. 2005; 16(4): 699- 710.

RAZAVI SM, et al. Coumarins from the aerialparts of Prangosuloptera (Apiaceae). Rev Bras Farmacogn., 2008; 18: 1-5.

ROCHA WS, et al. Compostos fenólicos totais e taninos condensados em frutas nativas do cerrado. Rev Bras Fruticul, 2011; 33: 1215-1221.

SIES H. Oxidative stress: a concept in redox biologyand medicine. Redox Biol. , 2015; 4:180-183.

SILVA RC 2001. Plantas medicinais na saúde bucal, Artgraf, Vitória, 136 pp.

SILVA ECB. Avaliação Biológica de Caesalpinia echinata Lam. Usos e Riscos. ]Dissertação de Mestrado]. Recife: Universidade Federal de Pernambuco, Faculdade de Ciências Farmacêuticas, 114p, 2006.

SOUSA C D M, et al.Total phenols and antioxidant activity of five medicinal plants. Química nova, 2007; 30(2), 351-355.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n5-045

Refbacks

  • There are currently no refbacks.