Epidemiologia da Malária no Brasil e resultados parasitológicos, de 2010 a 2019 / Malaria epidemiology in Brazil and parasitological results, from 2010 to 2019

Isabella Mota Santa Rosa, Iza Luana de Oliveira Trajano, Ademar Felipe de Carvalho Mota e Sá, Luís Victor Moraes de Moura, Mariana Castro Barros, Deocleciano Vespúcio Marques Júnior, Raimundo Nonato Martins Fonseca, Consuelo Penha Castro Marques

Abstract


A malária é uma doença infectoparasitária, causada por protozoários do gênero Plasmodium, apresenta maior incidência em regiões tropicais e subtropicais. Seu amplo espectro de distribuição, relevância epidemiológica e potencial de gravidade clínica, justificaram a realização deste estudo, o qual trata-se de um estudo epidemiológico, descritivo, de série temporal, realizado através de dados secundários do Sistemas de Informações de Saúde do Sistema Único de Saúde (Datasus) – TABNET/DATASUS, do qual extraiu-se os dados sobre a malária no Brasil, no período de 2010 a 2019. Encontrou-se predomínio de infecção na seguinte ordem, em número de casos: Plasmodium vivax-4736, Plasmodium falciparum-1767, mista por Plasmodium falciparum e Plasmodium vivax-229, formas assexuadas e sexuadas do P. falciparum (F + Fg)-187, formas assexuadas e sexuadas do P. vivax (V+Fg) com 101 casos, infecções por P. ovale -53, P. malariae-38, somente gametócitos dos plasmódios (Fg)-17 e por infecção mista por P. falciparum e P. malariae-8. Houve tendência decrescente de número de casos de 2010 a 2017, com pico em 2018 e decréscimo em 2019, a região com maior número de casos foi a Sudeste com 3385 casos, a raça mais afetada foi de brancos seguida por pardos, a faixa etária com maior predominância foi de 20 a 39 anos e a escolaridade com ensino Médio incompleto foi mais acometida pela malária. Demonstrando que embora tenham ocorrido progressos quanto ao controle da malária em nosso país, ainda observa-se grande número de casos confirmados no Brasil, exigindo ainda melhorias quanto ao seu controle e possível erradicação.

 

 


Keywords


Malária, Epidemiologia, Saúde Pública.

References


- BERENGUER, Jaime Gállego. Manual de Parasitologia: morfologia e biologia dos parasitos de interesse sanitário. In: Manual de parasitologia: morfologia e biologia dos parasitos de interesse sanitário. 2006. p. 602-602.

- BEZERRA, Juliana Maria Trindade et al. Changes in malaria patterns in Brazil over 28 years (1990-2017): results from the Global Burden of Disease Study 2017. 2020.

- COSTA, Anielle de Pina et al. Delayed diagnosis of malaria in a dengue endemic area in the Brazilian extra-Amazon: recent experience of a malaria surveillance unit in state of Rio de Janeiro. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 43, n. 5, p. 571-574, 2010.

- FEACHEM, Richard GA et al. Malaria eradication within a generation: ambitious, achievable, and necessary. The Lancet, v. 394, n. 10203, p. 1056-1112, 2019.

- KOTEPUI, Manas et al. Severity and mortality of severe Plasmodium ovale infection: A systematic review and meta-analysis. PloS one, v. 15, n. 6, p. e0235014, 2020.

- MACDONALD, Andrew J.; MORDECAI, Erin A. Amazon deforestation drives malaria transmission, and malaria burden reduces forest clearing. Proceedings of the National Academy of Sciences, v. 116, n. 44, p. 22212-22218, 2019.

- MADALENA, Mahoany Machado et al. Malária em Santa Catarina: uma análise dos casos notificados entre 2009 e 2018. 2019.

- NEVES, David Pereira. Parasitologia Humana. 11 ed. São Paulo: Atheneu, 2004. Cap. 17. 143-161.

- SOUSA, Jonata Ribeiro et al. Situação da malária na Região do Baixo Amazonas, Estado do Pará, Brasil, de 2009 a 2013: um enfoque epidemiológico. Revista Pan-Amazônica de Saúde, v. 6, n. 4, p. 9-9, 2015.

- SOUZA, Patrícia Feitosa et al. Spatial spread of malaria and economic frontier expansion in the Brazilian Amazon. Plos one, v. 14, n. 6, p. e0217615, 2019.

- WOLFARTH-COUTO, Bruna; FILIZOLA, Naziano; DURIEUX, Laurent.

Padrão sazonal dos casos de malária e a relação com a variabilidade hidrológica no Estado do Amazonas, Brasil. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 23, p. e200018, 2020.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n5-010

Refbacks

  • There are currently no refbacks.