Epidemiologia da Chagas aguda no Brasil de 2007 a 2018 / Epidemiology of acute Chagas in Brazil from 2007 to 2018

Mirella Fontenele de Castro, Iza Luana de Oliveira Trajano, Myrian Alves Linhares, Cesar Alejandro Salazar Cuzcano, Rafaela Macedo Pires de Ferreira, Deocleciano Vespúcio Marques Júnior, Raimundo Nonato Martins Fonseca, Consuelo Penha Castro Marques

Abstract


A doença de Chagas aguda (DCA) é considerada uma doença negligenciada, pode apresentar-se nas formas sucessivas: fase aguda (severa em 1 a 5% dos casos) e crônica (indeterminada e assintomática). Com o intuito de estudar a epidemiologia da DCA no Brasil, realizou-se estudo ecológico, descritivo, de série temporal, com dados secundários, de 2007 a 2018, obtidos através do Sistema de Informação de Agravos e Notificação (SINAN) Ministério da Saúde. Os dados coletados foram tabulados em planilhas no programa Microsoft Excel e analisados estatisticamente pelo programa Bioestat 5.3. Foram notificados - 2704 casos de DCA; a região Norte registrou o maior número de casos -2566, com predomínio do sexo masculino-1450; a raça parda registrou 2056 casos; a faixa etária de 20 a 30 anos foi mais acometida; o modo de infestação por via oral foi o maior durante todo o período. Quanto ao local de provável infestação a contaminação domiciliar apresentou 1623 casos. Quanto à evolução - 2335 evoluíram vivos. A permanente tendência de crescimento, demonstra a necessidade de adoção de medidas que garantam a prevenção, controle, diagnóstico precoce e tratamento. Dessa forma, conhecer as regiões de maior predominância, a localização e forma de infestação, e demais características epidemiológicas, permitem o melhor embasamento de políticas preventivas, que visem inclusive a sua erradicação, tendo em vista que a Doença de Chagas é uma doença prevenível, desde que se estabeleça o controle dos vetores, principalmente no que tange a via oral de contaminação, sem descuidar das demais formas de infestação.

 

 


Keywords


Doença de Chagas aguda; Epidemiologia; Saúde Pública.

References


BRASIL. Fiocruz. Mecanismos de transmissão da Chagas. Brasília: ministério da saúde, 2017. Disponível em: < http://Chagas.fiocruz.br/transmissao/>. Acesso em 06 de Agosto de 2020.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE (BR). Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Manual técnico para a investigação da transmissão de doenças pelo sangue. Brasília: Ministério da Saúde; 2004. (Série A. Normas e manuais técnicos).

DA NOBREGA, Aglaer Alves; DE ARAUJO, Wildo Navegantes; VASCONCELOS, Ana Maria Nogales. Mortality due to Chagas disease in Brazil according to a specific cause. The American journal of tropical medicine and hygiene, v. 91, n. 3, p. 528-533, 2014. Disponível em: https://www.ajtmh.org/content/journals/10.4269/ajtmh.13-0574. Acesso em: 08 de Agosto de 2020.

DIAS, João Carlos Pinto et al. Esboço geral e perspectivas da doença de Chagas no Nordeste do Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v. 16, p. S13-S34, 2000. Disponível em: . Acesso em: 05 de Agosto de 2020. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2000000800003.

DIAS, João Carlos Pinto et al. II Consenso Brasileiro em doença de Chagas, 2015. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 25, p. 7-86, 2016. Disponível em . Acesso em: 05 de Agosto de 2020. http://dx.doi.org/10.5123/s1679-49742016000500002.

FERREIRA, Ludmila Rodrigues Pinto et al. Interferon-γ and other inflammatory mediators in cardiomyocyte signaling during Chagas disease cardiomyopathy. World journal of cardiology, v. 6, n. 8, p. 782, 2014.

FILIGHEDDU, Maria Teresa; GÓRGOLAS, Miguel; RAMOS, José Manuel. Enfermedad de Chagas de transmisión oral. Medicina clínica, v. 148, n. 3, p. 125-131, 2017.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATISTICA. Censo demográfico de 2010: distribuição da população parda e preta. Rio de Janeiro, 2013.

MARTINS-MELO, Francisco Rogerlandio et al. Epidemiology of mortality related to Chagas' disease in Brazil, 1999–2007. PLoS Negl Trop Dis, v. 6, n. 2, p. e1508, 2012. Disponível em: https://journals.plos.org/plosntds/article?id=10.1371/journal.pntd.0001508. Acesso em: 08 de Agosto de 2020.

MARTINS-MELO, Francisco Rogerlândio et al. Prevalence of Chagas disease in Brazil: a systematic review and meta-analysis. Acta Tropica, v. 130, p. 167-174, 2014. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/24139912/. Acesso em: 06 de Agosto de 2020. https://doi.org/10.1016/j.actatropica.2013.10.002.

OLIVEIRA, Fabíola Adriane Souza et al. Características epidemiológicas dos pacientes com Chagas. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, v. 2, n. 6, p. 107-113, 2006. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/34. Acesso em: 08 de Agosto de 2020.

OSTERMAYER, Alejandro Luquetti et al. O inquérito nacional de soroprevalência de avaliação do controle da Chagas no Brasil (2001-2008). 2011. Disponível em: https://repositorio.bc.ufg.br/xmlui/handle/ri/14014 Acesso: 07 de Agosto de 2020.

PÉREZ-MOLINA, José A.; MOLINA, Israel. Chagas disease. The Lancet, v. 391, n. 10115, p. 82-94, 2018.

SANTANA, Melissa Palis; SOUZA-SANTOS, Reinaldo; ALMEIDA, Andréa Sobral de. Prevalence of Chagas disease among blood donors in Piauí State, Brazil, from 2004 to 2013. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro , v. 34, n. 2, e00123716, 2018 . Disponível em: . Acesso em: 07 de Agosto 2020. Epub Feb 19, 2018. http://dx.doi.org/10.1590/0102-311x00123716.

SHIKANAI-YASUDA, Maria Aparecida; CARVALHO, Noemia Barbosa. Oral transmission of Chagas disease. Clinical Infectious Diseases, v. 54, n. 6, p. 845-852, 2012.

SILVA, Ellen Teresa Martins; FERREIRA, Jackson de Sousa; LACERDA, Lenka de Morais. Condições higiênicossanitárias da cadeia produtiva do açaí na região do Maracanã em São Luís, MA. Hig. alim., v.31,n°268-269, p. 68-72, 2017.

VARGAS, Alexander et al. Investigação de surto de Chagas aguda na região extra-amazônica, Rio Grande do Norte, Brasil, 2016. Cad. Saúde Pública, v. 34, n.1, e00006517, 2018.

WESTPHALEN, Elizabeth Visone Nunes; BISUGO, Márcia da Conceição; ARAÚJO, Maria de Fátima Lereno de. Aspectos epidemiológicos e históricos do controle da Chagas no Continente Americano. BEPA. Boletim Epidemiológico Paulista (Online), v. 9, n. 105, p. 18-35, 2012.

WHO. Third WHO report on neglected tropical diseases: investing to overcome the global impact of neglected tropical diseases. WHO/HTM/NTD/2010. Geneva: World Health Organization, 2017.

WHO. WORLD HEALTH ORGANIZATION et al. Chagas disease in Latin America: an epidemiological update based on 2010 estimates. Weekly Epidemiological Record= Relevé épidémiologique hebdomadaire, v. 90, n. 06, p. 33-44, 2015.

WHO. WORLD HEALTH ORGANIZATION. Chagas disease (American trypanosomiasis) [Internet]. Geneva: World Health Organization; 2015. Disponível em: http://www.who.int/mediacentre/ factsheets/fs340/.

ZINGALES, Bianca. Trypanosoma cruzi genetic diversity: Something new for something known about Chagas disease manifestations, serodiagnosis and drug sensitivity. Acta Tropica, v. 184, p. 38-52, 2018.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n5-007

Refbacks

  • There are currently no refbacks.