Modulação da resposta imune na coinfecção entre esquistossomose e tuberculose: um relato de caso / Modulation of the immune response in co-infection between schistosomiasis and tuberculosis: a case report

Alexandre Coelho Barcellos, Juliana Leonel Hirakawa, Bruna Ferreira Nobre, Lívia Karine dos Santos Neves, Lucas Freitas França, Janaína Larisse de Moura Barros, Paulo Sérgio Alves Abou Hana Júnior, Marcos Renan Maciel de Figueiredo, Wheverton Ricardo Correia do Nascimento

Abstract


Introdução: a esquistossomose é uma doença parasitária, causa da pelo trematódeo s. mansoni. segundo a oms, é a segunda doença parasitária de importância, com mais de 200 milhões de casos do mundo. no brasil a doença é detectada em todas as regiões do país. objetivo: demonstrar a coinfecção entre tuberculose e esquistossomose, e descrever seus principais achados imunológicos. método: a paciente foi voluntária de uma pesquisa sobre alergias. a partir disso, buscou-se seuprontuárionosserviços de atendimento. relato: emabril de 2015, e.s.l, sexofeminino, 29 anos, parda, casada, natural e procedente de jaboatão dos guararapes – pe. procurou a ubs queixando-se de emagrecimento (8kg em 2 meses), tosse com sangue, febre alta vespertina, toracalgia direita e sudorese noturna. Relatou ainda, estar grávida e que não havia realizado nenhuma consulta de pré-natal. Ao exame físico a pacienteencontrava-se emestadogeral regular, hipocorada, desidratada e dispneica. Na ausculta pulmonary apresentou diminuição do murmúrio vesicular, roncos e estertores no terço superior do pulmãodireito. referiubanho de rioemregiãoendêmica para o s.mansoni, e que já havia tido esquistossom os e na adolescência. Exams solicitados: hemograma; ppd; rx de tórax; baciloscopia doescarro e parasitológico de fezes. osresultadosforam: ppd-11mm; rx de tórax: mostrou infiltrado e cavitação em lobo superior direito sugestivo de tuberculose pulmonar; baciloscopia: positiva para baar; parasitológico: positivo para ovos de s. mansoni. Em seguida, foi solicitado um kato-katz que demonstrou baixa carga parasitária: 24 o.p.g; hemograma: leucócitostotais (cél/mm3): 8900; ige total:555; neutrófilos:5785; e o sino filos:534; monocitos: 712, estudos das citocinas: ifn-gama (ng/dl): 0,47; tnf-alfa: 9,8; il-10: 0; il- 6: 1037,37; il-4: 0; il-2: 0. o tratamento para a tuberculose foi iniciado com melhora clínica da paciente. o tratamento para esquistossomose foi realizado após o periodo gestacional. discussão: corroborando com os achados imunológicos da paciente, alguns estudos sugerem que a infecção crônica por esquistossomose pode levar a uma diminuição na produção de ifn-γ, diminuendo assim a resposta do tipo th1, deixando o paciente mais susceptível a infecções secundárias microbianas. conclusão: Encontrou-se uma possível relação entre a infecção crônica por esquistossomose e a doença por micobactérias, por afetar a resistência/suscetibilidade do indivíduo, prejudicando assim a respostas Th1.

 


Keywords


Citocinas; Esquistossomose; Tuberculose.

References


ILVEIRA AM, GAZZINELLI G, ALVES-OLIVEIRA LF et al. Schistosomiasis mansoni: intensity of infection differentially affects the production interleukin-10, interferon-gamma and inter- leukin-13 by soluble egg antigen or adult antigen stimulated cultures. Transactions of the Royal Society of Tropical Medicine and

Hygiene, 2004; 98: 514-9.

ARAÚJO MI. ImunorregulaçãonaEsquistossomosemansôni Humana. Apresentada a Instituto Oswaldo Cruz para obtenção do grau de Doutor. Rio de Janeiro, 1997.

CARVALHO OS, COELHO PMZ, LENZI HL. Schistosoma mansoni e esquistossomose: umavisãomultidisciplinar. Fiocruz, Rio de Janeiro; 2008.

FALLON PG. Immunopathology of schistosomiasis: a cautionary tale of mice and men. Immunology Today, v. 21, p. 29-35, 2000.

SAMICO MJA. Estudo da distribuição dos planorbídeostransmissores do S. mansoniemPiedade, Jaboatão dos Guararapes, Pe. Recife, 1989. M onografia (Bacharelado) - Faculdade de Filosofia do Recife, Pernambuco, 1989.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.