Incidência de meningite entre os anos de 2014 a 2019 no estado do Pará / Incidence of meningitis between 2014 and 2019 in the state of Pará

Maria Clara da Silva Monteiro, Gesilene Ferreira da Costa Corrêa, Jeennifer Anne Moreira da Cunha Monteiro, Lucas Carvalho Ferreira, Edilson Galeno de Sousa Junior, Samara Tatielle Monteiro Gomes

Abstract


Introdução: A doença meningocócica (DM) é um processo infeccioso agudo e inflamatório das meninges, membranas que recobrem a medula espinhal e o cérebro. A transmissão da doença acontece por meio do contato direto com secreções respiratórias de pessoas infectadas. Objetivo: Descrever os casos de meningite notificados no Sistema de Informação de Agravos de Notificações (SINAN) no período de 2014 a 2019. Metodologia: Trata-se de um estudo transversal retrospectivo. Os dados foram coletados no SINAN através do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS) no período de 2014 a 2019. Resultados e Discursões: Foi observado um total de 2768 notificações entre 2014 a 2019 com média anual de 461,33. Os anos de 2014 e 2019 registram o menor número de casos com 368 e 430, respectivamente. Estes casos tendem a ocorrer não sazonalmente, ou seja, ocorrendo independentemente das estações do ano. Além disso, os indivíduos entre 20 a 29 anos foram mais acometidos pela doença, pois essa faixa etária é economicamente ativa, favorecendo as formas de transmissão da doença, uma vez que se propaga pelo contato com secreções respiratórias das pessoas infetadas. Além disso, o diagnóstico clínico isolado foi utilizado 9,36% dos casos, já o método laboratorial quimiocitológico foi o mais utilizado. Conclusão: Os dados reforçam a necessidade de ações diferenciadas no contexto da doença no Estado, por meio da prevenção e estratégias na Atenção Básica a Saúde para a assistência e conscientização das medias higiênico-preventivas contra a doença.

 

 


Keywords


Meningite, Infecção, SINAN.

References


ALVES, Mario Marques. Meningites bacterianas. Revista Enfermagem e Saúde Coletiva-REVESC, v. 2, n. 1, 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde, Coordenação Geral de Desenvolvimento da Epidemiologia em Serviços. – 3a. ed. – Brasília: Ministério da Saúde, 2019.

DA CRUZ, Cristiane Monteiro et al. Incidência de meningite relacionada às condições sazonais no município de Maceió entre 2007 e 2017. Caderno de Graduação-Ciências Biológicas e da Saúde-UNIT-ALAGOAS, v. 5, n. 1, p. 205, 2018.

DE BRITO, Renata Cristina Vieira et al. Análise epidemiológica da meningite no estado de Goiás.

DE SOUZA, João Victor Garcia; KRILOW, Cíntia; BAGATINI, Margarete Dulce. Caso de meningite meningocócica com meningococcemia fulminante em jovem de 22 anos no interior de Santa Catarina, Brasil. Brazilian Journal of Health Review, v. 3, n. 4, p. 7414-7420, 2020.

DIAS, Fellipe Camargo Ferreira et al. Meningite: aspectos epidemiológicos da doença na região norte do Brasil. Revista de Patologia do Tocantins, v. 4, n. 2, p. 46-49, 2017.

ERVATI, Milena Moreira; FERNANDES, Regina Célia de Souza. Fatores de risco para a Doença Meningocócica. Revista científica da FMC, Vol.3, nº2. Rio de Janeiro, 2008.

GOUVÊA, Morgana da Costa. Caracterização epidemiológica e diagnóstico da doença Meningocócica no Brasil, 2014-2017. 2018.

GUIMARÃES, Maressa Gomes Batista et al. Perfil epidemiológico dos casos confirmados de meningite em Ituiutaba-MG. 2017.

RABELO, Bruno et al. Aspectos microbiológicos e imunológicos da meningite meningocócica. Mostra Científica em Biomedicina, v. 1, n. 1, 2017.

SOUSA, Nadja Maria Nacimento; DANTAS, Renílson Targina; LIMEIRA, Rodrigo Cézar. Influência de variáveis meteorológicas sobre a incidência do dengue, meningite e pneumonia em João Pessoa-PB. Revista Brasileira de Meteorologia, v. 22, n. 2, p. 183-192, 2007.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n5-002

Refbacks

  • There are currently no refbacks.