A importância da ambiencia no serviço de assistência ao parto: um estudo reflexivo / The importance of the environment in the labor assistance service: a reflective study

Ana Virgínia Ferreira de Morais, Ana Maria Martins Pereira, Sibele Lima da Costa Dantas, Antonia de Maria Gomes Paiva, Antonia Regynara Moreira Rodrigues Rodrigues, Cristina Virgínia Oliveira Carlo, Ana Beatriz Diógenes Cavalcante, Rebeca Gomes de Oliveira

Abstract


A ambiência é um tema extremamente relevante para a consolidação do modelo humanizado de assistência ao parto e nascimento. Considerando que a adequação da ambiência hospitalar proposta pela Política Nacional de Humanização é uma tendência no Brasil, reforçada pela RDC 36/2008 e recentemente criação das Redes Cegonhas em todo o País, objetivou-se refletir sobre a ambiência na assistência ao parto e nascimento, orientando boas práticas de humanização no atendimento a parturiente. Foi realizado um estudo teórico-reflexivo, construído com base na leitura crítica de estudos científicos atuais, que referenciam os benefícios da ambiência para o binômio, baseado em práticas humanizadas recomendadas pelo Ministério da Saúde e evidências cientificas. Fatores estruturais, assistência ao parto normal realizado por enfermeiras obstétricas e a presença de acompanhante foram citados como fortalecedores da qualificação da ambiência. Dessa forma, deveria haver mais investimentos dos gestores e esforços dos órgãos competentes nas instituições que prestam assistência a parturiente para tentar garantir que as mulheres possam vivenciar, de forma humanizada como recomenda o Ministério da Saúde, um dos momentos mais importantes de suas vidas: o nascimento de um filho.


Keywords


Ambiência, Humanização, Enfermagem.

References


(01) BRASIL. Ministério da Saúde. Cadernos HumanizaSUS: Humanização do parto e do nascimento. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2014.

(02) MARTINS, Catia Paranhos; LUZIO, Cristina Amélia. Política HumanizaSUS: anclar la nave en el espacio. Interface, v. 21, n. 60, p.13-22, 2017. Disponível em: . Acesso em: 16 mai. 2017.

(03) BRASIL. Ministério da Saúde. Resolução nº 36, de 3 de junho de 2008. Dispõe sobre Regulamento Técnico para Funcionamento dos Serviços de Atenção Obstétrica e Neonatal. D.O.U. junho de 2008. Brasília: Ministério da Saúde, 2008. Disponível em: .

(04) BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.459, de 24 de junho de 2011. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS - a Rede Cegonha. D.O.U. junho de 2008. Brasília: Ministério da Saúde, 2011. Disponível em: .

(05) MEDEIROS, Ana Beatriz de Almeida; ENDERS, Bertha Cruz; LIRA, Ana Luisa Brandão De Carvalho. Teoria Ambientalista de Florence Nightingale: Uma Análise Crítica. Esc. Anna Nery, v. 19, n. 3, p. 518-524, 2015. Disponível em: . Acesso em: 27 mai. 2017.

(06) ALMEIDA, Olivia Souza Castro; GAMA, Elisabete Rodrigues; BAHIANA, Patricia Moura. HUMANIZAÇÃO DO PARTO: A ATUAÇÃO DOS ENFERMEIROS. Revista Enfermagem Contemporânea, v. 4, n. 1, p. 79-90, 2015. Disponível em: .

(07) BRASIL. Ministério da Saúde. Diretriz Nacional de Assistência ao Parto Normal: Relatório de Recomendação. Brasília: Ministério da Saúde, 2016. Disponível em: .

(08) LEAL, Maria do Carmo et al. Intervenções obstétricas durante o trabalho de parto e parto em mulheres brasileiras de risco habitual. Cad. Saúde Pública, v. 30, supl. 1, p. S17-S32, 2014. Disponível em: . Acesso em: 08 abr. 2017.

(09) BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 353, de 14 de fevereiro de 2017. Aprova as Diretrizes Nacionais de Assistência ao Parto Normal. D.O.U. fevereiro de 2017. Brasília: Ministério da Saúde, 2017. Disponível em: http://conitec.gov.br/images/Relatorios/Portaria/2017/PortariaSAS353_15022017.pdf

(10) SILVA, Cristiane N.; FERREIRA, Leonardo A. Hospital ambience: Qualification of spaces and perception and environmental awareness. SBE16 Brazil & Portugal, v. 3, p. 1977-1986, 2016. Disponível em: . Acesso em: 18 mai. 2017.

(11) BRASIL. Conselhos Regionais de Enfermagem. Resolução nº 516, de 23 de junho de 2016. Normatiza a atuação e a responsabilidade do Enfermeiro, Enfermeiro Obstetra e Obstetriz na assistência às gestantes, parturientes, puérperas e recém-nascidos nos Serviços de Obstetrícia, Centros de Parto Normal e/ou Casas de Parto e outros locais onde ocorra essa assistência; estabelece critérios para registro de títulos de Enfermeiro Obstetra e Obstetriz no âmbito do Sistema Cofen/Conselhos Regionais de Enfermagem, e dá outras providências. D.O.U. 27 de junho de 2016. Brasília: COFEN, 2017. Disponível em: .

(12) SHIMO, Antonieta Keiko Kakuda et al. Do parto institucionalizado ao parto domiciliar. Rev Rene, v. 15, n. 2, p.362-70, 2014. Disponível em: . Acessado em: 14 mar. 2017.

(13) DINIZ, Carmen Simone Grilo et al. Implementação da presença de acompanhantes durante a internação para o parto: dados da pesquisa nacional nascer no Brasil. Cad. Saúde Pública, v.30, n.1, p.S140-S153, 2014. Disponível em: . Acesso em: 25 abr. 2017.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n4-376

Refbacks

  • There are currently no refbacks.