Análise do perfil epidemiológico e atuação do profissional enfermeiro como formador da práxis no campo do cuidado ao sujeito hanseniano / Analysis of the epidemiological profile and performance of the professional nurse as a trainer of the praxis in the field of leprosy care

Arydyjany Gonçalves Nascimento, Catarina Ferreira Pontes, Francisca Patrícia Barreto de Carvalho, Hélida Maravilha Dantas e Sousa Almeida, Hemeson Torres Mangueira, Laryssa Lins de Araújo, Maria Aparecida Nascimento da Silva, Paula Frassineti Oliveira Cezario

Abstract


Introdução: A hanseníase é considerada um grande problema de saúde pública nos países em desenvolvimento. Estima-se que somente 1/3 dos doentes sejam notificados e que, dentre esses, muitos fazem tratamento irregular ou o abandonam, aumentando o impacto da doença. Assim o objetivo desse artigo foi analisar o perfil epidemiológico, atuação do profissional enfermeiro como formador da práxis no campo do cuidado ao sujeito hanseniano, bem como as fragilidades que permeiam essas ações cuidativas. Métodos: Trata-se de um estudo retrospectivo, que utilizou os dados secundários de notificação de casos hanseníase do Sistema de Informação de Agravos de Notificação do Ministério da Saúde do Brasil, tendo como amostra os casos notificados no município de Cajazeiras/PB no período de 2015 a 2017. Resultados: Foram registrados 110 casos da doença, sendo 70% do sexo masculino, a faixa etária dos 30 a 39 anos (29,09 %) foi a mais afetada, houve registro de sete (6,36%) casos de hanseníase em menores de 15 anos. A forma clínica prevalente foi a dimorfa (30%) e a classe operacional foi a multibacilar (45,45%). Tais achados são preocupantes, considerando-se que são de faixa etária economicamente ativa e potencialmente, os principais disseminadores da doença. Conclusões: O relato de que a maioria dos casos eram multibacilares, indica diagnósticos tardios, assim, torna-se necessário descentralizar o serviço de hanseníase e capacitar mais profissionais para possibilitar diagnóstico e tratamentos mais precoces.


Keywords


Hanseníase, Saúde Pública, Epidemiologia, Enfermeiro.

References


ARAUJO, R. M. S. et al. Análise do Perfil Epidemiológico da Hanseníase. Rev enferm UFPE on line., Recife, v. 11, n.9, p. 3632-41, 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Departamento de Informação e Informática do SUS. DATASUS. Informações de Saúde: Epidemiológicas e Morbidades [Internet]. Brasília, DF: 2012.

______. Ministério da Saúde. Departamento de Informação e Informática do SUS. DATASUS. Informações de Saúde: Epidemiológicas e Morbidades. Brasília, DF: 2006.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Vigilância em Saúde: Dengue, Esquistossomose, Hanseníase, Malária, Tracoma e Tuberculose / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção a Saúde, Departamento de Atenção Básica . - 2. ed. rev. - Brasília : Ministério da Saúde, 2008.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico. Hanseníase /Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde,Boletim Epidemiológico, v. 49, n. 4, 2018.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Guia prático sobre a hanseníase [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. – Brasília : Ministério da Saúde, 2017.

FONSECA, I.F. et a.Importância do enfermeiro no controle do tratamento da hanseníase: revisão integrativa. Rev. e-ciênc. v.3, n.2, p.97-106, 2015.

LIMA, H. M. et al. Perfil epidemiológico dos pacientes com hanseníase atendidos em Centro de Saúde em São Luís, MA. Rev Bras Clín Méd, v. 17, n. 4, p. 910, 2015.

MIRANZI, S. S. et al. Perfil epidemiológico da hanseníase em um município brasileiro, no período de 2000 a 2006. Rev Soc Bras Med, v. 43, n. 1, p. 62-17, 2010.

OLIVEIRA, J. C. F. et al. Análise do perfil epidemiológico da hanseníase em Maricá, Rio de Janeiro: uma contribuição da enfermagem. Rev enferm UERJ, Rio de Janeiro, v. 22, n. 6, p. 815-21, 2014.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Situação global da hanseníase. Boletim epidemiológico semanal. [Internet], v.87, p. 317-28, 2014.

QUEIROZ, T.A. et al. Perfil clínico e epidemiológico de pacientes em reação hansênica. Rev. Gaúcha Enferm., Porto Alegre, v. 36, 2015.

SARMENTO, A.P.A. et al. Perfil epidemiológico da hanseníase no período de 2009 a 2013 no município de Montes Claros (MG). Rev Soc Bras Clin Med, Minas Gerais, v. 13, n. 3, p. 180-4, 2015.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n4-369

Refbacks

  • There are currently no refbacks.