Promoção de saúde e combate das parasitoses intestinais através de atividades socioeducativas: Relato de experiência / Health promotion and combat of intestinal parasitoses through socio-educational activities: Experience report

Iara Bezerra de Oliveira, Jhonatan Fausto Guimarães, Mariana Pequeno de Melo, Janaína Fernandes Ferreira, Leandra da Silva Freires, Lucas Ian Sousa Queiroz, Paulo Santiago Assumpção Maranhense

Abstract


Este artigo trata-se de um relato de experiência sobre um trabalho desenvolvido pelos extensionistas dos cursos de enfermagem e medicina junto aos moradores de uma comunidade de baixa renda da cidade de Campina Grande - PB. O objetivo do trabalho foi a educação para a saúde com contextualização socioeconômica e cultural acerca das parasitoses intestinais através de atividades como palestras, oficinas e panfletagem. Foram levantadas as dados sobre os resultados de exames parasitológicos de fezes, a fim de verificar as parasitoses mais prevalentes, que foram esclarecidas no decorrer das sessões de educação para a saúde, com utilização de estratégia participativa, associados a vários recursos didáticos. Participaram das atividades indivíduos de ambos os sexos a partir de 5 anos de idade. Foram realizadas 2 sessões grupais de educação para a saúde, através de oficinas lúdicas para crianças e 2 palestras para adultos na USF Plínio Lemos I, bairro de José Pinheiro, além de visitas em 4 escolas  localizada na zona leste da cidade de Campina Grande, no período entre maio e novembro de 2017. Os termos técnicos foram decodificados para a linguagem popular. A experiência permitiu aos profissionais em formação conhecer as peculiaridades das atividades socioeducativas em saúde ajudando no processo de compreensão da realidade, assim também como possibilitou aos agentes beneficiados pelas atividades a emancipação e sensibilização resultando na formação de sujeitos mais capacitados e autônomos.

Keywords


Parasitas, Educação, Comunidade, Baixa renda.

References


BECKER, A. A., IOSCHPE, R., DELWING, D. & CANALI, J. 2002. Incidência de parasitoses intestinais em escolares do município de Novo Hamburgo – RS. Revista Brasileira de Análises Clínicas 34: 85-87.

BRESSAN, E., FERNANDES, L. V. & CANTO G. A. 2004. Ocorrência de parasitas intestinais em amostras fecais em Florianópolis/SC. NewsLab 62: 92-99.

CARVALHO, F. M., FALCÃO, A. O., ALBUQUERQUE, M. C., SILVA, P., BASTOS, O. M. P. & UCHOA, C. M. A. 2002. Diagnóstico coproparasitológico: estudo comparativo entre os métodos de Faust e cols.; Lutz, Baermann e Moraes e Coprotest®. Revista Brasileira de Análises Clínicas 36: 145-146.

CASTRO, A. Z., VIANA, J. D. C., PENEDO, A. A. & D. M. DONATELE. 2004. Levantamento das parasitoses intestinais em escolares da rede pública na cidade de Cachoeiro de Itapemirim – ES. News Lab 64:140-144.

COSTA-MACEDO, L. M. & REY L. 2000. Aleitamento e parasitismo intestinal materno-infantil. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical 33: 371-375.

FERREIRA, J. R., VOLPATO, F., CARRICONDO, F. M., MARTINICHEN, J. C., & LENARTOVICZ V. 2004. Diagnóstico e prevenção de parasitoses no reassentamento São Francisco em Cascavel – PR. Revista Brasileira de Análises Clínicas 36: 145-146.

GURGEL, R. Q.; CARDOSO, G. S.; SILVA, A. M.; SANTOS, L. N.; OLIVEIRA R. C. V. 2005. Creche: ambiente expositor ou protetor nas infestações por parasitas intestinais em Aracaju, SE. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical 38: 267-269.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2000. Pesquisa Nacional de Saneamento Básico – PNSB. IBGE: Rio de Janeiro

MARQUEZ, A. S., MARQUEZ, A. S., HASENACK, B. S., TRAPP, E. H. & GUILHERME, R. L. 2002. Prevalência de enteroparasitoses em crianças de um bairro de baixa renda de Londrina – Paraná. Ciências Biológicas e Saúde 4: 55-59.

MELO, M. C. B., KLEM, V. G. Q., MOTA, J. A. C. & PENNA, F. J. 2004. Parasitoses intestinais. Revista de Medicina de Minas Gerais 14 (Supl. 1): S3-S12.

PAES, A. L. V. et al. Enteroparasitoses em pacientes com HIV/AIDS: Prevalência, contagem de células CD4 e perfil socioeconômico. Brazilian Journal of Health Review, v. 3, n. 4, p. 7532–7549, 2020.

PATZ, J. A., GRACZYK, T. K., GELLER, N. & VITTOR, A. Y. 2000. Effects of environmental change on emerging parasitic diseases. International Journal of Parasitology 30: 1395-1405.

PRADINI, F. L. 1995. O gerenciamento integrado do lixo municipal. in: Lixo Municipal: manual de gerenciamento integrado. Instituto de Pesquisas Tecnológicas/ CEMPRE, São Paulo.

QUADROS, R. M., MARQUES, S., ARRUDA, A. A. R., DELFES, P. S. W. R. & MEDEIROS, I. A. A. 2004. Parasitas intestinais em centros de educação infantil municipal de Lages, SC, Brasil. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical 37: 422-423.

SANTOS, R. C. V., HOERLLE, J. L., AQUINO, A. R. C. & DE CARLI, G. A. 2004. Prevalência de enteroparasitoses em pacientes ambulatoriais do Hospital Divina Providência de Porto Alegre, RS. Revista Brasileira de Análises Clínicas 36: 241-243.

SATURNINO, A. C. R. D., NUNES, J. F. L. & SILVA, E. M. A. 2003. Relação entre a ocorrência de parasitas intestinais e sintomatologia observada em crianças de uma comunidade carente de Cidade Nova, em Natal – Rio Grande do Norte, Brasil. Revista Brasileira de Análises Clínicas 35: 85-87.

TASHIMA, N. T. & SIMÕES, M. J. S. 2005. Parasitas intestinais: prevalência e correlação com a idade e com os sintomas apresentados de uma população infantil de Presidente Prudente – SP. Revista Brasileira de Análises Clínicas 37: 35-39.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n4-336

Refbacks

  • There are currently no refbacks.