Retrato da epidemiologia da meningite no Estado do Pará entre 2015 e 2018/Portrait of the epidemiology of meningitis in the State of Pará between 2015 and 2018

João de Deus Teixeira Junior, Marielle Pires Quaresma, Raquel Aguiar Vieira Teixeira, Laine Celestino Pinto

Abstract


A meningite é um processo inflamatório das membranas cerebrais e do líquido cefalorraquidiano que envolvem o sistema nervoso, podendo ser causado por fatores de natureza infecciosa ou não infecciosa. Assim, o objetivo deste estudo é traçar o perfil epidemiológico da meningite no Estado do Pará no período de 2015 a 2018. Trata-se de um estudo descritivo, retrospectivo e foi utilizado como fontes de informação o Sistema de Informação de Agravos de Notificação, cujos dados são disponibilizados pelo Departamento de Informática do SUS. Os dados obtidos foram organizados em planilhas do programa Microsoft® Excel 2016, onde foram analisados por meio da confecção de gráficos e tabelas. De Janeiro de 2015 à Dezembro de 2018 foram notificados 1974 casos de Meningite no Estado do Pará. No ano de 2017 houve um maior número de casos notificados (n 509) em relação aos demais anos avaliados. A faixa etária mais acometida pela doença foi entre 20-39 anos, representando aproximadamente 34% (n 678) dos casos confirmados e a etiologia dos casos de meningite pode variar entre as faixas etárias. Portanto, se faz necessário que divulgue na população os meios de prevenção da doença, e seus manejos corretos em casos suspeitos, a fim de evitar o máximo de sequelas, além de reforçar a importância da notificação junto à Vigilância Epidemiológica para que viabilize a implementação de estratégias adequadas de combate à doença.


Keywords


Meningite, Epidemiologia, Prevalência.

References


BRASIL, Meningites. Disponível em . Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico 03, volume 50, janeiro 2019. Acesso em 05 de dezembro de 2019.

BRASIL. Disponível em: . Secretaria de Vigilância em Saúde – Ministério da Saúde. Meningites. Guia de Vigilância Epidemiológica, 7ª edição, 2017. Acesso em 05 de dezembro de 2019.

BRASIL. Meningites Virais. Centro de Vigilância Epidemiológica. Protocolo de Coleta para o Diagnóstico Laboratorial dos Enterovírus. Rev Saúde Pública 2006;40(4):748-50.

CIVES, Centro de Informações em Saúde para Viajantes. Doença Meningocócica. Disponível em: http://www.cives.ufrj.br/informacao/dm/dm-iv.html. Acesso em: 20 de novembro de 2019.

COLMAN, V. P.; REDA, N. Aspectos epidemiológicos da meningite no município de Porto Nacional (TO), no período de 2014 a 2018. Scire Salutis. v.9. n.2. Fev a Mai, 2019

DIAS, F.C.F.et al. Meningite: aspectos epidemiológicos da doença na região norte do Brasil. Revista de Patologia do Tocantins, v. 4, n. 2, p. 46-49, 2017.

FERNANDES, B.R. et al. Diagnóstico Diferencial Das Meningites. Revista Medica de Minas Gerais 2008; 18(3 Supl 4): S68-S71.

FONSECA, F.M. et al. Diagnóstico laboratorial das meningites bacterianas. R. Ci. md. biol., Salvador, v.10, n.1, p.77-81, jan./abr. 2011.

GARCIA, M.L. et. al..Meningite tuberculosa: perfil epidemiológico no Brasil, no Ceará e no Cariri entre 2007 e 2015. Rev. e Ciênc. v.4, n.1, 2016, p.61-67.

GEMAQUE K. et al. Prevalence of Oral Lesions in Hospitalized Patients with Infectious Diseases in Northern Brazil. The Scientific World Journal. 2014, Vol 2014, 5p.

GUIMARAES, M. G.B. Perfil epidemiológico dos casos confirmados de meningite em Ituiutaba-MG. Trabalho de Conclusão de Curso. Curso de Ciências Biológicas da Universidade Federal de Uberlândia. Ituiutaba. 2017.

HARRISON, L.H. et al. Global epidemiology of meningococcal disease. Vaccines. Amsterdan, v. 27, n. 2, p. B51-B63, jun. 2009

LARTEY, M. et al. Causes of Death in Hospitalized HIV Patients in the Early Anti-Retroviral Therapy Era. Ghana medical journal, v. 49, n. 1, p. 7-11, 2015.

RAMOS, C.G.et al. Meningites bacterianas: epidemiologia dos casos notificados em minas gerais entre os anos de 2007 e 2017. Revista Eletrônica Acervo Saúde, n. 22, p. e655-e655, 2019.

REQUEJO, H.I.Z. Comportamento Imunológico Das Vacinas Anti-Meningocócicas. Rev. Saúde Pública, 31 (4): 402-16, 1997.

RODRIGUES, E.M.B.; MILAGRES, B.S. Meningite: Perfil Epidemiológico Da Doença No Brasil Nos Anos De 2007 A 2013. Centro Universitário de Brasília. Brasília, 2015.

ROMANELLI, R.M., Etiologia e evolução das meningites bacterianas em centro de pediatria. Jornal de Pediatria. 2002; 78:24-30.

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DE SÃO PAULO. VÍRUS, R. N. A. Meningites virais. Rev Saúde Pública. v. 40, n. 1, p. 65-70, 2006.

SILVA, H.C.G.; MEZAROBBA, M. Meningite No Brasil Em 2015: O Panorama Da Atualidade. Arq. Catarin Med. 2018 jan-mar; 47(1):34-46.

TEIXEIRA, A.B, et al. Meningite bacteriana: uma atualização. RBAC. 2018; 50(4):327-9.

VIEIRA, M.A.C.S. et al. Proposta De Abordagem Simplificada Para Suspeitas De Meningites: Relato De Experiência De Serviço De Referência No Estado Do Piauí, 2007-2016. Epidemiol. Serv. Saude, Brasília, 27(3):e2017329, 2018.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n4-334

Refbacks

  • There are currently no refbacks.