Hérnia diafragmática congênita: Relato de Caso / Congenital diaphragmatic hernia: Case Report

Saulo Francisco de Assis Gomes, Ritchelly Borges da Cunha, André Afonso Marrafon

Abstract


O diafragma é formado a partir de contribuições da membrana pleuroperitoneal do mesentério dorsal do esôfago, da parede torácica e do septo transverso e o período de formação embrionária, entre a quarta e oitava semanas de vida intra-uterina. A taxa de incidência da hérnia diafragmática congênita é de aproximadamente um caso para cada dois mil a cinco mil nascimentos. A frequência é maior em natimortos e não é muito comum em adultos, tendo pouco mais de 100 casos descritos na literatura. Em estudos realizados encontrou-se relação entre a hérnia diafragmática congênita, sexo e situação geográfica, porém ainda não foi constatada relação com a raça. Na hérnia diafragmática congênita, as correções dos defeitos diafragmáticos e das herniações ocorrem por meio de intervenções abdominais, onde há redução das vísceras herniadas. A ultrassonografia é o método de imagem de rastreio mais relevante no período pré-natal, pois avalia a situação materno-fetal durante os três trimestres gestacionais, podendo datar a idade gestacional, diagnosticar aneuploidias, rastrear estruturas fetais e busca de malformações. Além de dispor de uma técnica não invasiva, que vê o feto e seus anexos, simulando uma extensão da visão humana intra-uterina. O objetivo desta revisão foi relatar com estudo de caso, a importância da ultrassonografia no diagnóstico de hérnia diafragmática congênita e propor uma opção terapêutica contemporânea no pré-natal dentre várias outras opções de tratamento já existentes; com isso minimizar complicações tais como, hipoplasia pulmonar, hipertensão pulmonar, imaturidade bioquímica e estrutural dos pulmões, alterações hemodinâmicas e em órgãos do trato gastrointestinal.


Keywords


cirurgia pediátrica, ultrassonografia, mutações congênitas, hérnia, relato de caso.

References


Amim, B., Werner Jr., H., Daltro, P.A., Antunes, E., Fazecas, T., Rodrigues, L., Guerra, F., Marchiori, E., Gasparetto, E.L., and Domingues, R.C. (2008). The value of fetal ultrasonography and magnetic resonance imaging in the assessment of diaphragmatic hernias. Radiol. Bras. 41, 1–6.

Ballén, F., and Arrieta, M. (2010). Hernia diafragmática congénita. Rev. Colomb. Anestesiol. 38, 241–258.

Braga, A. de F. de A., Braga, F.S. da S., Nascimento, S.P., Verri, B., Peralta, F.C., Bennini Junior, J., Jorge, K., Braga, A. de F. de A., Braga, F.S. da S., Nascimento, S.P., et al. (2017). Fetoscopic tracheal occlusion for severe congenital diaphragmatic hernia: retrospective study. Rev. Bras. Anestesiol. 67, 331–336.

Burcharth, J., Pedersen, M., Bisgaard, T., Pedersen, C., and Rosenberg, J. (2013). Nationwide Prevalence of Groin Hernia Repair. PLOS ONE 8, e54367.

Cardoso-Brito, V., Junior, S. de A., Moreira, N.I.T., Pereira, L.A., and Bulgo, D.C. (2020). Rotavirus infection in immunocompetent adult patient in a city of state of São Paulo, Brazil – case report. Res. Soc. Dev. 9, 194922216.

Gallindo, R.M., Gonçalves, F.L., Figueira, R.L., Sbragia, L., Gallindo, R.M., Gonçalves, F.L., Figueira, R.L., and Sbragia, L. (2015). Prenatal management of congenital diaphragmatic hernia: present, past and future. Rev. Bras. Ginecol. E Obstetrícia 37, 140–147.

Junior, S. de A., Cardoso-Brito, V., Moreira, M.E.S., Melo, M.R.S. de, Andrade, G., and Bulgo, D.C. (2020). Biosafety evaluation and characterization of occupational risks in a ready care unit paulista, Brazil. Res. Soc. Dev. 9, 74922028.

Leitzke, L., Osório, C.M., Giongo, F., and Moretti, G.R.F. (2007). Diagnóstico pré-natal de hérnia diafragmática congênita por Imagem de Ressonância Magnética. ACM Arq Catarin Med 36.

Medeiros, F.F., Santos, I.D. de L., Ferrari, R.A.P., Serafim, D., Maciel, S.M., Cardelli, A.A.M., Medeiros, F.F., Santos, I.D. de L., Ferrari, R.A.P., Serafim, D., et al. (2019). Prenatal follow-up of high-risk pregnancy in the public service. Rev. Bras. Enferm. 72, 204–211.

Melo, R.M. de (2013). Complex abdominal wall hernias. Rev. Colégio Bras. Cir. 40, 090–091.

Nagahama, G., Vieira, L.C., Jover, P.B., Leite, G.K.C., Watanabe, E.K., Almeida, S.M., and Sass, N. (2007). O controle da hemorragia pós-parto com a técnica de sutura de B-Lynch: série de casos. Rev. Bras. Ginecol. E Obstetrícia 29, 120–125.

Peralta, C.F.A., Sbragia, L., Bennini, J.R., Cavalli, R.C., Rousselet, M.S., and Barini, R. (2011). Tracheal occlusion for fetuses with severe isolated left-sided diaphragmatic hernia: a nonrandomized controlled experimental study. Rev. Bras. Ginecol. E Obstetrícia 33, 381–387.

Santos, L.T. dos, and Evangelista, T.M. (2013). Hérnia Diafragmática Congênita: Relato de Caso/ Congenital Diaphragmatic Hernia: Case Report. Rev. Ciênc. EM SAÚDE 3, 27–34.

Yanes Calderón, M., Mesa Suárez, M., Rojas González, R.M., González Salvat, R.M., and Quintana Aguilar, J.R. (2012). Hernia diafragmática congénita izquierda (Bochdaleck). Rev. Cuba. Obstet. Ginecol. 38, 571–575.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n4-332

Refbacks

  • There are currently no refbacks.