Perfil epidemiológico e assistência de enfermagem a pacientes com aneurisma cerebral: uma pesquisa bibliográfica / Epidemiological profile and nursing care for patients with cerebral aneurysm: a bibliographic research

Thamires da Silva Godeguez, Camila Waters

Abstract


Objetivo: Identificar, por meio de uma pesquisa bibliográfica, o perfil epidemiológico e a assistência de enfermagem prestada aos pacientes com diagnóstico de aneurisma cerebral. Método: Pesquisa bibliográfica e descritiva, com dados coletados na Biblioteca Virtual em Saúde, utilizando as bases de dados da Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde e Base de Dados da Enfermagem. Foram selecionados os descritores específicos: Aneurisma Cerebral; Aneurisma Intracraniano e Aneurisma Encefálico, que foram cruzados com os descritores gerais: Enfermagem e Epidemiologia. Definido como critérios de inclusão: artigos científicos, disponíveis para acesso na íntegra, publicados entre os anos de 2007 e 2017 e escritos no idioma português ou espanhol. Excluídos artigos de revisão bibliográfica, que não atendiam ao objetivo da pesquisa e artigos iguais publicados em bases de dados diferentes.Resultados: Foram selecionados quatro artigos científicos que identificaram o perfil do paciente com aneurisma cerebral. Um artigo foi publicado no ano de 2009, outro no ano de 2015, os dois em periódicos especializados no assunto e dois artigos foram publicados no ano de 2014 em periódicos não especializados no assunto. Foram realizados dois estudos retrospectivos, sendo que um foi realizado na Região Nordeste e outro na Região Centro-Oeste do Brasil; um estudo prospectivo foi desenvolvido em Cuba e outro transversal foi desenvolvido na Colômbia. Ao identificar o perfil do paciente com aneurisma cerebral, predominaram pacientes do sexo feminino, com maior ocorrência na quarta e quinta décadas de vida, com exceção de um estudo que predominou média de idade de 33 anos. Hipertensão arterial sistêmica, tabagismo e etilismo foram comorbidades e hábitos de vida encontrados nesses pacientes. As complicações relacionadas à ruptura do aneurisma foram o ressangramento, vasoespasmo, hidrocefalia. A maioria dos pacientes apresentou aneurismas rotos, localizados no território anterior e recebeu alta hospitalar. Um artigo identificou os diagnósticos de enfermagem: risco de infecção, sangramento, constipação e perfusão tissular cerebral ineficaz, comunicação verbal prejudicada, deambulação prejudicada, mobilidade física e no leito prejudicada, recuperação cirúrgica retardada e integridade da pele prejudicada. Conclusões: O aneurisma cerebral é mais frequente no sexo feminino, na faixa etária de 41 a 51 anos, acomete a circulação anterior, apresenta-se de forma rota, pode evoluir com hidrocefalia, vasoespasmo e ressangramento e a hipertensão arterial sistêmica é uma comorbidade presente nesses pacientes. A assistência de enfermagem está relacionada a reduzir complicações e promover a recuperação do paciente. Medidas como prevenir infecção, promover a segurança do paciente, a comunicação e a mobilização no leito foram citadas em um artigo.

 


Keywords


Aneurisma Cerebral; Aneurisma Intracraniano, Aneurisma Encefálico, Enfermagem e Epidemiologia.

References


Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Medidas de Prevenção de Infecção Relacionada à Assistência à Saúde. [online] Brasil: Anvisa; 2017. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/documents/33852/3507912/Caderno+4+-+Medidas+de+Preven%C3%A7%C3%A3o+de+Infec%C3%A7%C3%A3o+Relacionada+%C3%A0+Assist%C3%AAncia+%C3%A0+Sa%C3%BAde/a3f23dfb-2c54-4e64-881c-fccf9220c373 (20 jul 20118).

Antunes S, Marcelino O, Aguiar T. Fisiopatologia da menopausa. Rev Port Clin Geral. [periódico online] 2003; [citado 5 jul 2018]; 19:353-7. Disponível em: http://www.rpmgf.pt/ojs/index.php/rpmgf/article/view/9957.

Araújo OF, Sousa CLM, Muniz MV, Oliveira AB, Freire Neto NG, Sousa EPD. Diagnósticos de enfermagem e proposta de intervenções ao paciente com aneurisma cerebral. Com. Ciências Saúde. [periódico online] 2014; [citado 29 mar 2018]; 25(1): 25-34. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/periodicos/diagnosticos_enfermagem_proposta.pdf.

Braga FM. Hemorragia Subaracnóidea. In: Koizumi MS, Diccini S. Enfermagem em Neurociência:Fundamentos para a prática clínica. São Paulo: Atheneu; 2006. p.359-370.

Brandão AA, Amodeo C, Alcântara C, Barbosa E, Nobre F, Pinto F, Martin JFV, et al. I Posicionamento Luso-Brasileiro de Pressão Arterial Central. [periódico online] 2017; [citado 7 jul 2018]; 108(2):100-108. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/abc/v108n2/pt_0066-782X-abc-20170011.pdf.

Camacho CRC, Melicio LAD, Soares MVC. Aterosclerose, uma resposta inflamatória. Arq Ciênc Saúde. [periódico online] 2007; [citado 11 jul 2018]; 14(1):41-48. Disponível em: http://repositorio-racs.famerp.br/racs_ol/vol-14-1/ID205.pdf.

Cavalcante HRF, Prandini MN, Muzio SDCD. Hemorragia Subaracnóidea. In: Diccini S. Enfermagem em Neurologia e Neurocirurgia. Rio de Janeiro: Atheneu; 2017. p 261-271.

Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo (COREN). 10 passos para a Segurança do Paciente. [online]. São Paulo: COREN; 2010. Disponível em: http://portal.coren-sp.gov.br/sites/default/files/10_passos_seguranca_paciente_0.pdf (24 jul 2018).

Corrales YS, Despaigne DN, Plasencia RA, Águila YA, Alonso ED, Alonso MD. Etapas del climaterio y función endotelial en mujeres de edad mediana. Rev Cubana Endocrinol. [periódico online] 2015; [citado 5 jul 2018]; 26(2):138-146. Disponível em: http://scielo.sld.cu/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1561-29532015000200004.

Creôncio SCE, Moura JC, Rangel BLR, Coelho MFB, Santos TBS, Freitas MAL. Análise de casos cirúrgicos para o tratamento de hemorragia subaracnóidea aneurismática. Arquivos Brasileiros de Neurocirurgia. [periódico online] 2015; [citado 29 mar 2018]; 34:1. Disponível em: http://docs.bvsalud.org/biblioref/2016/05/20/arq-bras-neurocir1-20152.pdf.

Cunningham SG. Avaliação e Manejo de Clientes com Hipertensão Arterial. In: Brunner JLH, Suddarth KHC. Tratado de Enfermagem: Médico-cirúrgica. 13º ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2016. p 1399-1420.

Gil AC. Como classificar as pesquisas. In: Gil AC. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 4ª. ed. São Paulo: Atlas; 2002. p.41-44.

Hernández JLM, Nellar JP, Scherle-Matamoros C, González JG, Cobo EJ, García DH. Atención a pacientes con "grados buenos" de hemorragia subaracnoidea aneurismática en la unidad de ictus. Revista Cubana de Medicina. [peródico online] 2014; [citado 29 mar 2018]; 53(3): 239-253. Disponível em: http://scielo.sld.cu/pdf/med/v53n3/med02314.pdf.

Maranhão DKM, Souza MLP, Costa MLG, Vieira ACV. Caracterização das afasias na hemorragia subaracnóidea aneurismática. CoDAS [periódico online] 2018; [citado 22 jul 2018] 30(1):1-6. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/codas/v30n1/2317-1782-codas-30-1-e20160255.pdf.

Mayer AS, Bernardini GL, Solomon RA. Hemorragia Subaracnoide. In: Merrit. Tratado de Neurologia. 12ª. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2011. p. 313-22.

Netter FH. Vascularização do Encéfalo. In: Netter FH. Atlas de Anatomia Humana. 3º. ed. Porto Alegre: Artemed; 2003.p130-136.

Neves LB, Macedo DM, Lopes AC. Homocisteína. J Bras Patol Med Lab. [periódico online] 2004; [citado 15 jul 2018]; 5(40):311-20. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/jbpml/v40n5/a06v40n5.pdf.

Ortiz LG, Salinas JG, Muniz SG, Galán CG, Hernández JS. Intracranial aneurysms and their clinical and genetic behavior. Cirugía y Cirujanos. [periódico online] 2015; [citado 16 jul 2018]; 83(6):467-472. Disponível em: https://ac.els-cdn.com/S0009741115001292/1-s2.0-S0009741115001292-main.pdf?_tid=1bf101ca-7bb5-4f04-8f6b-345a9277c1a8&acdnat=1533487463_f5126433be24ca80253d85584c84188a.

Peres CMA, Carrera AB, Daniel JW, Cannoni LF, Carvalho RRD. Hemorragia Subaracnóidea por aneurisma intracraniano. Arq Bras Neurocir. 1998; 17(1):25-30.

Quintero-Oliveros ST, Ballesteros-Acuña LE, Ayala-Pimentel JO, Forero-Porras PL. Características morfológicas de aneurimas cerebrales del polígono de Willis: estudio anatómico directo. Neurocirugía. [periódico online] 2009; [citado 29 mar 2018]; 20: 110-116. Disponível em: http://scielo.isciii.es/pdf/neuro/v20n2/3.pdf.

Santos LB, Waters C. Perfil dos pacientes submetidos à neurocirurgia para tratamento de aneurismas intracranianos. Arq Med Hosp Fac Cienc Med Santa Casa São Paulo. [periódico online] 2018 [citado 20 ago 2018]; 63(1):1-5. Disponível em: http://arquivosmedicos.fcmsantacasasp.edu.br/index.php/AMSCSP/article/viewFile/56/44.

Silva SCF. Hemorragia Subaracnóidea. In: Diccini S, Ribeiro RM. Enfermagem em Neurointensivismo. Rio de Janeiro: Atheneu; 2018. p 259-264.

Sociedade Brasileira de Doenças Cerebrovasculares (SBDCV). Diretrizes para o manejo de pacientes com hemorragia intraparenquimatosa cerebral espontânea. [online]. São Paulo:SBDCV; 2009. Disponível em: http://www.sbdcv.org.br/documentos/Diretrizes_AVCH_2009.pdf[20 jul 2017].

Sociedade Brasileira de Neurocirurgia (SBN). Aneurismas Cerebrais – Prof. Dr. Eberval Gadelha Figueiredo. [online] São Paulo: SBN; 2018. Disponível em: http://portalsbn.org/portal/aneurismas-cerebrais-prof-dr-eberval-gadelha-figueiredo/ (12 jul 2018).


Refbacks

  • There are currently no refbacks.