O ambiente rural e sua relação com as infecções sexualmente transmissíveis / The rural environment and its relation with Sexually Transmitted Infections

Ionária Régia de Souza, Gabriel Santos Costa, Pedro Pereira Tenório, Denes Dantas Vieira

Abstract


As populações do campo ou da zona rural são aquelas que possuem uma vida vinculada à terra. São consideradas vulneráveis para diversos agravos de saúde, devido às dificuldades de acesso aos serviços públicos de saúde, saneamento e educação. Entre diversas vulnerabilidades, estão as infecções sexualmente transmissíveis - ISTs, que têm sido ao longo de muitos anos consideradas doenças urbanas. O objetivo deste estudo foi de realizar um levantamento em artigos sociológicos e pesquisas científicas que retratem as atuais relações entre as populações rurais, seus comportamentos sociais e as ISTs. As populações um pouco mais afastadas dos grandes centros, por muitas vezes, ficam desassistidas (ou menos assistidas) pelos governos deixando de receber insumos, orientação em saúde e assistência médica. São necessários mais estudos sobre as consequências do aumento de ISTs no meio rural, para que seja possível promover ações visualizando mitigar esses efeitos e promover saúde, evitando a perpetuação dessas iniquidades.

 

 

 


Keywords


Infecções Sexualmente Transmissíveis, População Rural, Comportamento social.

References


______. Ministério da Saúde. Política Nacional de Saúde Integral das Populações do Campo, da Floreta e das Águas. Brasília: Ministério da Saúde, 2013. 48p.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Plano Operativo de Saúde das Populações do Campo e da Floresta 2012/2015. Disponível em: . Acesso em: 08 mai. 2017.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim

Boletim Epidemiológico Sífilis 2016. Disponível em:. Acesso em: 08 mai. 2017.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Pesquisa de Conhecimento, Atitudes e Práticas na População Brasileira. Brasília: Ministério da Saúde, 2011.126p.

ABDO, Camila. Comportamento Sexual: o que ficou no passado? Disponível em: . Acesso em 08 nov. 2017.

BARBOSA, Keila Furbino et al. Fatores associados ao não uso de preservativo e prevalência de HIV, hepatites virais B e C e sífilis: estudo transversal em comunidades rurais de Ouro Preto, Minas Gerais, entre 2014 e 2016. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 28, p. e2018408, 2019.

BARROSO, Ana Cláudia. Sistema agroflorestal: uma alternativa sustentável no agronegócio. Revista de Economia da UEG, vol. 13, n. 1, jan/jun. 2017.

BLUME, Roni ; SCHNEIDER, Sergio . Sobre a Delimitação do Rural: atualizando o debate sobre as metodologias que desmistificam o fim do rural no Brasil.. In: CONTERATO, Marcelo Antonio; RADOMSKY,Guilherme Francisco Waterloo; SCHNEIDER, Sergio. (Org.). Pesquisa em Desenvolvimento Rural: aportes teóricos e proposições metodológicas. 1ªed .Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2014, v. 1, p. 205-226.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria executiva. Sistema Único de Saúde (SUS): Princípios e Conquistas. Brasília: Ministério da Saúde, 2000. 44p.

CARGNIN, Marcia Casaril dos Santos; MIOTTO, Gracielli Ana; GERMANI, Alessandra Regina Mueller. Qualidade de vida de trabalhadores rurais do município de Taquaruçu do Sul-RS. Revista de Enfermagem Frederico Westphalen, Rio Grande do Sul, v. 6-7, n. 6-7, p. 171-190. 2010.

CARNEIRO, Maria José. Ruralidade: novas identidades em construção. Estudos Sociedade e Agricultura, v.6, n.2, p. 53-75, out. 1998.

COUTINHO, Renata. Casos de Sífilis em Pernambuco quintuplicam em três anos. 2017. Disponível em: Acesso em: 16 mai. 2017.

CRUZ, Sr Silva et al. Vulnerabilidade socioeconômica em comunidades rurais do município de Areia, Estado da Paraíba, Scientia Plena, v. 9, n. 5, 2013. Disponível em: Acesso em: 30 mai. 2017.

DANTAS, Lívia Azevedo. et al. Perfil epidemiológico de sífilis adquirida diagnosticada e notificada em hospital universitário materno infantil. Revista Eletrônica Trimestral de Enfermagem, v.16, n.2, 2017. Disponível em: Acesso em: 16 mai. 2017.

DOMINGUES, Rosa Maria Soares Madeira; LEAL, Maria do Carmo. Incidência de sífilis congênita e fatores associados à transmissão vertical da sífilis: dados do estudo Nascer no Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 32, n.6, jun. 2016.

FORMAN, Shepard. Camponeses: sua participação no Brasil. 2009. Disponível em: < http://books.scielo.org/id/c26m8/pdf/forman-9788579820021.pdf> Acesso em: 15 mai. 2017.

KASSOUF, Ana Lúcia. Acesso aos serviços de saúde nas áreas urbana e rural do Brasil. Revista de Economia e Sociologia Rural, Rio de Janeiro, vol. 43, n. 01, p. 29-44, jan./mar. 2005.

MARTINS, José de Souza. O futuro da Sociologia Rural e sua contribuição para a qualidade de vida rural. Estudos Avançados, São Paulo, vol.15, n.43, p.31-36, set./dez. 2001.

MACEDO, Etiene Oliveira Silva; CONCEIÇÃO, Maria Inês Gandolfo. Significações sobre Adolescência e Saúde entre Participantes de um Grupo Educativo de Adolescentes. Psicologia: ciência e profissão, v. 35, n. 4, p. 1059-1073, 2015.

MESQUITA, Karina Oliveira de. et al. Perfil epidemiológico dos casos de sífilis em gestante no município de Sobral, Ceará, de 2006 a 2010. SANARE, Sobral, v.11, n.1, p.13-17, jan./jun. 2012.

MORIN, Vanessa Lago; LÜDKE, Everton. UMA COMPARAÇÃO DO CONHECIMENTO ESTUDANTIL SOBRE SAÚDE DA MULHER ENTRE ESTUDANTES DE ESCOLAS PÚBLICAS DA ZONA URBANA E RURAL. Vivências, v. 15, n. 28, p. 50-67, 2019.

MUELLER, CHARLES C. MI; MARTINE, GEORGE. Modernização da agropecuária, emprego agrícola e êxodo rural no Brasil - A década de 1980. Revista de Economia Política, São Paulo, v. 17, n. 3, p. 85-104, 1997.

NAVARRO, Zander. Transformações no mundo rural brasileiro. 2014. Disponível em: . Acesso em: 18 mai. 2017.

Organização Mundial da Saúde. Constituição da Organização Mundial da Saúde (OMS/WHO) - 1946. Disponível em: Acesso em: 18 mai. 2017.

PAGOTTO, Valéria. et al. Falando Sobre DST e aids Com Moradores da Zona Rural de Um Município do Interior de Goiás. 2004. Disponível em: < http://bit.ly/2lPsb6e >. Acesso em: 17 mai. 2017.

RENAUX, Irene Gomes e Pedro. Nova proposta de classificação territorial mostra um Brasil menos urbano. Disponível em: . Acesso em 01 nov. 2017.

SCHNEIDER, Sergio. Mercados e agricultura familiar. 2016. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2017.

SILVA, José Graziano da. GROSSI, Mario Eduardo Del. O novo rural brasileiro. 1998. Disponível em: . Acesso em 20 out. 2017.

SOARES, Rackynelly Alves Sarmento. et al. Determinantes Socioambientais e Saúde: o Brasil Rural versus o Brasil Urbano. 2015. Tempus Actas de Saúde Coletiva, Brasília, v. 9, n. 2, p. 221-235, jun. 2015.

SOUSA, Bárbara Cabral de et al. Comportamento sexual e fatores associados em adolescentes da zona rural. Revista de Saúde Pública, v. 52, p. 39, 2018.

TORRES, Daniela Filipa Coelho. Conhecimento de Infecções Sexualmente Transmissíveis e Métodos Contraceptivos numa amostra de 359 adolescentes do 8º ao 12º ano de escolaridade. 2011. 86p. Dissertação. (Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde da Universidade Fernando Pessoa).

TUBINO, Nádia. O que é rural e o que é urbano no Brasil? 20 abr. 2013. Disponível em: . Acesso em 20 out. 2017.

WANDERLEY, Maria de Nazareth Baudel. A emergência de uma nova ruralidade nas sociedades modernas avançadas – o “rural” como espaço singular e ator coletivo. Estudos Sociedade e Agricultura, Rio de Janeiro, v. 8, n. 2, p. 87-145, out. 2000.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n4-314

Refbacks

  • There are currently no refbacks.