Óbitos por malformações cardiovasculares entre crianças no estado da Paraíba de 2002 a 2015 / Deaths from cardiovascular malformations among children in the state of Paraíba from 2002 to 2015

Mattheus de Luna Seixas Soares Lavor, Maria Clara Soares Lavor Nunes, Catarina Nóbrega Lopes, Ana Luisa Brito de Carvalho, Marina Mousinho de Pontes Damaceno, Fernanda Ferreira de Andrade, Gilvandro de Assis Abrantes Leite Filho, Yana Balduíno de Araújo

Abstract


Malformação congênita é uma das causas de óbito infantil no Brasil. O presente trabalho visa descrever a ocorrência dos óbitos infantis por malformação congênita cardiovascular (MCSC) na Paraíba, entre 2002 a 2015. METODOLOGIA: trata-se de um estudo ecológico, descritivo, com série histórica, operacionalizado com dados secundários do SIM, referentes ao período de 2002 a 2015, na Paraíba. As causas das mortes por MCSC foram coletadas segundo CID-10 (Q20 a Q28). RESULTADOS: do total de 2211 casos de óbitos por MC, 39% foram por MCSC, sendo as prevalentes: outras malformações do coração (680 casos), MC de câmaras e comunicações cardíacas (49 casos), das grandes artérias (42 casos) e dos septos cardíacos (41 casos). A maior taxa de óbito ocorreu em crianças do sexo masculino (57%). A maior taxa de mortalidade foi no período neonatal precoce. DISCUSSÃO: outros estudos corroboram com os achados do presente trabalho, principalmente no que se refere a prevalência, pois um estudo realizado nos Estados Unidos da América mostrou que a MCSC é a maior causa de óbitos infantis. É possível verificar que entre os óbitos com dados conhecidos, a maior parte das crianças nasceu com peso e tempo de gestações normais, e apresentavam portanto certo potencial vitalidade. CONCLUSÃO: reforça-se a importância do diagnóstico precoce ainda durante a gravidez e o encaminhamento das gestantes para os procedimentos e cuidados necessários nos casos em que é possível tratamento.

 

 


Keywords


Óbito infantil; Malformações cardiovasculares; Diagnóstico precoce.

References


AMORIM, M. M. R.; VILELA, P. C.; SANTOS, A. R. V.; LIMA, A L. M. V.; MELO, E. F. P.; BERNARDES, H. F.; MENEZES FILHO, P. F. B.; GUIMARÃES, V. B. Impacto das malformações congênitas na mortalidade perinatal e neonatal em uma maternidade-escola do Recife. Revista Brasileira de Saúde e Maternidade Infantil, v. 6, n. 1, 2006.

BARROS, F. C.; MATIJASEVICH, A.; REQUEJO, J. H.; GIUGLIANI, E.; MARANHAO, A. G.; MONTEIRO, C. A. Recent trends in maternal, newborn, and child health in Brazil: progress toward Millennium Development Goals 4 and 5. Am J Public Health, v. 100, n. 10, p. 1877 – 89, 2010.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portal Brasil. ONU: Brasil cumpre meta de redução da mortalidade infantil. 2015. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/cidadania-ejustica/2015/09/onu-brasil-cumpre-meta-de-reducao-damortalidade-infantil. Acesso em: 09 mar 2020.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Atenção à saúde do recém-nascido: guia para os profissionais de saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2011.

BRUM, C. A.; STEIN, A. T.; PELLANDA, L. C. Mortalidade Infantil em Novo Hamburgo: Fatores Associados e Causas Cardiovasculares. Arq Brasielira Cardiovascular, v. 104, n. 4, p. 257 - 265, 2015.

CONAS. CONSELHO NACIONAL DE SECRETARIA DE SAÚDE. Paraíba – Projeto Círculo do Coração” ganha destaque na mídia nacional. Disponível em: http://www.conass.org.br/paraiba-projeto-circulo-do-coracao-ganha-destaque-na-midia-nacional/. Acesso em: 23 mai. 2020.

COSME, H. W.; LIMA, L. S.; BARBOSA, L. G. Prevalência de anomalias congênitas e fatores associados em recém-nascidos do município de São Paulo no período de 2010 a 2014. Revista Paulista de Pediatria, v. 35, n. 1, p.33 - 38, 2017.

FIRL, K. C.; KING, J. S.; MAKAMBI, K. H.; LOFFREDO, C. A. Changes in the diagnosis of congenital cardiovascular malformations during the 1st year of life: impacts on epidemiological risk factor associations. Cardiology In The Young, v. 27, n. 4, p.770 - 781, 30 ago. 2016.

FRIAS, P. G. Avaliação da notificação de óbitos infantis ao Sistema de Informações sobre Mortalidade: um estudo de caso. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, v. 5, p. 43 - 52, 2005.

HOROVITZ, D. D. G.; LLERENA JUNIOR, J. C.; MATTOS, R. A. Atenção aos defei- tos congênitos no Brasil: panorama atual. Cad Saúde Público, v. 21, n. 4, p. 1055 – 1064, 2005.

LANSKY. S, L.; FRICHE, A. A.; SILVA, A. A. M. Campos D, de Azevedo Bittencourt SD, de Carvalho ML, et al. Pesquisa Nascer no Brasil: perfil da mortalidade neonatal e avaliação da assistência à gestante e ao recém-nascido. Cad Saúde Pública, v. 30, p. 192-207, 2014.

LEITE, D. L.; MIZIARA, H.; VELOSO, M. Malformações cardíacas congênitas em necropsias pediátricas: características, associações e prevalência. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v. 94, n. 3, 2010.

LIMA, I. D.; ARAÐJO, A. A.; MEDEIROS, W. M. C.; RODRIGUES, J. M.; FEITOSA, M. M.; SILVA, R. B.; MAIA, E. F. T.; WINGERTER, D. G. Perfil dos óbitos por anomalias congênitas no Estado do Rio Grande do Norte no período de 2006 a 2013. Revista de Ciências Médicas e Biológicas, v. 16, n. 1, p. 52-59, 2017.

LUZ, G. S.; KARAM, S. M.; DUMITH, S. C. Anomalias congênitas no estado do Rio Grande do Sul: análise de série temporal. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 22, 2019.

MAGALHÃES, J. A. A. Medicina fetal. Revista do HCPA, v. 20, n. 2, p. 157-68, 2000.

MATIJASEVICH, A.; SANTOS, I. S.; BARROS, A. J.; MENEZES, A. M. ALBERNAZ EP, BARROS, F. C. Perinatal mortality in three population-based cohorts from Southern Brazil: trends and differences. Cad Saúde Pública, 24, p. 399-408, 2008.

NÓBREGA, F. J. Antropometria, patologias e malformações congênitas do recém-nascido brasileiro e estudos de associação com algumas variáveis maternas. Jornal de Pediatria, p. 6 – 140, 1985.

ROUQUAYROL, M. Z. Epidemiologia & Saúde. 8 ed. Rio de Janeiro: Medsi, 2018.

SILVA, M. A. M. Prevalência de fatores de risco cardiovascular em crianças e adolescentes da rede de ensino da cidade de Maceió. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v. 84, n. 5, p. 387-392, 2005.

SOUSA, B. Virgínia Rossana et al. Malformações congênitas e fatores de risco materno em Campina Grande-Paraíba. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, v. 11, n. 2, p. 27-36, 2010.

GUIMARÃES, A. S. L.; BARBOSA, C. C.; OLIVEIRA, C. M.; MAIA, L. T. S.; BONFIM, C. V. Análise das malformações congênitas a partir do relacionamento das bases de dados de nascidos vivos e óbitos infantis. Rev. Bras. Saude Mater. Infant., v. 19, n. 4, 2019.

SOUZA, J.; M. P. BUCHALLA, C. M.; LAURENTI, R. Estudo da morbidade e da mortalidade perinatal em maternidades. III - Anomalias congênitas em nascidos vivos. Revista Saúde Pública, v. 21, p. 5 - 12, 1987.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n4-308

Refbacks

  • There are currently no refbacks.