Existe relação entre dor lombar, diástase abdominal e capacidade funcional em gestantes? / Is there a relationship between lorbar pain, abdominal diasstase and functional capability in pregnant people?

Talessa Botero dos Santos, Letícia da Silva Rodrigues, Sandra Fiorelli de Almeida Penteado Simeao, Marta Helena Souza De Conti

Abstract


Objetivo: O objetivo desse estudofoi verificar a relação entre dor lombar, diástase abdominal (DRA) e capacidade funcional de primigestas saudáveis do município de Bauru/SP. Método: Foi realizado uma análise qualiquantitativa, de caráter observacional com 39 gestantes residentes no município de Bauru/SP, com faixa etária entre 18 a 40 anos, no período de agosto de 2017 a março de 2018. Todas as gestantes foram convidadas a participar da pesquisa e após o aceite, assinaram o termo de Consentimento livre e esclarecido. As gestantes responderam três questionários: Caracterização, Questionário de Incapacidade de “Oswestry”, Questionário de Rolland Morris e em seguida aferiu-se o peso, altura, circunferência abdominal e pélvica e diástase abdominal e relatos de dor lombar. A pesquisa foi aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade do Sagrado Coração (nº 1.411.083).Resultados:Notou-se DRA em 62,8% e relatos de dor lombar em 89,74% das primigestas, caracterizada como moderada por meio do Questionário de Rolland Morris. No Questionário de Oswestry 12,82% relataram incapacidade intensa; 30,76% moderada e 53,84 %, mínima.Observou-se associação entre a ocorrência e a duração de dor lombar com a incapacidade funcional em gestantes. Conclusão:Pode-se concluir quea maioria das gestantes apresentaram DRA e dor lombar. É possível afirmar que existe relação entre a ocorrência da dor lombar e a incapacidade referente às atividades de vida diária instrumental avaliada pelo questionário Rolland Moris.

 


Keywords


Gestantes. Dor. Reto do abdome.

References


AGUIAR, E. O. G.; PEREIRA, J. S.; SILVA, M. A. G. Freqüência de dor lombar em grávidas e relação com a idade gestacional. Fisioter. Bras; 8(1): 31-35, jan.-fev. 2007.

ALMEIDA, L.G.D.; CONSTÂNCIO, J. F.; SANTOS, C. V. S.; SILVA, T. G.; RAPOSO, M. T. Análise comparativa das Pe e Pi máximas entre mulheres grávidas e não-grávidas e entre grávidas de diferentes períodos gestacionais. Rev.Saúde; 1(1): 9-17, Jequé, BA, 2005.

ANDRADE, S.R.S.; NORA, F.C.S.A; AVELAR, I.S; SOARES, V.; AMARAL, W.N; VIEIRA, M.F. Avaliação da iniciação da marcha na gestante de baixo risco nos três trimestres gestacionais. RevBrasGinecol Obstet. 2012; 34(8):379-80.

ARAÚJO, D. M. R.; PACHECO, A. H. de R. N.; PIMENTA, A. M; KAC, G. Prevalência e fatores associados a sintomas de ansiedade em uma coorte de gestantes atendidas em um centro de saúde do município do Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, v. 8, n. 3, p. 333- 340, 2008.

BIFF, P. Avaliação da capacidade funcional e prevalência de sintomas osteomusculares em trabalhadores de uma Indústria de materiais elétricos de Caxias do Sul, RS. 2006. Dissertação (Mestrado) – Universidade do Vale do Rio dos Sinos, Caxias do Sul, RS, 2006.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego . Salário Mínimo 2015. Brasília. 2015. Disponível em: www.mte.gov.br/salario-minim. Acesso em: 02 fev. 2016.

CARVALHO, M.E.C.C.; LIMA, L.C.; TERCEIRO, C.A.L.; PINTO, D.R.L.; SILVA, M.N.; COZER, G.A.; COUCEIRO, T.C.M. Lombalgia na gestação. RevBrasAnestesiol. 2017;67(3):266---270

CHIARELLO, C M., MCAULEY, J. A. Concurrent Validity of Calipers and Ultrasound Imaging to Measure Interrecti Distance. Journaloforthopaedic&sportsphysicaltherapy. V43. n 7:495-503 (2013).

DE CONTI, M. H. S. Avaliação de um programa multiprofissional de preparo para a gestação e parto – repercussões maternas e perinatais. 2006. 85 f. Tese (Doutorado emGinecologia, Obstetrícia e Mastologia) – Faculdade de Medicina de Botucatu da Universidade Estadual Paulista, Departamento de Ginecologia, Obstetrícia e Mastologia, Botucatu, 2006.

DIONNE, C.E. et. al. A Consensus Approach Toward the Standardization of Back Pain Definitions for Use in Prevalence Studies.Spinev.33,n.1,2008.

FORTUNATO, J.G.S., FURTADO, M.S., HIRABAE, L.F.A., OLIVEIRA, J.A. Escalas de dor no paciente crítico: uma revisão integrativa. Revista HUPE. 2013;12(3):110-117. 31.

GIFT, A.G. Visual analogue scales: measurement of subjective phenomena. Nurs Res 1989; 38:286-8.

GOMES, M. R. A.; ARAÚJO R. C.; LIMA A. S.; PITANGUI, A. R. P. Lombalgia gestacional: prevalência e características clínicas em um grupo de gestantes.Revista Dor. ; Vol.14, n. 2, São Paulo, abr/jun 2013.

HOLMSTROM, E; MORITZ, U. Low back pain—correspondence between questionnaire, interview and clinical examination.ScandinavianJournalofRehabilitation Medicine, v. 23, p. 119–125, 1991.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA. IBGE. 2010. Censo Demográfico 2010:Sinopse . Disponível em: http://cidades.ibge.gov.br/. Acesso em: 01 jun 2015.

LANDGRAF, F.M. Diástase abdominal, capacidade funcional, estabilidade pélvica e dor lombar em gestantes. 2017. Dissertação (Mestrado) – Universidade do Sagrado Coração, Bauru, São Paulo. 2017.

LEITE, A. C. N. M. T; ARAÚJO, K. K. B. C. Diástase dos retos abdominais em puérperas e sua relação com variáveis obstétricas. Fisioter. Mov.Vol 25, no. 2, Curitiba, 2012.

MADEIRA, H.; GARCIA, J.B.; LIMA, M.V.; SERRA, H.O. Incapacidade e fatores associados à lombalgia durante a gravidez.Revista Brasileira de Ginecologia eObstetrícia, 35(12):541-8. Rio de Janeiro, 2013.

MANN, L.; KLEINPAUL, J.F.; MOTA, C.B.; SANTOS, S.G. Alterações biomecânicas durante o período gestacional: uma revisão. Motriz, Rio Claro, v.16, n.13, p.730-741, jun./set. 2010.

MANN, L.; KLEINPAUL, J. F.; TEIXEIRA, C. S.; MOTA, C. B. Influência dos sistemas sensoriais na manutenção do equilíbrio em gestantes. Fisiot. Mov., V.24, n.2, abr./jun. 2011.

MARTARELLO, N. A.; BENATTI, M. C. C. Qualidade de vida e sintomas osteomusculares em trabalhadores de higiene e limpeza hospitalar.Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v.43, n.2, jun. 2009.

MOTA, P.G.F. et al. Prevalence and risk factors of diastasis recti abdominis from late pregnancy to 6 months postpartum, and relationship with lumbo-pelvic pain. Manual Therapy. v. 20 (2015) 200 – 205.

NETO, F.T. Nutrição Clínica.Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2003.

NOVAES, F.S.; SHIMO,A. K. K.; LOPES, M. H. B. M. Lombalgia na gestação.Rev Latino-am Enfermagem; 14(4):620-4. 2006.

NOVAES, F.S.; SHIMO, A.K.K.; LOPES, M.H.B.M. Lombalgia na gestação. Rev Latino-am Enfermagem.2006;14:620---4.

NUSBAUM, L.; NATOUR, J.; FERRAZ, M.B.; GOLDENBERG, J. Translation, adaptation and validation of the Roland-Morris questionnaire-Brazil Roland-Morris. Braz J Med Biol Res. 2001;34(2):203-10.

OSTGAARD, H. C., ANDERSSON, G. B., KARLSSON, K. Prevalence of back pain in pregnancy. Spine. Philadelphia, v. 16, n. 5, p. 549-552, may. 1991.

OKANISHI N. et al. AKIYAMA M., YAMAMOTO M. Spinal curvature and characteristics of postural change in pregnant women. ActaObstetGynecol Scand. Bethesda, v. 91, n. 7, p. 856-861, july 2012.

PICCININI, C.A.; LOPES, R.S.; GOMES, A.G.; NARDI, T.D. Gestação e a

Constituição da maternidade. Psicol. Estud. V.13, n.1, Maringá, 2008.

PIMENTA, C. A. Fundamentos teóricos da dor e de sua avaliação. In: CARVALHO, M. M. (Org.) Dor: um estudo multidisciplinar. São Paulo: Summus; 1999.

PIO,D. A. M.; OLIVEIRA, M. M.; Educação em saúde para atenção à gestante: paralelo de experiências entre Brasil e Portugal. Saúde Soc, São Paulo, v.23, n.1, p.313-324, 2014.

RETT, M.T.; et al. Fatores materno-infantis associados à diástase dos músculos retos do abdome no puerpério imediato. Rev. Bras. Saúde Matern. Infant. V.14, p.73-80, jan-mar, 2014.

RODRIGUES, W. F. G. et al. Lombalgia na gravidez: Impacto nas atividades de vida diária. Rev. Pesq.: Cuid. Fundam. Rio de Janeiro, v. 4, n. 2, p. 2921-2926, abr,/jun. 2012.

SANTOS, D.S.; ANDRADEL, A.L.A.; LIMA, B.S.S.; SILVA, Y. N. Sala de Espera para Gestantes: uma Estratégia de Educação em Saúde. Rev. Bras. de Educação Medica, 36, p.62 – 67 ; 2012.

SANT’ANNA, P.F.; FREIRE,S.S.;ALVES,A.T,; SILVA, D.R.R. Caracterização da dor lombar em gestantes atendidas no Hospital Universitário de Brasília. Universitas: CiênciasdaSaúde.2006;4:37---48.

SANTOS, M.M.; GALLO, A.P. Lombalgia gestacional: prevalência e características de um programa pré-natal. ArqBrasCiên Saúde. 2010;35:174-9.

SILVA, J. C.; et al. Obesidade durante a gravidez: resultados adversos da gestação e do parto. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. Vol 36, no. 11, Rio de Janeiro, 2014.

SILVA, K. B.; CARVALHO, C. A. Prevalência da lombalgia e sua associação com atividades domésticas em gestantes do município de Itabuna, Bahia.Rev. Baiana Saúde Pública; 35(2)abr.-jun. 2011.

SILVA, R.C.; TUFANIN, A.T. Alterações respiratórias e biomecânicas durante o terceiro trimestre de gestação: uma revisão de literatura. Revista Eletrônica Saúde e Ciência. 2013; 2(3): 28-37.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE ENDOCRINOLOGIA E METABOLOGIA (SBEM), Disponível em: Acesso dia: 12/05/2015.

SPAGGIARI, C. W. O efeito da drenagem linfática manual em gestantes no final da gravidez. Campinas, SP: [s.n.], 2008.

VIGATTO, R.; ALEXANDRE, N.M.; CORREA FILHO, H.R.. Development of a Brazilian portuguese version of the Oswestry Disability Index: cross-cultural adaptation, reliability, and validity. Spine (PhilaPa 1976). 2007;32(4):481-6

YAZLLE, M. E. H. D. Gravidez na adolescência. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, Rio de Janeiro, v. 28, n. 8, ago. 2006. Disponível em: . Acesso em 16 mar. 2015.

WANG, S.M.; DEZINNO, P.; MARANETS, I; BERMAN, M.R.; CALDWELL-ANDREWS, A.A.; KAIN, Z.N. Low back pain during pregnancy: prevalence, risk factors, and outcomes. Obstet Gynecol. 2004;104: 65-70.

WILLIAMSON, A,, HOGGART, B. Pain: a review of three commonly used pain rating scales. Journalofclinicalnursing. Aug 2005;14(7):798-804.

ZAMPIERI, M.F.M.; GREGÓRIO, V.R.P.; CUSTÓDIO, Z.A.O.; REGIS, M.I.; BRASIL, C. Processo educativo com gestantes e casais grávidos: possibilidade e para transformação e reflexão da realidade. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, 19(4): 719-27. Out/dez 2010.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.