Priorização de pacientes no âmbito microalocativo: reflexões sobre a formação acadêmica e a ética / Prioritization of patients in the microalocative area: reflectionsonacademic training andethics

Shirlei Moreira da Costa Faria, Sara Moura Martins, Chirley Madureira Rodrigues, Fátima Ferreira Roquete, Karla Rona Silva

Abstract


Introdução: A microalocação de recursos é uma prática constante nas Unidades de Pronto Atendimento, assim os profissionais constantemente precisam, priorizar pacientes. Esta escolha envolve dilemas bioéticos, morais e a necessidade de um preparo acadêmico. Objetivo: Analisar as narrativas de profissionais de saúde atuantes em uma Unidade de Pronto Atendimento quanto à formação acadêmica e bioética para a tomada de decisão em situações de recursos escassos. Metodologia: Estudo qualitativo realizado por meio da entrevista narrativa em uma Unidade de Pronto Atendimento em Belo Horizonte MG. Participaram 25 profissionais de saúde. O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética e Pesquisa da Universidade Federal de Minas Gerais sob o parecer número 54212116.0.0000.5149 e pelo Núcleo de Ensino, Pesquisa e Extensão do Hospital Risoleta Tolentino Neves. Resultado e discussão: Na análise das práticas discursivas dos profissionais foi possível perceber ansiedade para a tomada de decisão, conflitos morais em relação à microalocação dos recursos e indefinição do que é bioética. O conhecimento adquirido na graduação não contemplou alternativas assistenciais em meio à escassez de recursos refletindo diretamente na maneira como ocorre a priorização de pacientes em âmbito microalocativo na urgência. Utilizam o Protocolo de Manchester para respaldar a priorização do paciente na classificação de risco, porém se sentem despreparados para a realidade quando necessitam microalocar recursos para pacientes em urgências com a mesma classificação. Conclusão: As narrativas mostram fragilidade na formação acadêmica e bioética, para a priorização de pacientes no âmbito microalocativo, sendo este processo aprendido na prática assistencial.

 


Keywords


Tomada de decisões. Bioética. Alocação de recursos para atenção em saúde. Gestão de recursos. Serviço hospitalar de emergência.

References


BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. 35. ed. São Paulo: Saraiva, 2005.

BRASIL. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Lei Orgânica da Saúde. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Brasília, set. 1990. Disponível em: . Acesso em: 08 jul 2017.

BRASIL. Lei n° 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, dez.1996. Disponível em: . Acesso em: 07 set 2017.

BRASIL. Resolução CNE/CES Nº 3, de 7 de novembro de 2001. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Enfermagem. Brasília, nov. 2001. Disponível em: <://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES03.pdf>. Acesso em: 10 ago 2017.

BRASIL, Ministério da Saúde. Portaria n. 2048/GM 05 de novembro de 2002: Aprova o regulamento técnico dos sistemas estaduais de urgência e emergência. Brasília, 2002.

BRASIL. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Humanização da Atenção e Gestão do SUS. Acolhimento e classificação de risco nos serviços de urgência. Brasília: Ministério da Saúde, 2009.

Conselho Nacional de Secretários de Saúde. O Financiamento da Saúde. Coleção para entender o SUS. Brasília, 2011. Disponível em:. Acesso em: 08 set. 2017.

DAMIANCE, Patrícia Ribeiro Mattar; et al. Formação acadêmica para o SUS X competência pedagógica do formador: algumas considerações para o debate. Revista SALUSVITA Ciências Biológicas e da Saúde, Bauru. v. 35, n. 3, p. 453-474, 2016.

FACHINI, Janaína Sortíca; SCRIGNI, Adriana Vilma; LIMA, Rita de Cássia Gabrielli Souza. Sofrimento moral de trabalhadores de uma CTI pediátrica. Revista Bioética, Brasília. v. 25, n. 1, p. 111- 122, 2017.

FERRRARI, Aline Garcia; SILVA, Carolina Marquida; SIQUEIRA, José Eduardo. Ensino de bioética nas escolas de medicina da América Latina. Revista Bioética, Brasília. n. 26, n. 2, ISSN 1983-8034, abri./jun. 2018.

FREIRE, Paulo. Extensão ou comunicação. 7.ed. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra. 1983. 93p.

FREITAS, E.E.C; SCHRAMM, F. R. A moralidade da alocação de recursos no cuidado de idosos no centro de tratamento intensivo. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, São Paulo, v. 21, n. 4,p. 432-436, out/dez. 2009

FORTES, Paulo Roberto de Carvalho. Bioeticistas e a priorização de recursos de saúde no sistema público de saúde brasileiro.Revista Bioética, Brasília. v. 18, n. 2, p. 413- 420, 2010.

FORTES, Paulo Antonio de Carvalho, PEREIRA, Cristina Andrade. Priorização de pacientes em emergências médicas: uma análise ética. Revista da Associação Médica Brasileira, São Paulo. v. 58, n. 3, p. 335-340, mai./jun. 2012.

Gil, Antonio Carlos. Como elaborar projetas de pesquisa . 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002 . 57 p

LACERDA, Andrea Stella Barbosa. Acolhimento com classificação de risco em emergência: relação de justiça com o usuário. Rio de Janeiro, RJ. UFRJ. Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Rio de Janeiro. 2017.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 21 ed. Petrópolis:Vozes, 2002. p.41

GOLDIM, José Roberto. Bioética complexa: uma abordagem abrangente para o processo de tomada de decisão. Revista da Associação Médica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. v. 53, n. 1, p. 58-63, jan./mar. 2009.

IBGE. Mudança demográfica no Brasil no início do século XXI: subsídios para as projeções da população. Rio de Janeiro: IBGE, 2015. Disponível em:< https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv93322.pdf >. Acesso em 30 mai 2017.

RANDOWN, Roberta Mendes Von; et al.. Práticas gerenciais em unidades de pronto atendimento no contexto das redes de atenção à saúde. Revista de Administração em Saúde, São Paulo. v. 16, n. 64, jul./set. 2014.

REZENDE, Raphaela Morais Rezende; et al. Protocolo de Manchester em pronto atendimento de hospital escola. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste. v. 17, n. 6, p. 843-849, nov/dez. 2016.

O’DWYER,Gisele Oliveira; OLIVEIRA, Sergio Pacheco de; SETA, MarismaryHorsth de. Avaliação dos serviços hospitalares de emergência do programa QualiSUS. Revista Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro. v. 14, n.5, p. 1881-1890, nov./dez. 2009

OLIVEIRA, Roberta Meneses; et al. Nurses’ decision-markingregardingincidentsrelatedtopatientsafety. Revista Cogitare Enfermagem, Curitiba. n. 21, n. 3. p. 01-10, jul./sep. 2010.

VASCONCELOS, Marília de Moraes. A necessidade de priorizar o atendimento à pacientes: análise Bioética dos argumentos utilizados por médicos na aplicação de recursos limitados na área da saúde. Tese . Doutorado.

VIEIRA, Fabiola Sulpino. Reflexões sobre o papel das unidades de economia da saúde no âmbito de sistemas nacionais de saúde. Revista Saúde e Sociedade, São Paulo. v. 25, n. 2, p. 306-319, 2016.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.