Análise epidemiológica do mesotelioma pleural maligno no estado de São Paulo, de 2000 a 2015 / Epidemiological analysis of malignant pleural mesothelioma in the state of São Paulo, from 2000 to 2015

Maycow Douglas Arantes, Natália Raposo Cruz, Gustavo Fernandes de Sousa, Ana Carolina Vidoski Varoto, Pedro Valli de Almeida

Abstract


Introdução: O Mesotelioma Maligno (MM) ou Mesotelioma é um tumor agressivo originário nas membranas serosas, que alinham as cavidades torácica e abdominal, sendo a grande maioria (81%) ocasionados na pleura (Mesotelioma Pleural Maligno-MPM). A ocorrência de MM é tipicamente relacionada à exposição a fibras minerais, como amianto. O amianto tem alto potencial carcinogênico e sua relação com patologias do aparelho respiratório vem sendo descrita por estudos desde a década de 70.O MPM possui sintomas inespecíficos em sua apresentação clínica e também início insidioso, explicando a dificuldade no diagnóstico preciso dessa patologia, sendo este através da imunohisto química por diversos meios. Além disso, nenhum tratamento provou ser curativo, apenas paliativo. METODOLOGIA: Trata-se de uma revisão sistemática da literatura e levantamento de dados epidemiológicos do DATASUS. OBJETIVOS: Descrever o MPM utilizando trabalhos atuais, mostrar a inexistência de dados sobre a incidência e prevalência da doença e comparar dados epidemiológicos, de 2000 a 2015, sobre a mortalidade de pacientes com Mesotelioma no Brasil e no estado de São Paulo. RESULTADOS: O Brasil é o terceiro maior exportador mundial de amianto e apresentou um total de 1247 casos de Mesotelioma, sendo 544 casos (43,62%) somente no estado de São Paulo nos anos avaliados. O Supremo Tribunal Federal manteve em 2017 a lei federal que permite aprodução eu so do amianto no Brasil, entretanto considerou legal a Lei nº12.684/07 do estado de São Paulo que o proíbe. CONCLUSÃO: Concluiu-se então a existência de sub notificação dos casos de MPM decorrentes da exposição ocupacional além de registros específicos no que tange essa neoplasia.

 


Keywords


Mesotelioma Pleural Maligno, Câncer Ocupacional, Amianto, Incidência, Brasil .

References


TERRA, Ricardo Mingarini et al .Mesotelioma pleural maligno: experiência multidisciplinar em hospital público terciário. J. bras. pneumol., São Paulov.34, n. 1, p. 13-20, jan. 2008 . Disponívelem.

Corson JM. Pathology of mesothelioma. ToracSurgClin. 2004;(14):447-60

Roggli VL, Gibbs AR, Attanoos R, et al. Pathology of asbestosis. An update of the diagnostic criteria. Arch Pathol Lab Med. 2010;(134):462-80

HADDAD, Carolina Kawamura. Update: [s.l.]: Centro Oncológico Antônio Ermírio de Moraes, 2004. 70 slides, color. Disponível em:

. Acesso em: 29 ago. 2017.

Diretrizes para a vigilância do câncer relacionado ao trabalho / Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva, Coordenação Geral de Ações Estratégicas, Coordenação de Prevenção e Vigilância, Área de Vigilância do Câncer relacionado ao Trabalho e ao Ambiente ; organizadora Fátima Sueli Neto Ribeiro. – Rio de Janeiro : Inca, 2012.

Ceresoli GL, Betta GP, Castagneto B, Facciolo F, Arcangeli G, Zucali PA, et al. Malignant pleural mesothelioma. Ann Oncol. 2006;17 Suppl 2:ii13-6.

Datasus, Brasil (2017). [online]. http://www.datasus.gov.br [capturado em 27 setembro 2017].

SÃO PAULO. Marcos Martins. Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo. LEI N° 12.684, DE 26/07/2007: Proíbe o uso, no Estado de São Paulo de produtos, materiais ou artefatos que contenham quaisquer tipos de amianto ou asbesto ou outros minerais que, acidentalmente, tenham fibras de amianto na sua composição. 2007. Disponível em:

. Acesso em: 25 set. 2017.

KOLLER, Francisco José et al. MONITORAMENTO DO MESOTELIOMA NO SUL DO BRASIL: UMA REALIDADE AINDA A SER ESTUDADA. Cogitare Enfermagem, [s.l.], v. 22, n. 1, p.01-06, 27 jan. 2017. Universidade Federal do Paraná. http://dx.doi.org/10.5380/ce.v22i1.

NEUMANN, Volker. Malignant pleural mesothelioma incidence, etiology, diagnosis, treatment and occupational health. Deutsches Aerzteblatt Online, [s.l.], p.319-326, 3 maio 2013. Deutscher Aerzte-Verlag. http://dx.doi.org/10.3238/arztebl.

OPTIZ, Isabelle. Management of malignant pleural mesothelioma—The European experience. Journal Of Thoracic Disease. Zurich, Switzerland, p. 238-252. 06 maio 2014.

Echegoyen Carmona Rufino, Rivera Rosales Rosa María. Asbestosis y mesotelioma pleural maligno. Rev. Fac. Med. (Méx.) [revista en la Internet]. 2013 Abr [citado 2017 Sep 30] ; 56( 2 ): 5-17. Disponible en:

http://www.scielo.org.mx/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0026-17422013000600002&lng=es

NABAVI, Noushin. Switching off malignant mesothelioma: exploiting the hypoxic microenvironment. Genes & Cancer, [s.l.], p.340-354, 1 jan.

Impact Journals, LLC. http://dx.doi.org/10.18632/genesandcancer.124.

Armas Moredo Karina, García Rodríguez Miguel Emilio, Acosta Prieto Sahily, Armas PérezBárbaroAgustín. Mesotelioma pleural maligno en ocho pacientes y revisión del tema. Rev Cubana Cir [Internet]. 2016 Dic [citado 2017 Sep 30] ; 55( 4 ): 340-347. Disponible en: http://scielo.sld.cu/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-

&lng=es.

TERRA FILHO, Mário; FREITAS, Jefferson Benedito Pires de; NERY, Luiz Eduardo. Doenças asbesto-relacionadas. J. bras. pneumol., São Paulo

, v. 32, supl. 2, p. S48-S53, May 2006

. Availablefrom.

Chapman A, Mulrennan S, Ladd B, et al

.Populationbasedepidemiologyandprognosisofmesothelioma in Leeds, UK. Thorax 2008;63:435-439.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.