Estudo da comparação de custos efetividade e tempo de tratamento de lesão por pressão em dois pacientes com o mesmo perfil clinico-patologico utilizando-se insumos e tecnicas diferentes em cada um deles / Study of cost comparison effectiveness and pressure injury treatment time in two patients with the same clinical-pathological profile using different inputs and techniques in each of them

Arimatéia Portela de Azevedo, Cleudo Muniz do Nascimento, Maria Solenilda de Oliveira Correa, Lucely Damasceno de Jesus, Ana Carolina de Oliveira Souza, Antônia Evanilda Alves do Nascimento, Isiana Santos Tavares, Daniel Araújo Freire

Abstract


Introdução: As lesões de pele representam um grande desafio para os profissionais de saúde que prestam cuidados a pacientes críticos à medida que, na prática clínica, tem se tornado freqüente a ocorrência de lesão por pressão (LPP), com aumento de custos no tratamento, internação hospitalar prolongada, além de desconforto e impacto negativo sobre a qualidade do serviço prestado e a qualidade de vida dos pacientes, Objetivo: Registrar a comparação de custos e efetividade e o tempo de tratamento de lesão por pressão em duas pacientes com o mesmo perfil clinico-patológico utilizando-se insumos e técnicas diferentes em cada uma delas. Metodologia: Tratou-se de um estudo prospectivo, de coorte com um controle comparativo de custo e efetividade de tratamento de lesão por pressão.  Resultados: após 30 dias de tratamento das lesões, as duas pacientes (A e B) que tinham o mesmo perfil clinico e patológico, fecharam as lesões em períodos praticamente idênticos. Na comparação de valores, o custo com o tratamento da lesão do paciente B foi 36,6% menor que o custo do paciente A. Conclusão: é possível tratar lesões em pacientes internados com poucos insumos e recursos no mesmo tempo necessário para fechar uma lesão utilizando-se de uma rica variedade de recursos e insumos.

 


Keywords


lesão por pressão, cuidados de enfermagem, infectologia, pessoas acamadas, segurança do paciente.

References


ANVISA. Nota técnica. GVIMS/GGTES Nº 03/2017. Práticas seguras para prevenção de lesão por pressão em serviços de saúde. Brasília (DF): 2017.

BARRETO VPM. Efetividade de superfícies de suporte na prevenção de lesões por pressão: um estudo experimental. Rio de Janeiro, 2016.

BENEVIDES JL et al. Estratégias de enfermagem na prevenção de úlceras por pressão na terapia intensiva: revisão integrativa. Rev enferm UFPE on line. Recife, 11(5):1943-52, Maio 2017.

BORGHARDT AT et al. Úlcera por pressão em pacientes críticos: incidência e fatores associados. Rev Bras Enferm [Internet]. 2016 mai-jun;69(3):460-7.

BRASIL. Ministério da Saúde. Anexo 2 - Protocolo para prevenção de úlcera por pressão. Brasília: MS; 2013.

BRASIL. Ministério da saúde. Úlcera pode ser evitada com medidas simples, previstas no protocolo do Programa Nacional de Segurança do Paciente. [publicado: 2015].

CAMPANILI T CGF et al. Incidência de úlceras por pressão em pacientes de Unidade de Terapia Intensiva Cardiopneumológica. Rev Esc Enferm USP · 2015; 49(Esp):7-14.

COSTA AM et al. Custos do tratamento de úlceras por pressão em unidade de cuidados prolongados em uma instituição hospitalar de Minas Gerais. Rev. Enfermagem Revista. V. 18. N° 01. Jan/Abr. 2015.

COSTA NP et al. Storytelling: a care technology in continuing education for active ageing. Rev Bras Enferm. 2016; 69(6):1132-9.

ENCARNAÇÃO PPS. Prevenção e promoção a saúde das pessoas acometidas pelas ulceras por pressão: uma revisão integrativa. UFRB. Bahia, 2016.

FAVRETO FJL et al. O papel do enfermeiro na prevenção, avaliação e tratamento das lesões por pressão. RGS 2017;17(2):37-47.

FRANÇA JRG, SOUSA BVN, JESUS VS. Cuidados de Enfermagem na Prevenção de Lesões por Pressão em Unidades de Terapia Intensiva: uma Revisão Sistemática. Revista Brasileira de Saúde Funcional, CACHOEIRA- BA, V. 1, N. 11, P. 16 -31, Jun. 2016.

FERREIRA MKM et al. Instrumentos para cuidado de lesão por pressão na pediatria e hebiatria: revisão integrativa da literatura. Rev. Latino-Am. Enfermagem 2018;26:e3034.

GOTHARDO ACLO et al. Incidência de ulcera por pressão em pacientes internados em unidade de terapia intensiva adulta. J Health Sci 2017;35(4):252-6.

INOUE KC, MATSUDA LM. Cost of dressings for prevention of sacral pressure ulcers. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 69, n 4, p 598-602, 2016.

LAMÃO LCL, QUINTÃO VA, NUNES CR. Cuidados de enfermagem na prevenção de lesão por pressão. Revista Científica Interdisciplinar. ISSN: 2526-4036Nº 1, vol. 1, artigo nº 09, 2016.

LIMA AFC et al. Custo direto dos curativos de úlceras por pressão em pacientes hospitalizados. Revista Brasileira de Enfermagem. v. 69, n. 2, p. 290-297. 2016.

LIMA PR et al. Ocorrência de lesão por pressão em pacientes hospitalizados: uma revisão integrativa. Rev. UNINGÁ Review, Maringá, v. 32, n. 1, p. 53-67, out/dez. 2017. Acesso em Fevereiro de 2019.

LUZ SR et al. Ulceras de pressão. Tratado de geriatria e gerontologia. 2010;4(1):36-43. Acesso em Setembro de 2019.

MATOZINHOS FP et al. Factors associated with the incidence of pressure ulcer during hospital stay. Rev. Esc. Enferm. USP. [Internet]. 2017 51(3223):1-7.

MAZZO A et al. Ensino de prevenção e tratamento de lesão por pressão utilizando simulação. Esc Anna Nery 2018;22(1):e20170182. Acesso em Fevereiro de 2019.

MOURÃO JJN, DIAS MSA, GIOYANNA NF. Health promotion and the production instruments for the adolescent: integrative review. J Nurs UFPE on line. 2015; Suppl 7:9104-10.

NASCIMENTO DC et al. Registro de lesão por pressão o que é abordado?. Revista HUPE. v 15, n 4, p. 344. Rio de Janeiro, 2016;15(4):343-348.

NATIONAL PRESSURE ULCER ADVISORY PANEL, European Pressure Ulcer Advisory Panel and Pan Pacific Pressure Injury Alliance. Prevention and treatment of pressure ulcers: quick reference guide. Emily Haesler (Ed.). Cambridge Media: Osborne Park, Western Australia; 2014.

SANTOS CT, ALMEIDA MA, OLIVEIRA MC et al. Development of the nursing diagnosis risk for pressure ulcer. Rev Gaúcha Enferm. 2015; 36(2):113-21

SANTOS LM. Significados e experiências de cuidadores/familiares de pacientes oncológicos sobre lesão por pressão: estratégias para o cuidado em domicílio. Universidade Federal Fluminense, Niterói-RJ. 2016.

SANTOS SV, COSTA R. Prevenção de lesões de pele em recém nascidos: o conhecimento da equipe de enfermagem. Texto Contexto Enfermagem, Florianópolis, 2015 Jul-Set; v. 24, n. 3, p. 731-739

SILVA BB, LIMA FA, GARCIA RCF et al. Protocolo de prevenção de lpp. Hospital regional de Mato Grosso do Sul. Campo Grande-MS, 2017.

SILVA L, SCHUTZ V, MACHADO D. Partial assessment of the cost of dressings performed at an intensive care unit. Rev Enferm UFPE On Line [Internet]. 2015 [cited 2016 Feb 18];9(3):7031-8.

SILVA LP, GONÇALVES AM. Lesão por pressão: prevalência em pacientes internados. Tccendo saberes série saúde. Unipê. 2017.

SOARES CF, HEIDEMANN ITSB. Promoção da saúde e prevenção da lesão por pressão: expectativas do enfermeiro da atenção primária. Florianópolis-SC. 2018.

SOUSA RG, OLIVEIRA TL, LIMA LR, STIVAL MM. Fatores associados à úlcera por pressão(UPP) em pacientes críticos: revisão integrativa da literatura. Universitas: Ciências da Saúde, Brasília, v. 14, n. 1, p. 77-84, jan./jun. 2016.

TELESSAUDE RS. Telecondutas: Lesão por pressão. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2017.

VASCONCELOS JMB, CALIRI MHL. Ações de enfermagem antes e após um protocolo de prevenção de lesões por pressão em terapia intensiva. Esc Anna Nery 2017;21(1):e20170001.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n4-282

Refbacks

  • There are currently no refbacks.