Condição bucal de pacientes internados em unidade de terapia intensiva pediátrica / Oral condition from patients admitteds on pediatric intensive care unit

Aréli Morais de Araújo Alencar, Eliane de Oliveira Aranha Ribeiro, Gimol Benchimol de Resende Prestes, Keuly Sousa Soares, Luciana Gonçalves Siqueira, Sara Maria Araújo do Nascimento

Abstract


OBJETIVOS: Analisar a condição bucal de pacientes internados em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) pediátrica em Manaus-Am, gerando dados acerca da importância do cirurgião-dentista atuando na equipe multidisciplinar em âmbito hospitalar. MÉTODOS: Estudo observacional transversal descritivo baseado na condição odontológica de pacientes pediátricos internados em UTI durante um ano. Dados incluíram procedência, idade, gênero, causa da internação, condição bucal, tempo de entubação e internação, biofilme, alterações pulmonares e alterações morfológicas permanentes. A condição bucal baseou-se em: boa, regular e ruim1 e no biofilme.2 RESULTADOS: Analisou-se 30 pacientes: 12 (40%) procedentes da capital e 18 (60%) do interior, entre 1 a 12 anos de idade, sendo 16 (53,3%) do sexo feminino e 14 (46,6%) do sexo masculino. Internados por: 12 (40%) sepse, 8 (26,75) pneumonia, 7 (23,3%) razões oncológicas e 3 (10%) insuficiência cardíaca. Quanto a condição bucal: 18 (60%) regular, 8 (26,6%) boa e 4 (13,3%) ruim. Na condição regular 15 (50%) estavam entubados e internados há menos dias que os não entubados. Na condição boa: sem entubados e 4 (13,3%) internados há menos de 4 dias. Na condição ruim, 2 (6,6%) estavam entubados há 02 semanas. Quanto ao biofilme verificou-se presença em 18 (60%) pacientes. Quanto as alterações pulmonares 19 (63,3%) apresentavam pneumonia. Ressalta-se que 2 (6,6%) residem no hospital e apresentam alterações morfológicas permanentes. CONCLUSÃO: A condição bucal regular predominou, assim como a presença de biofilme, potencializando o risco de infecção. Alterações estruturais permanentes como palato ogival e ausência de selamento labial podem ter sido causadas pela entubação.


Keywords


Condição bucal, odontologia hospitalar, UTI, dentista, pneumonia

References


Baeder FM, Cabral GMP, Prokopowistsch I, Araki AT, Duarte DA, Santos MTBR. Condição odontológica de pacientes internados em Unidade de Terapia Intensiva. Pesq Bras Odontoped Clin Integr. 2012;12(4):517-20.

Saldanha KF, Costa DC, Pinto SF, Jardim ECG. Avaliação do índice de higiene oral do paciente crítico. Arch Health Invest. 2015;4(6): 47-53.

Lima MCPS, Lobo INR, Leite KVM, Muniz GRL, Steinhauer HC, Maia PRM. Condição de saúde bucal de crianças internadas no Hospital Municipal Infantil de Imperatriz – Maranhão. Rev. bras. Odontol. 2016; 73 (1): 24-9.

Amaral KC, Tenório MDH, Dantas AB. Condição de saúde bucal de crianças internas em hospitais da cidade de Maceió-AL. Odontologia. Clín. – Científ. 2006;5:267-73.

Lima DC, Nemre AS, Garbin AJI, Fernandes LA, Garbin CAS. A importância da saúde bucal na ótica de pacientes hospitalizados. ciência&saúde coletiva. 2011; 16(1): 1173-1180.

Amaral SM, Cortês AQ, Pires FR. Pneumonia nosocomial: importância do microambiente oral. J. bras. pneumol. 2009 35(11):1116-1124.

Chastre J, Fagon JY. Ventilator- associated pneumonia. Am J Respir Crit Care Med. 2002; 165(7):867-903.

Santos MA, Padula MPC, Waters C. Fatores de risco e incidência de Pneumonia Hospitalar em Unidade de Internação. Braz. J. Hea. Rev. 2019;2(5): 4866-4875.

Nogueira EB, Cortinês AAO, Daher A, Costa LR. Higiene Oral e pneumonia em crianças em Unidade de Terapia Intensiva: Revisão Sistemática. Rev assoc paul cir dent. 2015;69(1):14-9.

Pinheiro TS, Almeida TF. A saúde bucal em pacientes de UTI. Revista Bahiana de Odontologia. 2014;5(2):94-103.

Melo NB, Fernandes JÁ, Barbosa JS, Bernardino IM, Oliveira TS, Bento PM, Carneiro FG. Saúde bucal de crianças e adolescentes hospitalizados: desafios e perspectivas. Arch Health Invest. 2017;6(6):264-268.

Greene JC, Vermillion JR. The simplified oral hygiene index. J Am Dent Assoc. 1964;68(1):25- 31.

Patarroyo M, Gonçalves PF, Flecha OD. A doença periodontal como fator de risco para a pneumonia por aspiração-revisão de literatura. Periodontia. 2008; 18(2): 24- 30.

Pereira JA, Ruas JPP, Flausino VO, Barbosa AFNB, Ferreira TVS, Correia TC, Zuculin JM, Brito GD, Figueiredo LL, Brito ACG, Lima BAL, Araujo MTM, Abreu ACC. Perfil epidemiológico da demanda em unidades de emergência hospitalar: uma revisão de literatura. Rev Eletr Acer Saúde /EJCH. 2019; 32(32).

Miranda NA, Rezende BD, Oliveira JSF, Franco MBS, Kawata LS. Caracterização de crianças atendidas no pronto-socorro de um hospital universitário. Rev Eletr Gestão & Saúde. 2013; 4(1): 1350-1364.

Einloft PR, Garcia PC, Piva JP, Bruno F, Kipper DJ, Fiori RM. Perfil epidemiológico de dezesseis anos de uma unidade de terapia intensiva pediátrica. Rev Saúde Pública 2002;36(6):728-33.

Lages VA, Neto JMM, Mello PMVC, Mendes RF, Prado RSJ. O efeito do tempo de internação hospitalar sobre a saúde bucal. Rev. Bras. Pesq. Saúde. 2014;16(2): 30- 38.

Carrilho Neto A, Ramos S, Sant’Ana ACP, Passanezi E. Oral health status among hospitalized patients. Int J Dent Hyg. 2011; 9(1):21-9.

Terezakis E, Needleman I, Kumar N, Moles D, Agudo E. The impact of hospitalization on oral health: a systematic review. J Clin Periodontol. 2011; 38(7):628-36.

Weidlich P, Cimões R, Pannuti CM, Oppermann RV. Association between periodontal diseases and systemic diseases. Braz Oral Res. 2008; 22(1):32-43.

Rodrigues VP, Lopes FF, Abreu TQ, Neves MIR, Cardoso NC. Avaliação dos hábitos de higiene bucal de crianças durante o período de internação hospitalar. Odontol. Clín.-Cient., Recife. 2011;10 (1): 49-55.

Tomita NE, Bijella VT, Lopes ES, Franco LJ. Prevalência de cárie dentária em crianzas da faixa etária de 0 a 6 anos matriculadas em creches: importância de fatores socioeconômicos. Rev Saúde Pública 1996;30(5):413-420.

Kahn S, Garcia CH, Galan Júnior J, Namen FM, Machado WAS, Silva Júnior JA, et al. Avaliação da existência de controle de infecção oral nos pacientes internados em hospitais do estado do Rio de Janeiro. Ciênc Saúde Colet. 2008;13(6):1825-31.

Trindade AKF, Biase RCCG, Filho GG, Pereira BC, Sousa ELMD, Queiroga AS. Manifestações orais em pacientes pediátricos leucêmicos. Arq em Odontologia. 2009;45(1)22-30.

Hespanhol FL, Tinoco EMB, Teixeira HGC, Falabella MEV, Assis NMSP. Manifestações bucais em pacientes submetidos à quimioterapia. Ciência & Saúde Coletiva. 2010;15(1):1085-1094.

McCarthy GM, Awde JD, Ghandi H, Vincent M, Kocha WI. Risk factors associated with mucositis en cancer patients receiving 5-fluoracil. Oral Oncol 1998; 34(6):484-490.

Martins D, Martins MA, Seneda LM. Suporte odontológico ao paciente oncológico: prevenção, diagnóstico, tratamento e reabilitação das sequelas bucais. Prat Hosp 2005; 7(41):166-169.

Mongordan N, Max A, Bouglé A. Epidemiology and outcome of severe pneumococcal pneumonia admitted to intensive care unit: a multicenter study. Crit. Care. 2012; 16: 3-9.

Franceschini C, Jung JE, Amante CJ. Mucosite oral pós-quimioterapia em pacientes submetidos à supressão de medula óssea. Rev Bras Patol Oral 2003; 2(1):40-43.

Diniz MB, Coldebella CM, Zuanon ACC, Cordeiro RCL. Alterações orais em crianças prematuras e de baixo peso ao nascer: a importância da relação entre pediatras e odontopediatras. Rev Paul Pediatr. 2011;29(3):449-55.

Pires FR, Amaral SM, Miranda A. As reações medicamentosas na cavidade oral: aspectos relevantes na estomatologia. Rev Bras Odontologia. 2009; 66 (1): 41-53.

Oliveira LCBS, Carneiro PPM, Fischer RC, Tinoco EMB. A Presença de Patógenos Respiratórios no Biofilme Bucal de Pacientes com Pneumonia Nosocomial. Rev Bras Ter Intensiva. 2007; 19(4): 428-433.

Siddiqui S. Patients readmitted to the intensive care unit: can they be prevented?. Int. Arch. Med. 2013;6(1): 18.

Morais TMN, Silva A, Avi ALRO, Souza PHR, Knobel E, Camargo LFAA. importância da atuação odontológica em pacientes internados em unidade de terapia intensiva. Rev Bras Ter Intensiva. 2006;18(4): 412-417.

Safar P, Caroline N. Insuficiência respiratória aguda. In: SCHWARTZ, G.R. Emergências médicas. Rio de Janeiro: Interamericana, 1982. p. 50-97.

Oliveira LCBS, Carneiro PPM, Fisher RG, Tinoco EMB. A presença de patógenos respiratórios no biofilme bucal de pacientes com pneumonia nosocomial. Rev Bras Ter Intensiva. 2007;19: 428-33.

Martino MDV. Infecções do trato respiratório inferior. In: LEVY, C.E. et al. Manual de microbiologia clínica aplicada ao controle de infecção hospitalar. São Paulo: APECIH, 1998. p. 3-10.

Schlesener VRF, Rosa UD, Raupp SMM. O cuidado com a saúde bucal de pacientes em uti. Cinergis. 2012;13(1):73-77.

Angelos GM, Smith DR, Jorgenson R, Sweeney EA. Oral complications associated with neonatal oral tracheal intubation: a critical review. Pediatr Dent. 1989;11:133- 40.

Macey-Dare LV, Moles DR, Evans RD, Nixon F. Long-term effect of neonatal endotracheal intubation on palatal form and symmetry in 8-11-year-old children. Eur J Orthod 1999;21:703-10.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n4-238

Refbacks

  • There are currently no refbacks.