Assistência de enfermagem a paciente com surdez em um setor de ginecologia: Relato de experiência / Nursing assistance to the patient with deafness in a gynecology sector: Experience report

José Jamildo de Arruda Filho, Andryelle Rayane Coelho de Oliveira, Jeniffer Martins de Freitas, Jacqueline Santos Valença, Sayonara Meirelles Gouveia de Oliveira, Raniele Oliveira Paulino, Rita de Cássia de Amorim Coêlho, Rafaela Alcântara Barros de Oliveira

Abstract


A Língua Brasileira de Sinais (Libras) é constituída em uma modalidade viso-espacial e é com base nessa modalidade que os sujeitos surdos constroem seu conhecimento e estabelecem seu principal meio de comunicação. Dessa forma, é preciso considerar suas especificidades ao pensarmos na construção de uma rede de cuidados mais humanizado e inclusivo. O presente trabalho relata a experiência a partir de um atendimento a uma paciente surda na área de ginecologia em um Hospital Universitário. Com isso, pode-se refletir acerca da inclusão dos sujeitos surdos no contexto do atendimento clínico. O relato foi produzido a partir das perspectivas de estudantes do sétimo período do curso de Enfermagem. Com base nas discussões levantadas ao longo do trabalho, entende-se a necessidade de se repensar uma formação acadêmica que contemple as questões que envolvem a surdez e as singularidades dos indivíduos surdos. Além disso, criar espaços de debates acerca da temática pode contribuir para a reflexão no que concerne a constituição de um atendimento clínico mais inclusivo, que pense no paciente para além da patologia, o entendendo enquanto sujeito social.


Keywords


Capacitação profissional, Cuidados de enfermagem, Equidade no acesso aos serviços de saúde, Línguas de sinais, Surdez.

References


ARAÚJO, C. C. J. et al. Consulta de Enfermagem às pessoas surdas: uma análise contextual. ABCS Health Sci, v. 40, n.1, p. 38-44, 2015.

BRASIL. Decreto n° 10. 436, de 24 de abr. de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências. Brasília, DF, abr. 2002.

BRASIL. Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei nº 10.436 de 24 de abril de 2002 que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS), e o art 18 da lei nº 10.098 de 19 de dezembro de 2000. Brasília-DF: Casa Civil, 2005.

BRASIL. Lei Nº 8.080 de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Brasília, DF, set. 1990.

CHAVEIRO, N.; BARBOSA, M. A.; PORTO, C. C. Revisão de literatura sobre o atendimento ao paciente surdo pelos profissionais da saúde. Rev. da Escola de Enfermagem da USP, v. 42, n. 3, p. 578-583, 2008.

CHAVEIRO, N; BARBOSA, M.A. A surdez, o surdo e seu discurso. Rev. Eletr Enferm, Goiânia - GO, v. 6, n. 2, p. 166-171, 2004.

COSTA, L.S.M. et al. O atendimento em saúde através do olhar da pessoa surda: avaliação e propostas. Revista Brasileira de Clínica Médica, Botucatu, v. 7, p. 166.170, 2010.

GALVÃO, M. T. R. L. S.; JANEIRO, J. M. S. V. Self-care in Nursing: Self-management, Self-monitoring, and the management of symptoms as related concepts. Rev. Min. Enferm, v. 17. n. 1, 2013.

GOMES, L. F. et al. Conhecimento de Libras pelos Médicos do Distrito Federal e Atendimento ao Paciente Surdo. Revista Brasileira de Educação Médica, [S.L.], v. 41, n. 4, p. 551-556, dez. 2017. FapUNIFESP

IBGE. Censo Demográfico, 2010. Disponível em: www.ibge.gov.br. Acesso em 28 de julho de 2020.

NOZU, K. et al. A review of clinical characteristics and genetic backgrounds in Alport syndrome. Clinical And Experimental Nephrology, [S.L.], v. 23, n. 2, p. 158-168, 2018.

NEVES, D. B.; FELIPE, I. M. A.; NUNES, S. P. H.. Atendimento aos surdos nos serviços de saúde: acessibilidade e obstáculos. Infarma, Brasília, v.28, n. 3 p. 157-165, 2016.

OLIVEIRA, Y. C. A. et al. A Língua Brasileira de Sinais na formação dos profissionais de Enfermagem, Fisioterapia e Odontologia no estado da Paraíba. Brasil. Interface - Comunic., Saúde, Educ., v. 16, n. 43, p. 995-1008, 2012.

OLIVEIRA, Y. C. A.; CELINO, S. D. M.; COSTA, G. M. C. Comunicação como ferramenta essencial para assistência à saúde dos surdos. Physis: Revista de Saúde Coletiva, v. 25, p. 307-320, 2015.

OLIVEIRA, Y. C. A. de et al. Comunicação entre profissionais de saúde-pessoas surdas: revisão integrativa. Rev. Enferm. UFPE online, Recife, v. 9, supl. 2, p. 957-

, fev. 2015.

PÁSCOA, F. R. B. et al. Importância da Linguagem de Sinais para Assistência à saúde dos pacientes Surdos: Estudo Bibliográfico. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENFERMAGEM, 61., 2009, Fortaleza. Anais [...] Fortaleza: [s.n.], 2009. p. 4606-4609.

PUPULIM, J. S. L.; SAWADA, N. O. Privacidade física referente à exposição e manipulação corporal: percepção de pacientes hospitalizados. Texto & Contexto-Enfermagem, v. 19, n. 1, p. 36-44, 2010.

QUADROS, R. M.; KARNOPP, L. Língua de sinais brasileira: estudos linguísticos. ArtMed: Porto Alegre, 2004.

REIS, V. S. L.; SANTOS, A. M. dos. Knowledge and experience of Family Health Team professionals in providing healthcare for deaf people. Revista Cefac, [S.L.], v. 21, n. 1, p. 1-8, 2019. FapUNIFESP (SciELO).

SANTOS, E. M.; SHIRATORI, K. As necessidades de saúde no mundo do silêncio: um diálogo com os surdos. Revista Eletrônica de Enfermagem, Goiânia, v. 06, n. 01, p.68-76, 2004.

SILVA, P. S. et al. A Enfermagem e a utilização da Língua Brasileira de Sinais no atendimento ao deficiente auditivo. Revista Uningá. v. 17, n. 1, p. 05-12, 2014.

SILVA, M. A. M.; BENITO, L. A. O.. Conhecimento de graduandos em enfermagem sobre língua brasileira de sinais (LIBRAS). Universitas: Ciências da Saúde, Brasília, v. 14, n. 1, p. 23-30, 2016.

TRECOSSI, M. O.; DE FREITAS ORTIGARA, E. P. Importância e eficácia das consultas de enfermagem ao paciente surdo. Revista de Enfermagem, v. 9, n. 9, p. 60-69, 2013.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n4-231

Refbacks

  • There are currently no refbacks.