Estudo sobre a percepção dos acadêmicos em formação médica frente à morte e ao morrer / Study about the perception of medical students over the event and process of death

Ludmila Oliveira Athayde Arleu, Amanda Viguini Tolentino Correa, Bruna Giovenardi, Morgana Caliman Rocha, Raquel Jackobsen Coelho Panceri, Vitor Farina Modenesi, Vinícius Santana Nunes

Abstract


Embora estejam introduzidos em uma conjuntura em que a morte é um evento natural e inevitável, os estudantes iniciam o curso de medicina visando salvar vidas. Nesse âmbito, existe uma pertinácia dos profissionais da saúde em cuidar de pacientes que reflete, muitas vezes, em protelar o óbito. A morte de um paciente, por vezes, traz ao estudante de medicina sentimentos de frustração, impotência ou incompetência. Paralelo a isso, o desenvolvimento das práticas dentro de ambientes hospitalares, além do acesso às disciplinas de bioética e de psicologia médica, contribui para a formação da responsabilidade essencial para enfrentar e respeitar o processo do morrer de seus futuros pacientes. A presente proposta pretende analisar o comportamento dos discentes de medicina de uma faculdade do Espírito Santo, além de compreender o que significa para estes alunos o enfrentamento da morte e do processo de morrer em sua prática formativa. Os dados foram coletados a partir de questionário aplicado, via ferramenta online Google Forms, à uma amostra aleatória e total de 180 alunos do 1º ao 12° período de medicina da faculdade em questão que, posteriormente, foram separados em ciclos para comparação entre si. Os dados obtidos demonstram que, ao longo do curso, as perspectivas dos alunos de medicina a respeito da morte de seus pacientes está falha quanto a abordagem do assunto e tema durante a formação e que a maioria percebe fragilidade nesse enfrentamento que o desenvolvimento da interação dos estudantes com os pacientes, melhora a preparação do estudante ao enfrentar o tema.

Keywords


Atitude frente à morte, Morte, Estudantes de medicina frente à morte, médico e a morte.

References


Arantes, ACQ. A morte é um dia que vale a pena viver. TEDx FMUSP, 2012. 18 minutos. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=ep354ZXKBEs&feature=youtu.be. Acesso em: 9 de maio 2018.

Bernieri, J.; Hirdes, A. O preparo dos acadêmicos de enfermagem brasileiros para vivenciarem o processo morte-morrer. Rio Grande do Sul; 2006. Monografia - a Universidade Federal de Santa Catarina.

Azeredo, NSG; Rocha, CF; Carvalho, PRA. O enfrentamento da morte e do morrer na formação de acadêmicos de Medicina. Rev Bras de Educ Med 2011; 35(1):37 – 43.

De Camarago, AP; Nunes, LMF; Dos Reis, VKR; Breschiliare, MFP; Morimoto, RJ; Moraes, WAS. O ensino da morte e do morrer na graduação médica brasileira: artigo de revisão. Rev Uningá 2015; 45(1): 44-51.

Macedo, J. Emoções subjetivas do acadêmico de medicina frente a morte do paciente. Goiás; 2017. Mestrado [Dissertação] - Pontifícia Universidade Católica de Goiás.

Mello, AAM; Da Silva, LC. A estranheza do médico frente à morte: lidando com a angústia da condição humana. Rev Abordagem Gestalt; 2012; 18(1): 52-60.

Tamada, JKT; Dalaneze, ASD; Bonini, LMM; Melo, TRC. Relatos de médicos sobre a experiência do processo de morrer e a morte de seus pacientes. Rev de Medicina USP 2017; 96(2): 7 – 81.

Pennycook, G; Ross, RM; Koehler, DJ; Fugelsang, JA. Dunning-Kruger effects in reasoning: Theoretical implications of the failure to recognize incompetence. Ver Psychon Bull 2017; 24:1774-1784.

Marta, GN; Marta, SN; Filho, AA; Job, JRPP. O estudante de Medicina e o médico recém-formado frente à morte e ao morrer. Rev Bras de Educ Med 2009; 33 (3): 416 – 427.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n4-228

Refbacks

  • There are currently no refbacks.