Conhecimento das mulheres sobre violência obstétrica: Uma revisão sistemática / Women's knowledge about obstetric violence: A systematic review

Thaís Francielle Santana Vieira, Maria Adriely Cunha Lima, Tiago Almeida Costa, Larissa Aciole Maciel Teixeira, Mauro Bezerra Muniz

Abstract


Introdução: A violência obstétrica acomete mulheres no pré-natal, no parto e no puerpério. Ela apresenta diversas formas de classificação (física, psíquica, verbal e sexual), as quais diferem de acordo com as suas características e podem acontecer concomitantemente. O conhecimento sobre a violência obstétrica é um grande benefício no combate da mesma. Objetivo: Verificar o conhecimento das mulheres sobre a violência obstétrica através de uma revisão sistemática. Metodologia: Revisão sistemática realizada na base de dados Biblioteca Virtual em Saúde (BVS), Scientific Eletronicy Library Online (SciELO) e Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS) a partir de 17 artigos publicados entre os anos de 2014 e 2019. Resultados: Através da análise dos artigos surgiram como abordagens: o conhecimento das mulheres sobre a violência obstétrica, os principais tipos de violência relatadas, os principais momentos em que ocorreu a violência. Foram feitas associações com a faixa etária, estado civil, escolaridade, raça, local e tipo de parto.  A respeito do tipo de violência obstétrica, a verbal foi a mais relatada, seguida pela física, contudo apenas um artigo mencionou a violência sexual. Ademais, apesar da condenação de muitas práticas, nota-se que os profissionais ainda continuam realizando tal prática, todavia a falta de conhecimento das pacientes dificulta sua identificação. Considerações finais: As mulheres possuem um conhecimento insuficiente quanto ao tema, tornando um agravante, pois a não identificação da violência é um fator que eleva sua prevalência.


Keywords


Violência, gestantes, parto obstétrico.

References


SAUAIA ASS, SERRA MCM, Uma dor além do parto: Violência obstétrica em foco. Rev. De Direitos Humanos e Efetividade. Brasília, v.2, n.1, 2016.

CARDOSO FJC et al, Violência obstétrica institucional no parto: percepção de profissionais da saúde. Revista de Enfermagem, v.11, n.9, p. 3346-3353, 2017.

COSTA ALT, CÉSAR IAP, SILVA CR, Episiotomia sob o ponto de vista da gestante, Rev Ciên Saúde, v.1, n.2, p. 12-20, 2016.

JARDIM DMB, MODENA CM, A violência obstétrica no cotidiano assistencial e suas características, Rev. Latino-Am. Enfermagem, v.26:e3069, 2018.

ROCHA MJ, GRISI EP, Violência Obstétrica e suas Influências na Vida de Mulheres que Vivenciaram essa Realidade, rev. Mult. Psic., v.11, n.38, 2017.

CARVALHO AS et al, Violência obstétrica: a ótica sobre os princípios bioéticos e direitos das mulheres. Brazilian Journal of Surgery and Clinical Research, v. 26, n.1, p. 52-58, 2019.

SILVA AS, SERRA MCM, Violência obstétrica no brasil: um enfoque a partir dos acórdãos do STF E STJ, Quaestio Iuris, v.10, n.4, p. 2430-2457, 2017.

PEREIRA J S et al, Violência obstétrica: ofensa a dignidade humana. Brazilian Journal of Surgery and Clinical Research, v. 15, n.1, p. 103-108, 2016.

DINIZ SG et al, Violência obstétrica como questão para a saúde pública no brasil: origens, definições, tipologia, impactos sobre a saúde materna, e propostas para sua prevenção, v.25, n.3, p. 377-376, 2014.

LANDIS, J.R. e KOCH, G.G. The measurement of observer agreement for categorical data. Biometrics, v.33, n.1, p. 159-174, 1977.

VIEIRA DR, APOLINÁRIO JA. A VIOLÊNCIA OBSTÉTRICA NA COMPREENSÃO DE MULHERES USUÁRIAS DA REDE PÚBLICA DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE LINS, 2017, 85 p., Dissertação (Bacharel em Psicologia)-Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium, UniSALESIANO, São Paulo, 2017.

VENTURI GJ, AGUIAR JM, HOTIMSKY SN, A violência institucional no parto em maternidades brasileiras: uma análise preliminar de dados da pesquisa de opinião pública Mulheres brasileiras e gênero nos espaços público e privado- 2010. In: 7º Congresso Brasileiro de Enfermagem Obstétrica e Neonatal; 2011; Belo Horizonte, Brasil. Belo Horizonte: Associação Brasileira de Obstetrizes e Enfermeiros Obstetras; 2011.

RODRIGUES, FAC. et al, Violência obstétrica no processo de parturição em maternidades vinculadas à Rede Cegonha, Revista Reprod. Clim., v.32, n.2, p. 78-84, 2017.

MARTINS FL et al, VIOLÊNCIA OBSTÉTRICA: Uma expressão nova para um problema histórico, rev. Saúde em foco, n.11, 2019.

ANDRADE, PON et al, Fatores associados à violência obstétrica na assistência ao parto vaginal em uma maternidade de alta complexidade em Recife, Pernambuco, Rev. Bras. Saude Mater. Infant., Recife, v. 16, n. 1, p. 29-37, 2016.

SAMPAIO, RF; MANCINI, MC. Estudos de revisão sistemática: um guia para síntese criteriosa da evidência científica. Rev. bras. fisioter., São Carlos, v. 11, n. 1, p. 83-89, jan./fev. 2007. Disponível em: < https://www.scielo.br/pdf/rbfis/v11n1/12.pdf >. Acesso em: 05/07/2020.

ANDRADE BP, AGGIO CM, Violência obstétrica: a dor que cala, In: Anais do III Simpósio Gênero e Políticas Públicas, 2014, Londrina, 2014.

D’ORSI E et al, Desigualdades sociais e satisfação das mulheres com o atendimento ao parto no Brasil: estudo nacional de base hospitalar, Cad. Saúde Pública, v. 30, sup.1, p. S154-S168, 2014.

MOURA GN, A percepção das mulheres puérperas acerca da violência da assistência obstétrica, 2014, 114 p., Dissertação (Graduação em Enfermagem e Licenciatura) -Escola de enfermagem Aurora de Afonso Costa, Universidade Federal Fluminense, Brasília, 2014.

LEAL MC et al, Intervenções obstétricas durante o trabalho de parto e parto em mulheres brasileiras de risco habitual, Cad. Saúde Pública, v. 30, sup.1, p. S17-S47, 2014.

SANTOS JO et al, Perfil obstétrico e neonatal de puérperas atendidas em maternidades de São Paulo, rev. de pesquisa cuidado é fundamental online, v. 7, n.1, p. 1936-1945, 2015

SILVA RLV et al, Violência obstétrica sob o olhar das usuárias, Rev. Enferm. UFPE online, v. 10, n.12, p. 4474-4480, 2016.

SOUZA SRRKS, GUALDA DMR, A experiência da mulher e de seu acompanhante no parto em uma maternidade pública, Texto Contexto Enferm, v. 25, n.1, 2016.

FABBRO MRC, MACHADO GPR, A Violência Obstétrica segundo a percepção das mulheres que a vivenciaram, Atas - Investigação Qualitativa em Saúde, v. 2, 2017.

OLIVEIRA VJ, PENNA CMM, O discurso da violência obstétrica na voz das mulheres e dos profissionais de saúde, Texto Contexto Enferm, v. 26, n.2, e:06500015, 2017.

SANDIM NFC, Nível do conhecimento das mulheres acerca da violência obstétrica, 2017, 30 p., Dissertação (Graduação em Fisioterapia) -Centro Universitário de Brasília, Faculdade de Ciências da Educação e Saúde, Brasília, 2017.

LANSKY S et al, Violência obstétrica: influências da exposição Sentidos de Nascimento na experiência do parto de gestantes, Ciênc. saúde coletiva [online], v. 24, n.8, p. 2811-2824, 2019.

MENEZES FR et al, O olhar de residentes em Enfermagem Obstétrica para o contexto da violência obstétrica nas instituições, Interface (Botucatu), v. 24, e180664, 2019.

SILVA AO, Caracterização do conhecimento das puérperas acerca da violência obstétrica, 2019, 65 p., Dissertação (Graduação em Enfermagem) -Centro de Formação de Professores, Universidade Federal de Campina Grande, Paraíba, 2019.

SENS MM, STAMM AMN, Percepção dos médicos sobre a violência obstétrica na sutil dimensão da relação humana e médico-paciente, Interface (Botucatu), v. 23, e180487, 2019.

ZANARDO, GLP et al, Violência Obstétrica no Brasil: Uma Revisão Narrativa. Psicol. Soc., v. 29, e155043, 2017.

BRANDT GP et al, Violência Obstétrica: a verdadeira dor do parto, Revista Gestão & Saúde, v.19, n.1, p. 19-37, 2018.

MARTINS AC, BARROS GM, Parirás na dor? Revisão integrativa da violênciao bstétrica em unidades públicas brasileiras, Rev Dor, v.17, n.3, p.215-218, 2016.

GARCÍA D, DÍAZ Z, ACOSTA M, El nacimiento em Cuba: análisis de la experiencia del parto medicalizado desde una perspectiva antropológica. Revista Cubana de Salud Pública, v. 39, n.4, p.718-732, 2013.

SANTOS RCS, SOUZA NF, Violência institucional obstétrica no Brasil: revisão sistemática, Estação científica (UNIFAP), v. 5, n.1, p.57-68, 2015.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n4-221

Refbacks

  • There are currently no refbacks.