Prevalência do aleitamento materno no município de Belém em três unidades básicas de saúde / Prevalence of breastfeeding in the municipality of Belém in three basic health units

Milena Lins Veiga, Antonio de Lima Sobrinho Junior, Ercielem de Lima Barreto, Kelly Cristina Costa Guedes Nascimento, Leticia Koury dos Reis, Rafael Vilhena Brilhante, Rosa de Fátima da Silva Vieira Marques

Abstract


Introdução: O aleitamento materno é a mais sábia estratégia natural de vínculo, afeto, proteção e nutrição para a criança e constitui a mais sensível, econômica e eficaz intervenção para redução da morbimortalidade infantil. Objetivo: O objetivo do presente estudo foi conhecer a prevalência do Aleitamento Materno em crianças até 02 anos de idade em unidades de saúde da cidade de Belém. Método: Estudo quantitativo de corte transversal descritivo e analítico, realizado nos postos de vacinação em três unidades de saúde da cidade de Belém, que possuem maior demanda de crianças durante a campanha de multivacinação, segundo informações da coordenação municipal da campanha de multivacinação. População alvo de crianças até dois anos. Foi utilizado um questionário desenvolvido pelos autores para coletar informações sobre aleitamento materno com a mãe da criança. Projeto aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa (CEP). Resultados: Em relação as 460 amostras coletadas sobre as crianças até os 2 anos de idade em três unidades de saúde da cidade de Belém, evidenciou-se que 95,65% das crianças analisadas mamaram no peito e aquelas que não mamaram no peito as mães relataram que ou não haviam produzido leito, ou que era insuficiente, ou que a criança não conseguia pegar a mama. Sendo que, aquelas crianças que não mamavam mais, observou-se que o desmame foi muito mais prevalente nas faixas entre o 15º e 16º mês de idade. Embora as mães não estivessem amamentando de forma completa até os dois anos de idade, os 95,65% estavam realizando Aleitamento Materno Exclusivo (AME) até os 6 meses de idade. Conclusão: Logo, foi possível analisar que a maioria das mães e crianças das unidades de saúde estavam seguindo parcialmente as orientações e protocolos do Ministério da Saúde.


Keywords


Aleitamento Materno, Atenção Primária à Saúde, Epidemiologia.

References


ACADEMIA AMERICANA DE PEDIATRIA [AAP]. Grupo de trabalho para o aleitamento materno. Pediatrics (edição brasileira) 1998; 2(2):121-26.

AKRÉ J. Alimentação Infantil - Bases fisiológicas. Trad. De Anna Volochko. Organização Mundial de Saúde. Genebra: OMS;1997, 2ªed.

ARANTES CIS. Amamentação - visão das mulheres que amamentam. J Pediatr (Rio de Janeiro) 1995;71(4):195-202.

ASHA BAI PV, et al. Adequacy of breast milk for optimal growth of infants. Trop Geogr Med, 1980;32:158-161.

AL-AWADI FM, et al. Trace-element status in milk and plasma of Kuwaiti and non-Kuwaiti lactating mothers. Nutrition, v. 6, n. 11-12, p. 1069-1073, 2000.

BRASIL. Ministério da Saúde [MS]. Pesquisa de prevalência do aleitamento materno nas capitais e no Distrito Federal. Brasília: UNICEF;2001, p.50.

BRASIL. Ministério da saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. II Pesquisa de Prevalência nas Capitais Brasileiras e Distrito Federal, 1ª edição, 1ª reimpressão, Série C. Projetos, Programas e Relatórios, Brasília – DF, 2009. Aleitamento Materno.

BRASIL. Ministério da saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Aleitamento Materno e Alimentação Complementar 2ª edição Cadernos de Atenção Básica, nº 23 Brasília – DF, 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Aleitamento materno. 2005. Disponível em: . Acesso em: 10/07/2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. II Pesquisa de Prevalência de nas Capitais Brasileiras e Distrito Federal. 1ª edição, 1ª reimpressão. Série C. Projetos, Programas e Relatórios, Brasília – DF, 2009ª

BATES CJ, et al. Breast milk as a source of vitamins, essential minerals and trace elements. Pharmacol. Ther., v. 62, p. 193-220, 1994.

BRASIL. Ministério da Saúde/Instituto Nacional de Alimentação e Nutrição/Conselho Nacional de Saúde. Norma Brasileira para Comercialização de Alimentos para Lactentes. Brasília: MS/INAN/CNS, 1994; 3a.ed.

FILHO JM. Evolução do Aleitamento Materno no Brasil. In: Rego JD. Aleitamento Materno. São Paulo.Rio de Janeiro.Belo Horizonte: Atheneu; 2001, p.21-34.

FREED GL. Breast-feeding time to teach what we preach. JAMA 1993;69:243-5.

GARTGNER LM, et al. Grupo de Trabalho para o Aleitamento Materno. Academia Americana de Pediatria. O aleitamento materno e a utilização do leite humano. Pediatrics (ed. bras.) 1998;2(2):121-6.

GIUGLIANI ERJ. Amamentação: como e porque promover? Jornal Pediatria, [S.I.], v. 70, n. 3, p. 128-147, mai.-jun. 1994.

GIUGLIANI ERJ. O aleitamento materno na prática clínica. J Pediatr 2000; 76 Supl 3:238-52

GOUVÊA LC. Aleitamento materno. In: Nobrega, FJ. Distúrbios da Nutrição. Rio de Janeiro:

RevinteR 1998, p.15-31.

HOEKELMAN RA. Highs and lows in breast-feeding rates. Pediatr. Ann. 1992;21:615-7.

JELLIFFE EFP. Programmes to promote breastfeeding. Med J. Malaysia 1986;41(1):64-71. [Paper present at the Pré-Congress Symposium on “Childhood Nutrition”, 5th. Asian Congress of Paediatrics, 4th August 1985, Kuala Lumpur].

MORGANO M, et al. Ciênc. Tecnol. Aliment., Campinas, 25(4): 819-824, out.-dez. 2005.

MURAHOVSCHI J, et al. Curvas e tabelas de crescimento de lactentes brasileiros de 0-6 meses de idade alimentados exclusivamente com leite materno. J Pediatr 1987;63(4):153-175.

QUEIROZ SS. O papel do ferro na alimentação infantil. In: Departamento de Nutrição da Sociedade Brasileira de Pediatria. Temas de Nutrição em Pediatria. [s.i.]: Nestlé, 2001a. p. 8-9.

REZENDE J, et al. Mamas. Lactação. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005. p. 400-403.

ROGERS IS, et al. The incidence and duration of breast feeding. Early Human Develop 1997; 49 Suppl:45-75

ROSA FSV, et al. O crescimento de crianças alimentadas com leite materno exclusivo nos primeiros 6 meses de vida, J. Pediatr. (Rio J.) vol.80 no.2 Porto Alegre Mar./Apr. 2004.

SOUZA SNDH, et al. Prevalência de aleitamento materno e fatores associados no município de Londrina-PR. Acta Paulista de Enfermagem, [S.l.], v. 25, n. 1, p. 29-35, 2012.

UNICEF. Comissão Nacional Iniciativa Hospitais Amigos dos Bebés. Manual de aleitamento materno. Leonor Levy· Helena Bértolo, 2012.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n4-217

Refbacks

  • There are currently no refbacks.