Perfil de resistência de agentes de infecção urinária em crianças internadas em um hospital de pediatria em Belém do Pará / Resistance profile of urinary infection agents in children admitted to a pediatric hospital in Belém do Pará

Heliton Patrick Cordovil Brígido, Ana Clara Monteiro De Araújo, Matheus Marinho Rios, Bruno Cruz Boettger, Larissa Pinheiro Prado, Carolina Moraes Silva, Rita de Cássia Silva de Oliveira, Maria Das Graças Carvalho Almeida

Abstract


A infecção urinária é um evento frequente na infância e a resistência bacteriana frente aos antimicrobianos é um grave problema de saúde pública. Objetivo: investigar perfil de resistência de bactérias em crianças e identificar os agentes da infecção. Métodos: Realizou-se um estudo prospectivo no período de maio a setembro de 2013, com abordagem quantitativa, utilizando 200 cepas de microrganismos isolados do trato urinário de crianças de origem hospitalar na faixa etária de 0 a 10 anos. Os dados utilizados foram o sexo e a idade.  O teste de sensibilidade foi realizado pelo método de difusão em ágar através da técnica de Kirb Bauer e a seleção dos antimicrobianos foi conforme o recomendado pelo Clinical and Laboratory Standards Institute (CLSI). Resultados: das 2.222 uroculturas, 9% foram positivas, dentre as quais 90% das infecções foram causadas por bactérias e 10% por fungos. As mais prevalentes foram as enterobactérias (70%), com destaque à Escherichia coli (38%) e a Klebisiela pneumoniae (11%). Verificou-se que o sexo feminino foi o mais acometido (65%). Todas as enterobactérias mostraram sensibilidade aos carbapenêmicos e elevada resistência à ampicilina. Conclusão: As ITUs variam de acordo com localidade, gênero e idade. Por isso, o diagnóstico correto é de suma importância para o tratamento adequado, evitando resistência e uso indiscriminado de antimicrobianos.

 

 


Keywords


infecção urinária; bactérias; fungos; resistência bacteriana.

References


AMADEU, AM, SUCUPIRA JS, JESUS, RMM, ROCHA MLP. Infecção do trato urinário: análise da frequência e do perfil de sensibilidade da E. coli como agente causador dessas infecções. RBAC. 2009; 41: 275-277.

BRAOIOS A, TURATTI TF, MEREDIJA LCS, CAMPOS TRS, DENADAI FHM. Infecções do trato urinário em pacientes não hospitalizados: etiologia e padrão de resistência aos antimicrobianos. J. Bras. Patol. Med. Lab. 2009; 45(6): 449-456.

Cho YH, Jung SI, Chung HS, Yu HS, Hwang EC, Kim SO, et al. Antimicrobial susceptibilities of extended spectrum beta lactamase producing Escherichia coli and Klebsiella pneumoniae in health care associated urinary tract infection: focus on susceptibility to fosfomycin. Int Urol Nephrol. 2015 [acesso em 14 ago 2015]; 47:1059- 66.

CLSI. Performance standards for antimicrobial susceptibility testing, CLSI approved standard M100-S16, 2006Wayne, PACLSI.

COSTA LC, BELÉM LF, SILVA PMF, PEREIRA HS, JÚNIOR EDS, LEITE TR, et al. Infecções urinárias em pacientes ambulatoriais: Prevalência e perfil de resistência aos antimicrobianos. RBAC. 2010; 42(3): 175-180.

GOMES CA, MAHLKE JD. Infecção Urinária em Crianças: Perfil das Bactérias e Suscetibilidade aos Antimicrobianos Usados na Urocultura Realizadas no Laboratório Clínico do Hospital Municipal Infantil Santo Antônio em Boa Vista Roraima. Caderno de Ciências Biológicas e da Saúde. 2013 n.02.

Guimarães DO, Momesso LS, Pupo MT. Antibióticos: importância terapêutica e perspectivas para a descoberta e desenvolvimento de novos agentes. Quim Nova. 2010, 33(3):667-9.

HÖRNER R, VISSOTTO R, MASTELLO A, SALLA A, MENEGHETTI B, FORNO D. et al. Prevalência de microorganismos em infecção do trato urinário de pacientes atendidos no hospital universitário de Santa Maria-RS. RBAC. 2006; 38(3): 147-150.

KOCH CR, RIBEIRO JC, SCHNOR OH, ZIMMERMANN BS, MULLER FM, D’AGOSTIN J. Resistência antimicrobial dos uropatógenos em pacientes ambulatoriais, 2000-2004. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. 2008; 41(3): 277-281.

LAGO A, FUENTEFRIA SR, FUENTEFRIA DB. Enterobactérias produtoras de ESBL em Passo Fundo. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. 2010; 43(4): 430-434.

LEONE M, ALBANESE J, GARNIER F, SAPIN C, BARRAU K, BIMAR MC, et al. Risk factors of nosocomial catheter associated urinary tract infection in a polyvalent intensive care unit. J Intensive Care Med. 2003; 29: 1077-1080.

Murray PR, Rosenthal KS, Pfaller MA. Enterobacteriaceae. Microbiologia Médica. 5ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2006, p. 315-330.

Pires MCS, Frota KS, Martins Júnior PO, Correa AF, CortezEscalante JJ, Silveira CA. Prevalência e suscetibilidades bacterianas das infecções comunitárias do trato urinário, em Hospital Universitário de Brasília, no período de 2001 a 2005. Rev Soc Bras Med Trop. 2007;40(6):643-7.

POLETTO KQ, REIS C. Suscetibilidade antimicrobiana de uropatógenos de pacientes ambulatórias na cidade de Goiânia, GO. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. 2005; 38(5): 416-420.

RIYUZO CM, MACEDO, SC, BASTOS DH. Fatores associados à recorrência da infecção do trato urinário em crianças. Rev. Bras. Saúde Mater. Infant. 2007; 7(2): 151-157.

SANTANA TCFS, PEREIRA EMM, MONTEIRO SG, CARMO MS, TURRI RJG, FOGUEIREDO PMS. Prevalência e resistência bacteriana aos agentes antimicrobianos de primeira escolha nas infecções do trato urinário no município de São Luís-MA. Rev. Patol. Trop. 2012; 41(4): 409-418.

SATO AF, SVIDZINSKI AE, CONSOLARO ME, BOER CG. Nitrito urinário e infecção do trato urinário por cocos gram-positivos. J. Bras. Patol. Med. Lab. 2005; 416: 397-404.

SILVEIRA AS, ARAÚJO MC, FONSECA FM, OKURA MH, OLIVEIRA ACS. Prevalência e Suscetibilidade Bacteriana em Infecções do Trato Urinário de Pacientes Atendidos no Hospital Universitário de Uberaba. RBAC. 2010; 42(30): 157-160, SILVA, CM. Urocultura. Newslab, 2008, Ed. 88.

SWEI LO D, RAGAZZI SLB, GILIO AE, MARTINEZ MB. Infecção Urinária em Menores de 15 Anos: Etiologia e Perfil de Sensibilidade Antimicrobiana em Hospital Geral de Pediatria. Rev. Paul. Pediat. 2010; 28(4): 299-303.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n4-212

Refbacks

  • There are currently no refbacks.