Viabilidade celular de probióticos microencaspulados adicionados a barras de cereais / Cellular viability of microencapsulated probiotics added to cereal bars

Flavia Maria Vasques Farinazzi-Machado, Claudia Dorta, Paulo Sérgio Marinelli, André Ribeiro da Silva, Leandro Aparecido Coelho, Paulo Augusto Napoleão Domingos

Abstract


O uso de micro-organismos probióticos tem aumentado, nos últimos anos, em função de seus efeitos terapêuticos diversos, o que tem impulsionado a indústria alimentícia à sua utilização em alimentos processados.  O objetivo deste estudo foi elaborar barras de cereais adicionadas de probióticos microencapsulados, verificar sua viabilidade nestes produtos e analisa-las sensorialmente. Foram elaboradas três amostras, das quais, uma amostra controle e duas adicionadas de probióticos Lactobacillus gasseri e Bifidobacterium lactis, respectivamente. As barras de cereais foram analisadas quanto aos parâmetros físico-químicos, pH, atividade de água e sólidos solúveis; viabilidade celular das bactérias probióticas e análises de contaminantes no 1º e 28º dias; e ainda análise sensorial para verificar a aceitabilidade das barras. Os resultados apontaram diferenças entres as barras quanto a alguns parâmetros físico-químicos, em especial quanto a atividade de água e sólidos solúveis. A barra adicionada de L. gasseri mostrou potencialidade probiótica em 28 dias de armazenamento, atingindo 4x106 UFC g-1 de barra de cereal. Considerando os atributos aparência e textura, estes receberam pontuações significativamente menores para as barras adicionadas de L. gasseri, comparados às amostras controle e com B. lactis. Para os demais atributos, não houve diferenças entre as três amostras, sendo que os provadores atribuíram notas acima de 6,0 para o aroma, o sabor e a avaliação global, o que na escala hedônica utilizada como instrumento de avaliação, corresponde a notas positivas na aceitabilidade. Considerando os dois probióticos testados nas barras, o L. gasseri foi mais resistente às condições do meio, comparado ao B. lactis.

 

 


Keywords


Lactobacillus gasseri; Bifidobacterium lactis; pH; contaminantes; sensorial

References


BALIZA, D. D. M. S. et al. Avaliação da aplicabilidade de uma cepa probiótica de Saccharomyces cerevisiae em barras de cereais. Brazilian Journal of Food Technology, Campinas, v. 21, e2017148, 2018.

BAMPI, G. B. Microencapsulação de probióticospor spray chilling e aplicaçãoembarra de cereal salgada.2015. Tese de Doutorado-Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Alimentos da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, URI – Erechim, 2015.

BASTOS, G. A.; et al. Aceitabilidade de barra de cereais potencialmente probiótica. Brazilian Journal of Food Technology, Campinas, v. 17, n. 2, p. 113-120, abr./jun. 2014.

BENNETT, R.W.; BELAY, N. Bacillus cereus. In: DOWNES, F.P., and K., ITO (ed.). Compendium of Methods for the Microbiological Examination of Foods, 4a Ed. American Public Health Association, Washington, D.C., Chapter 32, p. 311-316, 2001.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 12, de 02 de janeiro de 2001. Aprova o regulamento técnico sobre padrões microbiológicos para alimentos. Diário Oficial da União, Poder executivo, Brasília, DF, 10 jan. 2001.

CAPELEZZO, L. et al. Elaboração e avaliação físico-química de uma barra de cereal utilizando resíduo cervejeiro. Brazilian Journal of Health Review, Curitiba, v. 3, n. 3, p. 5107-5121 may/jun. 2020.

CHAMPAGNE, C.P.; GARDNER, N.J.; ROY, D. Challenges in the addition of probiotic cultures to foods. Critical Reviews in Food Science Nutrition, v.45, p.61-84, 2005.

DANTAS, E. N. A.; SILVA, C. P.; MOURA, R. L.; OLIVEIRA, N. D.; PORFIRIO, P. A.; PEREIRA, D. E.; VIERA, V. B. Beneficios da adição de probióticos na elaboração de novos produtos. International Journal of Nutrology, v. 11, n. 1, p. 24-27, 2018.

FRANCO, B.D.G.M, LANDGRAF, M. Microbiologia dos Alimentos. São Paulo: Atheneu, 2008.

FREITAS, D.G.C.; MORETTI, R.H. Caracterização e Avaliação Sensorial de Barra de Cereais Funcional de Alto Teor Protéico e Vitamínico. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 26, n. 2, p. 318-324, 2006.

GUIMARÃES, M. M.; SILVA, M. S. Qualidade nutricional e aceitabilidade de barras de cereais adicionadas de frutos de murici-passa. Revista do Instituto Adolfo Lutz, São Paulo, v.68, n.3, p.426-433, 2009.

HAMMACK, T.; CHEN, Y. Methods Committee on Microbiology. General Referee Reports. Journal of AOAC International, v. 93, n. 1, p. 11-22, 2010.

INSTITUTO ADOLFO LUTZ. Normas Analíticas do Instituto Adolfo Lutz: métodos químicos e físicos para análise de alimentos. 4. ed. São Paulo, 2008.

LANCETTE, G. A.; BENNETT, R.W. Staphylococcus aureus and staphylococcal enterotoxins. In: DOWNES, F.P., and K., ITO (ed.). Compendium of Methods for the Microbiological Examination of Foods, 4a Ed. American Public Health Association, Washington, D.C., Chapter 39, p. 387-403, 2001.

MATTILA-SANDHOLM, T. et al. Technological challenges for future probiotic foods. International Dairy Journal, v.12, p. 173-182, 2002.

MORTON, R.D. Aerobic plate count. In: DOWNES, F.P.; K. ITO (Ed.) Compendium of Methods for the Microbiological Examination of Foods, 4 a Ed. American Public Health Association, Washington, D.C., Chapter 7, p. 63-67, 2001.

OLIVEIRA, J. L.; ALMEIDA, C.; BOMFIM, A. S.; A importância do uso de probióticos na saúde humana. Unoesc e Ciência-ACBS, v. 8, n. 1, p. 7-12, 2017.

ORDÕNEZ, J.A. Tecnologia de Alimentos. Alimentos de origem animal.v.2. Porto Alegre: Artmed, 2005.

PEREIRA, M. O.; BAMBI, M.; RODRIGUES, F. T.; SANTA, O. R. D.; SANTA, H. S. D., RIGO, M. Elaboração de uma bebida probiótica fermentada a partir de extrato hidrossolúvel de soja com sabor de frutas. Ambiência - Revista do Setor de Ciências Agrárias e Ambientais, v. 5, n. 3, Set./Dez. 2009.

RAIZEL, R.; SANTINI, S.; KOPPER, A. M.; REIS FILHO, A. D. Efeitos do consumo de probióticos, prebióticos e simbióticos para o organismo humano. Revista Ciência & Saúde, Porto Alegre, v. 4, n. 2, p. 66-74, jul./dez. 2011.

ROBERTO, B. S.; et al. Qualidade nutricional e aceitabilidade de barras de cereais formuladas com casca e semente de goiaba. Revista do Instituto Adolfo Lutz, v. 74, n. 1, p. 39-48, 2015.

RODRIGUES, C. S. Desenvolvimento de barras de cereais com ingredientes prebióticos e probiótico. 2013. Dissertação (Mestrado em Tecnologia de Alimentos) – Faculdade de Engenharia de Alimentos, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2013.

SAAD, S. M. I. Probióticos e prebióticos: o estado da arte. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas. v. 42, n. 1., p.1-16, 2006.

SAAD, S. M. I.; CRUZ, A. G. da; FARIA, J. de A. F. Probióticos e prebióticos em alimentos: fundamentos e aplicações tecnológicas. São Paulo: Varela, 2011.

SANDERS, M.E. et al. Safety assessment of probiotics for human use. Gut Microbes. v.1, n. 3, p. 164–85, 2010.

SCOTT, W. J. Water relations of food spoilage microorganisms. Advances in Food Research., v. 7, n. 9, p. 83-127, 1957.

SEMA-COCK, Liliana; ANGULO-LOPEZ, Jorge E y AYALA-APONTE, Alfredo A. Cereal Bars as Solid Matrix for the Incorporation of Probiotics Microorganisms. Información tecnológica. [online]. 2015, vol.26, n.2 [citado 2019-06-06], pp.29-40.

SILVA, N. et al. Manual de métodos de análise microbiológica de alimentos. 3 ed. São Paulo: Varela, 2007.

SILVA, L. A. A.; NORÕES, A. R. L.; SOARES, T. C. Desenvolvimento de barra de cereais fortificada com adição dos vegetais: cenoura (Daucus carota L.), e beterraba (Beta vulgaris L.). Research Society and Development, v. 8, n. 1, p. 1-21, 2019.

TANIWAKI, M.H., IAMANAKA, B.T., BANHE, A.A. Comparison of culture media to recover fungi from flour and tropical fruit pulp. Journal of Food Mycology, v.2, p. 291-302, 1999.

TEIXEIRA, E.; MEINERT, E. M.; BARBETTA, P. A. Análise sensorial dos alimentos. Florianópolis: UFSC, p. 182, 1987.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n4-210

Refbacks

  • There are currently no refbacks.