Os Fatores Biopsicossociais de um Trabalhador: Estudo de Caso de um Profissional Mecânico de Bicicletas / The Biopsychosocial Factors of a Worker: Case Study of a Professional Bicycle Mechanic

Tarson Brito Landolfi, Aniely da Rosa Ribeiro, Milciana Urbiêta Barboza, Nelson Kian

Abstract


O trabalhador que atua na área da mecânica em bicicletas, tem relação direta com a manutenção nesse meio de transporte econômico e biodegradável. Em muitas situações sofre risco de cortes e lesões mioarticulares no ambiente de trabalho desenvolvidas por ficar em uma única posição por longas horas, onde até mesmo pode ocorrer intoxicação por substâncias químicas, provocando sérios danos a sua saúde. Existem outros fatores de risco que levam a saúde destes trabalhadores a um baixo aspecto de segurança. Este estudo teve como finalidade averiguar os fatores de bem estar biopsicossociais envolvidos na saúde desse profissional. O colhimento de dados foi feito por meio de um checklist com questionamentos sobre a vida pessoal, social, profissional e econômica; sendo aplicado pelo método de entrevista na própria residência do trabalhador. Os resultados foram analisados e comparados com leis regulamentadoras da área do profissional, tendo verificação também em outras bibliografias e artigos oportunos. Os resultados mostraram que tanto o estabelecimento quanto o profissional apresentaram mais aspectos positivos do que negativos em relação aos riscos da profissão exercida e do bem estar na área de trabalho. Contudo o reflexo na qualidade do trabalho e na vida do profissional teve como requisito maior, o hábito de vida saudável adotado pelo mesmo, que através da prática regular de atividade física somada a qualidade do sono resulta em uma maior disposição para a realização das suas atividades laborais, logo constatou-se através do presente estudo uma relação magistral entre estilo de vida sadio e qualidade no exercício profissional.


Keywords


Saúde do trabalhador, Bem estar, Economia, Mecânica, Bicicletas, Lesões.

References


ADAMI, M. Profissão mecânico: O caminho para se tornar um expert em bicicletas. Disponível em: . Acesso em: 14 de maio de 2018.

AGOSTINI, M. As múltiplas aproximações da relação “saúde, gênero e trabalho”. Revista do II Congresso Internacional Mulher, Trabalho e Saúde. Rio de Janeiro, RJ: Fiocruz 1999.

ANDRADE, L.M.A. Depressão: o mal do século. Disponível em: . Acesso em: 21 de maio de 2018.

BARLOW, D. H.; DURAND, V. M. Psicopatologia: uma abordagem integrada. São Paulo: Cengage Learning, 2010.

BRANDÃO, C. Acidente de Trabalho e Responsabilidade Civil do Empregador. 3. ed. São Paulo: LTR, 2006.

BRASIL, CASA CIVIL. Lei Nº 1.535 – Direito a férias. Disponível em: . Acesso em: 21 de maio de 2018.

BRASIL, CASA CIVIL. Lei nº 8.213/91 – Acidentes de trabalho. Disponível em: . Acesso em: 21 de maio de 2018.

BRASIL, Ministério da Previdência Social. Instituto Nacional do Seguro Social. Decreto n° 99.350. Brasília, 1990.

BRASIL, Ministério da Saúde. Doenças relacionadas com o trabalho: diagnóstico e condutas: manual de procedimentos para os serviços de saúde. Brasília-DF, 2002.

BRASIL, Ministério do Trabalho e Emprego. Consolidação das leis do trabalho – Art. 442-B – Trabalhador Autônomo. Brasília, 2001.

BRASIL, Ministério do Trabalho e Emprego. Norma Regulamentadora N° 17. Portaria GM n.º 3.214, Brasília, 1978.

BRASIL, Ministério do Trabalho e Emprego. Portaria 1.109: Proibição do contato direto com combustíveis. Diário Oficial da União. Brasília, 2016.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988. 292 p.

CAMARGO, L. O. L. Educação Para o Lazer. São Paulo SP, Moderna, 1998.

CAMAROTTI, H., & TEIXEIRA, H. A. (1996). Saúde mental e trabalho: estudo da Regional Norte de Saúde do DF. Revista de Saúde do Distrito Federal, 7(1), 29-40.

CARMO, J. S.; SIMIONATO, A. M. Reversão de ansiedade à matemática: alguns dados da literatura. Psicologia em Estudo, v. 17, n. 2, p. 317-327, 2012.

CARNALL, D. Cycling and health promotion: a safer, slower urban road environment is the key. British Medical Journal, 2000; 320:888.

CATER, C. I. Playing with risk? Participant perceptions of risk and management implications in adventure tourism. Tourism Management, 27(2), 317-325, 2006.

COSTA, V. L. M. Práticas corporais na natureza: tendências da pós-modernidade. Programa de Doutorado em Ciência do Desporto, Universidade de Trás-os-Montes e Alto D’ouro, Vila Real, Portugal, 2006.

DEJOURS, C. A loucura do trabalho. Trad. Paraguay. 5a Ed. Cortez-Oboré. São Paulo, 1992.

DINIZ, J., & PEREIRA, P. A motivação dos alunos para a educação física: a sua influência no comportamento nas aulas. Revista Horizonte, 86, 7-15, 1998.

FERRARA, M., & DE GENNARO, L. How much sleep do we need? Sleep Medicine, Darien, 2001. p 155- 179.

FERREIRA, E. A. Segurança no trabalho uma visão geral. Cadernos de Graduação – Ciências e Tecnologias, Sergipe, v.1, n.15, p.95-101, out. 2012. Disponível em: . Acesso em: 21 de maio de 2018.

FILHO, F. L. Proteção ao trabalhador juridicamente autônomo e economicamente dependente. São Paulo: LTR, 2005, p. 135-148.

GAULRAPP, H., WEBER, A., & ROSEMEYER, B. Injuries in mountain biking. Knee Surgery, Sports Traumatology, Arthroscopy, 9(1), 48-53, 2001.

GENUÍNO, S.L.V. O estresse ocupacional e a Síndrome de Burnout no ambiente de trabalho: suas influências no comportamento dos professores da rede privada do ensino médio de João Pessoa. Rev. Anagrama. 2010; 2:1-9.

JARDIM, S. R. Processo de trabalho e sofrimento psíquico: o caso dos pilotos de metrô do Rio de Janeiro. 1994. 314 f. Tese (Doutorado em Psiquiatria)–Instituto de Psiquiatria, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1994.

KARASEK, R.A. Job demand, job decision latitude, and mental strain: implications for job redesign. Adm Sci Quart 1979; 24: 285-308.

LEONARDI, A.C. Importância das horas de sono. Revista Superinteressante. Disponível em: . Acesso em: 14 de maio de 2018.

MACHADO, F. H. Mundo emocionado e as atividades físicas de aventura na natureza. In G. M. Schwartz (Ed.), Aventuras na natureza: consolidando significados (pp.103-123). Jundiaí: Fontoura, 2006.

MARCELLINO, N.C. Estudos do lazer: uma introdução. 3 ed. Campinas: Editora Autores Associados, 2002.

MARINHO, A. Lazer, natureza e aventura: compartilhando emoções e compromissos. In A. P. C. Almeida & L. P. Costa (Eds.). Meio ambiente, esporte, lazer e turismo (pp.331-319), Rio de Janeiro: Gama Filho, 2007.

MIORIN, S. Quais os benefícios das férias para empresa e para o profissional? Disponível em: . Acesso em: 21 de maio de 2018.

MOTA, R. P. Ansiedade e medo na empresa: percepção de risco das decisões gerenciais. Revista Portuguesa e Brasileira de Gestão, v. 11, n. 2-3, p. 22-37, 2012.

NUNOMURA, M. Motivos de adesão à atividade física em função das variáveis: idade, sexo, grau de instrução e tempo de permanência. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde, 3(3), 45-58, 1998.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Conceito de saúde. Genebra, 1948.

ORSELLY, T.O. Malefícios de ficar em pé por longos períodos. Disponível em: . Acesso em: 14 de maio de 2018.

PARUTHI, S. Benefícios de uma boa noite de sono. Academia Americana de Medicina do Sono – AASM. Journal of Clinical Sleep Medicine. Darien, 2015.

REIMÃO, R. Sono: estudo abrangente. 2ª edição. Editora Atheneu, São Paulo, 1996.

SANTANA, A.L. Importância das atividades de lazer. Disponível em: . Acesso em 21 de maio de 2018.

SANTOS, S. C., & Knijnik, J. D. Motivos de adesão à prática de atividade física na vida adulta intermediária. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte, 5(1), 23-34, 2006.

SATO, L. Saúde e controle no trabalho: Feições de um antigo problema. In M. da G. Jacques & W. Codo (Eds.), Saúde mental e trabalho. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002. p 31-49.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA (SBC). Mudança na tabela dos níveis de pressão arterial. Disponível em: . Acesso em: 21 de maio de 2018.

ULTRAMARI, C. Benefícios de morar perto do trabalho. Jornal Gazeta do Povo. São Paulo, 2016.

VALVERDE, A. M. Derecho del Trabajo. Madrid: Tecnos, 2007, p. 212.

VILHENA, P.E. Relação de emprego. São Paulo: LTR, 2005, p. 531-534.

WASKEY, M. T., BRODEHL, G. P., & FOTI, P. E. A comparative study of impacts to mountain bike trails in five common ecological regions of the southwestern US. Journal of Park and Recreation Administration, 24(2), 21-41, 2006.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Global Atlas on Cardiovascular Disease Prevention and Control. Mendis S, Puska P, Norrving B editors. Geneva: World Health Organization; 2011.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n4-206

Refbacks

  • There are currently no refbacks.