Uso de simulação digital no Ensino Técnico de Enfermagem para prevenção de lesões por pressão / Use of digital simulation in Nursing Technical Education to prevent pressure injuries

Chris Mayara Tibes- Cherman, Ursula Marcondes Westin, Everton Alvares Cherman, Silvia Helena Zem- Mascarenhas, Yolanda Dora Martinez Évora

Abstract


OBJETIVOS: relatar a experiência do uso de uma simulação virtual utilizando um aplicativo (APP) no ensino técnico em enfermagem. MÉTODOS: trata-se de um estudo descritivo, tipo relato de experiência. A atividade de simulação foi aplicada com alunos do curso técnico em Enfermagem em um curso complementar em feridas. A atividade ocorreu em duas etapas: na primeira foi ministrada uma aula sobre prevenção de lesões por pressão (LP) e na segunda etapa foi realizada uma atividade prática de simulação virtual utilizando o APP. RESULTADOS: a atividade ocorreu sob a coordenação de dois tutores. Na primeira etapa foi ministrado uma aula expositiva e dialogada sobre “Prevenção de lesão por pressão” e na segunda houve a aplicação da atividade prática com simulação virtual. O APP “UpCare” foca na avaliação do risco para desenvolver LP e realiza recomendações de cuidados preventivos. Os alunos se organizaram em pequenos grupos de três a cinco integrantes, cada pequeno grupo recebeu um estudo de caso de paciente. Após realizada a avaliação de cada paciente simulado o sistema fornece uma lista de recomendações para prevenção de LP baseado no perfil do paciente. Coube a cada pequeno grupo discutir o caso para realizar a avaliação e desenvolver o pensamento crítico e tomada de decisão quanto aos cuidados pertinentes ou não ao contexto. Por fim, os tutores questionaram os alunos sobre o interesse em realizar a atividade. Os estudantes relataram estarem satisfeitos com o uso da prática de simulação, o que torna o ensino mais dinâmico e divertido. CONCLUSÃO: a inserção da simulação virtual demonstrou ser uma forma atual e inovadora do uso de Tecnologias Digitais Educacionais, contribuindo de forma positiva no ensino de prevenção de LP, bem como estimulando o pensamento crítico e a tomada de decisão com segurança em um ambiente simulado.

Keywords


Enfermagem, Simulação por Computador, Segurança do Paciente.

References


BANOS, O.; et al. Physiodroid: Combining wearable health sensors and mobile devices for a ubiquitous, continuous, and personal monitoring. Scientific World J, 2014. Disponível em: http://dx.doi. org/10.1155/2014/490824. Acesso em: 03 jul. 2020.

BARBOSA, T.P. Tecnologias digitais: desafios e perspectivas no ensino superior em saúde. Percurso Acadêmico [Internet]. 2016 [acesso em 01 dez 2016]; 6(12).

BARROS, W.C.T.S.; DAL SASSO, G.T.M.; ALVAREZ, A.G.; RAMOS, S.F.; MARTINS, S.R. Aplicativo para avaliação do nível de consciência em adultos: produção tecnológica em enfermagem. Cogitare enferm. [Internet]. 2019.

BERGSTROM, N. et al. The Braden Scale for predicting pressure sore risk. Nurs. Res., v.36, n.4, p.205-10, 1987.

BRADEN, B. J.; BERGSTROM, N. Clinical utility of the Braden scale for predicting pressure sore risk. Decubitus. v.2, n.3, p.44-51, 1989.

BRADEN, B. J. The Braden Scale for Predicting Pressure Sore Risk:reflections after 25 Years. Adv Skin Wound Care, v. 25, n. 2, p. 61. 7, 2012. Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22258213 >. Acesso em: 01 jul. 2020.

BRASIL (a). Ministério da Saúde. Política nacional de segurança do paciente. Brasília (DF): Ministério da Saúde, 2013a.

BRASIL, 2013(b). Ministério da Saúde. Agencia Nacional de Vigilância Sanitária. Protocolo para prevenção de úlcera por pressão. Brasília: Ministério da Saúde, 2013.

BSOUL, M.; MINN, H.; TAMIL, L. Apnea medassist: Real-time sleep apnea monitor using single-lead ecg. IEEE Trans Inform Technol Biomed, v. 15, n. 3, p. 416-27, 2011. Disponível em: . Acesso em 10 jul. 2020.

CARVALHO, E.C.C. A look at the non-technical skills of nurses: simulation contributions. Rev Latino-Am Enfermagem [internet]. 2016.

COSTA, R.R.O. et al. O uso da simulação no contexto da educação e formação em saúde e enfermagem: uma reflexão acadêmica. REVISTA ESPAÇO PARA A SAÚDE. Londrina, v. 16, n. 1, p. 59-65, jan/mar. 2015.

DOMINGUES, A.N. et al. Simulação virtual por computador no ensino de enfermagem: relato de experiência. Rev Enferm UFPI. 2017 Oct-Dec;6(4):70-4.

DONABEDIAN, A. The epidemiology of quality. Inquiry, p. 282-292, 1985. Disponível em: < http://www.jstor.org/discover/10.2307/29771725?uid=2&uid=4&sid= 21105125006613 >. Acesso em: 13 jul. 2020.

DUFRENE, C. Photography as an adjunct in pressure ulcer documentation. Crit Care Nurs, v. 32, n. 2, p. 77-80. 2009.

FERNANDES L.M.; CALIRI M.H.L.; HAAS V.J. Efeito de intervenções educativas no conhecimento dos profissionais de enfermagem sobre prevenção de úlceras por pressão. Acta Paul Enferm, v. 21, n. 2,p. 305-11. 2008.

FIGUEIREDO AE. Laboratório de Enfermagem: estratégias criativas de simulações como procedimento pedagógico. Rev Enferm UFSM[Internet]. 2014[cited 2017 May 31];4(4):844-9

FROTA, N.M.; BARROS, L.M.; ARAÚJO TM, CALDINI LN, NASCIMENTO JC, CAETANO JA. Construção de uma tecnologia educacional para o ensino de enfermagem sobre punção venosa periférica. Rev Gaúcha Enferm. 2013; 34(2):29-36.

GABRIEL, C. S.; et al. Utilização de indicadores de desempenho em serviço de enfermagem de hospital público. Rev. Latino-Am. Enfermagem, v. 19, n. 5, set-out, 2011. Disponível em: . Acesso em: 13 jul. 2020.

GAGGIOLI, A.; et al. A mobile data collection platform for mental health research. Pers Ubiquit Comput, v. 17, n. 2, p. 241-251, 2013. Disponível em:

GALVÃO, E.C.F.; PÜSCHEL, V.A.A. Aplicativo multimídia em plataforma móvel para o ensino da mensuração da pressão venosa central. Rev Esc Enferm USP 2012; 46(Esp):107-15.

GONÇALVES, L. B. B. et al.. O Uso das Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação como Recurso Educacional no Ensino de Enfermagem. EaD em Foco, V10, e939. 2020.

GRITTEM, L. Sistematização da assistência de enfermagem perioperatória: uma tecnologia de enfermagem. 2007. 154 f. Dissertação (Mestrado em enfermagem) – Setor de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2007.

GUIMARÃES, E. M. P., GODOY, S. C. B. Telenfermagem - Recurso para assistência e educação em enfermagem. Rev Min Enferm, v. 16, n. 2, p. 157-8, 2012. Disponível em: . Acesso em: 13 jul. 2020.

HABIB, M. A.; et al. Smartphone-based solutions for fall detection and prevention: challenges and open issues. Sensors, v. 14, n. 4, p. 7181208, 2014. Disponível em: . Acesso em: 13 jul. 2020.

LOPES, A. M. et al. Congresso Internacional de Educação e Tecnologias: Encontro de Pesquisadores em Educação a Distância, v. 7, n. 1, p. 285-290, 2012, 2018.

MACHADO MFAS, MONTEIRO EMLM, QUEIROZ DT, VIEIRA NFC, BARROSO MGT. Integralidade, formação de saúde, educação em saúde e as propostas do SUS – uma revisão conceitual. Cien Saude Colet 2007; 12(2):335-342.

MARCANO, B. J. S.; et al. Comparison of self-administered survey questionnaire responses collected using mobile apps versus other methods. Cochrane Database Syst Rev, v. 27, n. 7, 2015. Disponível em: . Acesso em 13 jul. 2020.

MATSUDA, L. M.; et al. Informática em enfermagem: desvelando o uso do computador por enfermeiros. Texto Contexto Enferm, v. 24, n. 1, p. 178- 86. 2015. Disponível em: . Acesso em: 13 jul 2020.

MIRANDA, Carlos Eduardo Albuquerque. Pesquisa em educação e imagens, novas tecnologias e a busca pela interlocução. ComCiência, Campinas, n. 110, 2009.

NATIONAL PRESSURE ULCER ADVISORY PANEL, EUROPEAN PRESSURE ULCER ADVISORY PANEL, PAN PACIFIC PRESSURE INJURY ALLIANCE. Prevention and treatment of pressure ulcers: quick reference guide. Perth: Cambridge Media; 2014. Disponível em: < https://www.npuap.org/wp-content/uploads/2014/08/Updated-1016-14-Quick-Reference-Guide-DIGITAL-NPUAP-EPUAP-PPPIA16Oct2014.pdf>. Acesso em 13 jul. 2020.

OLIVEIRA, L. M. A. et al. Motivação de alunos de Enfermagem no uso das tecnologias da informação e comunicação. Rev. baiana enferm, v. 31, n. 3, p. 178-198, 2017.

OLIVEIRA, S.N.; PRADO, M.L.; KEMPFER, S.S. Utilização da simulação no ensino da enfermagem: revisão integrativa. REME Rev Min Enferm. 2014 a DOI: 10.5935/1415-2762.20140036 br/jun; 18(2): 487-495.

PARANHOS, W. Y.; SANTOS, V. L. C. G. Avaliação de risco para úlceras de pressão por meio da Escala de Braden, na língua portuguesa. Rev Esc Enferm USP, v. 33, n. 1, p. 191-206, 1999.

PAYNE, K. B.; WHARRAD, H.; WATTS, K. Smartphone and medical related App use among medical students and junior doctors in the United Kingdom (UK): a regional survey. BMC Medical Informatics and Decision Making v. 12, n. 1, p. 121, 2012.

PERES, H. H. C.; MARIN, H. F. Informática em Enfermagem e Telenfermagem: desafios e avanços na formação e no cuidado. J Health Inform, v. 4, n. 1, 2012. Disponível em: . Acesso em: 13 jul. 2020.

POLIT DF, BECK CT. Fundamentos de pesquisa em enfermagem: avaliação de evidências para a prática da enfermagem. 7. ed. Porto Alegre (RS): Artmed; 2011.

PITICHAT T. Smartphones in the workplace: changing organizational behavior, transforming the future. LUX [Internet]. 2013[cited 2017 May 31];3(1)

RAMOS, P.E. Vivendo uma nova era: a tecnologia e o homem, ambos integrantes de uma sociedade que progride rumo ao desenvolvimento. Escola Estadual Maria Eduarda Pereira Soldera. 2012.

ROGENSKI, N. M. B.; KURCGANT, P. Avaliação da concordância na aplicação da Escala de Braden interobservadores. Acta paul enferm, v. 25, n. 1, p. 24-28, 2012.

SANINO, G.E.C. O uso da simulação em enfermagem no Curso Técnico de Enfermagem. J. Health Inform. 2012 Dezembro; 4(Número Especial - SIIENF 2012): 148-51.

SILA, A.M.A. et al. Tecnologias móveis na área de Enfermagem. Rev Bras Enferm [Internet]. 2018; 71(5): 2719-27.

SILVA, G. R. F. et al. Tecnologias nas ações em enfermagem: utilização de escalas/testes. Rev Enferm UFPI, v. 1, n. 1, p. 71-76, 2012. Disponível em: . Acesso em: 22 jul. de 2020.

SIMÃO, C. M. F. Úlcera por pressão em unidades de terapia intensiva e conformidade das ações de enfermagem. 2010. 135 f. Dissertação (Mestrado) – Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2010.

SOUZA, D. M. S. T.; SANTOS, V. L. C. G. Incidence of pressure ulcers in the institutionalized elderly. Journal of Wound Ostomy & Continence Nursing, v. 37, n. 3, p. 272-76, 2010.

TEIXEIRA INDO, FELIX JVC. Simulação como estratégia de ensino em enfermagem: revisão de literatura. Interface Comun Saúde Educ. 2011;15(39):1173-84.

THULER, S. R.; DANTAS, S. R. P. E. Úlcera por pressão: prevenção e tratamento. Um guia rápido da coloplast. 2013. Disponível em: https://www.coloplast.com.br/global/brasil/wound/cpwsc_guia_pu_a5 _d7.pdf. Acesso em: 13 jul. 2020.

TIBES-CHERMAN, C. M. Tecnologia computacional para gerenciar o cuidado e indicadores relacionados à lesão por pressão. 175 pg. 2018. Tese (Doutorado) – Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2018.VERASZTO, E.V. et al. Tecnologia: buscando uma definição para o conceito. Campinas. PRISMA.COM n.º 8 2009.

VIEIRA, M.C.; CRUZ, R.A. A importância da educação continuada/permanente na área da saúde de no setor de enfermagem. Revista UNINGÁ, Maringá – PR, n.31, p. 141-148, jan./mar. 2012.

XELEGATI, R.; ÉVORA, Y.D.M. Desenvolvimento de ambiente virtual de aprendizagem em eventos adversos, em enfermagem. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 19(5):[08 telas] set.-out. 2011.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n4-200

Refbacks

  • There are currently no refbacks.