Infecção meningocócica em crianças no Brasil: análise do período de 2013 a 2017 / Meningococcal infection in children in Brazil: analysis of the period 2013 to 2017

Rafael Reis do Espírito Santos, Nyara Rodrigues Conde de Almeida, Raul Antônio Lopes Silva Campos, Fernanda de Souza Parente, Mariana Cristina Santos Andrade, Ana Carolina Sardo de Oliveira Pinheiro, Ewerthon de Souza Costa, João Marcos Rodrigues Silva

Abstract


INTRODUÇÃO: A infecção meningocócica (IM) é causada pela bactéria Neisseria meningitidis (N. meningitidis), um diplococo aeróbico, GRAM - negativo que possui 12 sorogrupos caracterizados por uma cápsula polissacarídica. Entretanto, os grupos A, B, C, X, Y e W são responsáveis por maiores repercussões clínicas. METODOLOGIA: Trata – se de uma pesquisa quantitativa, retrospectiva e descritiva, realizada a partir de coletas de dados disponibilizados no Sistema de Internações Hospitalares do Sistema Único de Saúde (SIH/SUS), abarcando uma série temporal de 2013 até 2017. Nesta pesquisa foi realizado o levantamento de dados referentes às internações hospitalares por infecção meningocócica no Brasil. RESULTADOS: Durante o período analisado, o Brasil registrou 4.101 internações por Infecção Meningocócica em crianças, sendo as regiões Sudeste (47,9%) e Nordeste (18,8%) as mais prevalentes. Nesse período, observou-se diminuição no número de internações pela doença, porém, é válido ressaltar que o ano de 2013 (34,2%) concentrou o maior número de hospitalizações, seguido por 2014 (23%) e 2015 (17%). Enquanto que os anos de 2016 e 2017 obtiveram o menor número de internações, com 13,3% e 12,4%; respectivamente. Ademais, taxa de mortalidade das regiões Norte e Nordeste (8,80 e 7,76, respectivamente) apresentou os piores registros, ficando ambas acima da média nacional (6,93). CONCLUSÃO: O estudo evidenciou que a IM em crianças é uma patologia que requer atenção especial, principalmente, em regiões onde há expressividade de notificações e óbitos pela doença (Sudeste e Nordeste). Além disso, deve – se atentar para a elevada taxa de mortalidade no Norte do país, o que pode estar correlacionado aos diferentes aspectos socioeconômicos dessa região.


Keywords


Neisseria meningitidis, Infeção meningocócica, epidemiologia

References


BATISTA, Rodrigo. S. GOMES, Adréia. P., GAZINEO, Jorge. L. D. et al. Meninfococcal disease, a clinical and epidemiological review. Asian Pacific Journal of Tropical Medicine. v. 10, n. 11, p. 1019-1029. Nov., 2017. Disponível em:

. Acesso em 18/jun/20.

BRANCO R. G, AMORETTI C. F, TASKER R. C. Meningococcal disease and meningitis. J Pediatr (Rio J). 2007; v. 83, n. 2, p. S46-53. Disponível em: . Acesso em: 5/jul/20.

DOMINGUES R. M. S. M, VIELLAS E. F, DIAS M. A. B, TORRES J. A, THEME-FILHA M. M, GAMA S. G. N, et al. Adequação da assistência pré-natal segundo as características maternas no Brasil. Rev Panam Salud Publica. 2015; v. 37, n. 3, p.140–7. Disponível em:< https://scielosp.org/pdf/rpsp/2015.v37n3/140-147/pt>. Acesso em: 4/jul/20.

FARIA, S. FARHAT, C. Meningites bacterianas - diagnóstico e conduta. Jornal de pediatria, vol 75, 1999. Disponível em: . Acesso em: 4/jul/20.

MILLAR, B. C. MOORE, P. J. A. MOORE, J. E. Meningococcal Disease: Has The Battle Been Won?.BMJ Military Health. v. 163, n. 4. Dez., 2016. Disponível em: . Acesso em 19/jun/20.

Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Coordenação-Geral de Desenvolvimento da Epidemiologia e Serviços. Guia de Vigilância em Saúde. v. 1, p. 35-46. Brasília: Ministério da Saúde, 2017. Disponível em:. Acesso em: 24/jun/20

Ministério da Saúde. Situação epidemiológica da doença meningocócica no Brasil, entre os anos de 2007 e 2013. Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde. Vol 47, N° 29 – 2016. Disponível em: < https://www.saude.gov.br/images/pdf/2016/julho/29/2016-015---DM.pdf>. Acesso em: 7/jul/20.

PIZZA, M. RAPPUOLI, R. Neisseria meningitidis: Pathogenesis and Immunity. Current Opinion in Microbiology. v. 23, p. 68-72. Fev., 2015. Disponível em: . Acesso em: 24/jun/20.

Programa Nacional de Imunizações (PNI):40 anos. Brasília: Ministério da Saúde, 2013. Disponível em: . Acesso em: 3/jul/20.

SIDDIQUI JA, GULICK PG. Meningococcemia. StatPearls. TreasureIsland (FL): StatPearlsPublishing, jan. 2020. Disponível em: . Acesso em: 15/jun/2020.

SILVA, H. MEZAROBBA, N. MENINGITE NO BRASIL EM 2015: O PANORAMA DA ATUALIDADE MENINGITIS IN BRAZIL IN 2015: OVERVIEW OF CURRENT. Arq. Catarin Med. v. 47, n. 1, p. 34-46. Jan-mar 2018. Disponível em :. Acesso em: 4/jul/20.

SZTAINBOK DCN. Meningite bacteriana aguda. – Revista de Pediatria SOPERJ. 2012; v. 13, n. 2, p. 72-76. Disponível em: . Acesso em 03/jul/2020.

TAKADA, S., FUJIWARA, S., INOUE, T., KATAOKA, Y., HADANO, Y., MATSUMOTO, K., MORINO, K., & SHIMIZU, T. Meningococcemia in Adults: A Review oftheLiterature. Internal medicine (Tokyo, Japan), v. 55, n. 6, p. 567–572. 15 mar. 2016. Disponível em: . Acesso em: 24/jul/2020.

VAZ, LOUISE E. Meningococcal Disease. Pediatrics in Review. V. 38, n. 4, p.158-169. Abr., 2017. Disponível em: . Acesso em: 07/ jul/20.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n4-193

Refbacks

  • There are currently no refbacks.