Epidemiologia da Paralisia Flácida Aguda no Brasil de 2014 a 2018 / Epidemiology of Acute Flaccid Paralysis in Brazil from 2014 to 2018

Iza Luana de Oliveira Trajano, Louise Paola Nichilatti, Rafaela Macedo Pires de Ferreira, Myrian Alves Linhares, Cesar Alejandro Salazar Cuzcano, Deocleciano Vespúcio Marques Júnior, Raimundo Nonato Martins Fonseca, Consuelo Penha Castro Marques

Abstract


A Paralisia Flácida Aguda (PFA) é uma síndrome clínica caracterizada por arreflexia, hipotonia, alterações de despolarização que geram espasmos musculares e podem cursar com atrofia muscular. Entre suas causas estão Poliomielite, síndrome de Guillain-Barré e mielite transversa aguda. Esse estudo objetiva analisar o perfil epidemiológico das paralisias flácidas agudas no Brasil de 2014 a 2018 e contribuir para o planejamento de ações na vigilância epidemiológica. Trata – se de um estudo epidemiológico, descritivo, de série temporal, utilizando dados secundários coletados do Sistema de Informação de Agravos e Notificação – SINAN quanto a Paralisias Flácidas Agudas no período de 2014 a 2018. O estudo evidenciou crescimento dos casos de PFA no Brasil, com predomínio nas regiões Nordeste e Sudeste, mas não houve correlação estatisticamente significante de distribuição entre as regiões brasileiras. Bem como maior prevalência entre sexo masculino e entre a faixa etária de 1 a 4 anos com diferenças estatisticamente significativas. Ressalta-se a importância do registro de 1 caso compatível com poliomielite, 3 casos relacionados a vacina e 45 casos inconclusivos no período analisado.

 


Keywords


Poliomielite, Monitoramento Epidemiológico, Paralisia.

References


BRASIL. Diretoria de Vigilância Epidemiológica. Secretaria de Saúde do Estado da Bahia. Vigilância das Paralisias Flácidas e Agudas (PFA) - Bahia, 2018. Salvador: Divep-suvisa, 2019. Disponível em:

. Acesso em: 23 jun. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Doenças infecciosas e parasitárias: guia de bolso. Secretaria de Vigilância em Saúde. Brasília, DF, 2010.

BRASIL. Ministério da Saúde. Informe Técnico sobre a Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e contra Sarampo. Secretário de Vigilância em Saúde Brasilia, DF, 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Paralisia Flácida Aguda. 2013. Disponível em . Acessado em 22/06/2020.

BRICKS, LF. Vacina contra poliomielite: um novo paradigma. Rev. paul. pediatr., São Paulo, v. 25, n. 2, p. 172-179, 2007.

HAQUE, R. et al. Oral polio vaccine response in breast fed infants with malnutrition and diarrhea. Vaccine. 32, 478–482 (2014).

LIRA, Cláudio André Barbosa de et al. Síndrome pós-polio: renascimento da poliomielite? Review Einstein 2009, S. I., v. 7, p. 225-228. 2009. Disponível em: https://scholar.google.com/scholar_lookup?journal=Review+einstein&title=Postpolio+syndrome:+renaissance+of+poliomyelitis?&author=CAB+Lira&author=RL+Vancini&author=FR+Cabral&volume=7&publication_year=2009&pages=2 25-8& . Acesso em: 23 jun. 2020.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Guia de Vigilância em Saúde. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2017.

NETO TAVARES, Fernando. O início do fim da poliomielite: 60 anos do desenvolvimento da vacina. Rev Pan-Amaz Saude, Ananindeua , v. 6, n. 3, p. 09-11, set. 2015 . Disponível em

. acessos em 23 jun. 2020.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE IMUNOLOGIA. Vacinas poliomielite. Disponível em: https://familia.sbim.org.br/vacinas/vacinas-disponiveis/vacinas- poliomielite. Acesso em: 25 jun. 2020.

TEIXEIRA-ROCHA ES, CARMO EH, TAVARES-NETO J. Ocorrência de poliomielite associada à vacina no Brasil, 1995 a 2001. Rev Panam Salud Publica. 2005;18(1):21–4.

VASCONCELOS, Marcio Moacyr; VASCONCELOS, Luciana G.A.; BRITO, Adriana Rocha. Avaliação do déficit motor agudo no ambiente de pronto socorro pediátrico. J. Pediatr. (Rio J.), Porto Alegre , v. 93, supl. 1, p. 26-35, 2017 . Available from . access on 22 June 2020. http://dx.doi.org/10.1016/j.jped.2017.06.003.

World Health Organization. Global polio eradication iniciative [Internet]. Geneva: World Health Organization; 2020. Disponível em: http://www.polioeradication.org. Acesso em: 23 jun. 2020.

Kabir, M. & Afzal, M. S. Epidemiology of polio virus infection in Pakistan and possible risk factors for its transmission. Asian Pac J Trop Med. 9, 1044–1047 (2016).

Newell, E. et al. Oral polio vaccination failure in urban slum children is associated with malnutrition and evidence of chronic infammation. J Immunol. 188 (2012)

Noori, N., Drake, J.M. & Rohani, P. Comparative epidemiology of poliovirus transmission. Sci Rep 7, 17362 (2017). https://doi.org/10.1038/s41598-017- 17749-5

Pastuszak Ż, Stępień A, Tomczykiewicz K, Piusińska-Macoch R, Galbarczyk D, Rolewska A. Post-polio syndrome. Cases report and review of literature. Neurol Neurochir Pol. 2017;51(2):140-145. doi:10.1016/j.pjnns.2017.01.009

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Desigualdades sociais por cor ou raça no Brasil. Estudos e Pesquisas. Informação Demográfica e Socioeconômica, nº 41. 2019. ISBN 978-85-240-4513-4




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n4-189

Refbacks

  • There are currently no refbacks.