Critérios de confirmação e evolução da paralisia flácida aguda no Brasil de 2014 a 2018 / Confirmation criteria and evolution of acute flaccid paralysis in Brazil from 2014 to 2018

Iza Luana de Oliveira Trajano, Larissa Chaves de Carvalho, Mirella Fontenele de Castro, Ademar Felipe de Carvalho Mota e Sá, Myrian Alves Linhares, Raimundo Nonato Martins Fonseca, Deocleciano Vespúcio Marques Júnior, Consuelo Penha Castro Marques

Abstract


Este estudo investigou os critérios de confirmação e evolução da paralisia flácida aguda (PFA) no Brasil, entre o período de 2014 e 2018. Trata-se de estudo epidemiológico, de série temporal, utilizando para análise estatística a estatística descritiva e Teste de Correlação de Pearson, considerando-se como significância p-valor<0.05. Foram notificados 2460 casos de PFA, com mediana de 492 casos notificados de 1° sintoma, média 492 (±17,65), houve correlação estatisticamente significante entre os anos em estudo (p<0.05). Quanto aos critérios de confirmação, predominou o critério laboratorial: 68,13% dos casos, seguido por critério de evolução: 14,71% dos casos. Encontrou-se casos Ignorados/brancos(média 42,8±25,11), laboratório(média 335,2±225,6), critério de confirmação clínico-epidemiológico (média 37,2±35,8), perda de seguimento(1,8±2,2), óbito(média2,6±2,2), evolução(média72,4±69,0), houve correlação estatisticamente significante para ignorado/branco e: clínico-epidemiológico (r=0.90 e p=0.040); óbito (r=0.09 e p=0.006); evolução(r=0.95 e p=0.013) e para óbito: evolução (r=0.99 e p=0.002). Quanto à evolução, 53,41% dos casos evoluíram para cura sem sequela, 22,60% para cura com sequela e 1,7% para óbito. Casos ignorado/branco(média 109,6±24,58); cura com sequela(média 111,2±23,19); cura sem sequela(média 262,8±20,6); óbitos por outra causa(média 8,4±1,52), sem correlação estatisticamente significante entre as variáveis(p>0.05). Observou-se que no Brasil existe uma vigilância epidemiológica rigorosa, no que se refere à PFA, no entanto, a escassez de estudos sobre o tema nos remete à necessidade de ampliação dos estudos sobre as PFAs em nosso país Brasil para que os conhecimentos advindos, promovam melhorias no rastreio, diagnóstico e controle contínuo destas doenças no Brasil.

 

 


Keywords


força muscular, poliomielite, vigilância epidemiológica.

References


BRASIL. Ministério da saúde. Instrutivo para preenchimento da ficha de notificação/investigação individual de PFA/poliomielite no Sistema de Informações de Agravo de Notificação. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2006. 6 p. Disponível em:http://portalsinan.saude.gov.br/images/documentos/Agravos/PFA-Poliomielite/PFA_v5_instr.pdf. Acesso em: 04 jul. 2020.

BRASIL. Ministério da saúde. Poliomielielite/paralisia flácida aguda: situação epidemiológica – dados. Brasília, DF: Ministério da Saúde, [S.D]. Disponível em https://www.saude.gov.br/saude-de-a-z/poliomielite/11425-situacao-epidemiologica- dados. Acessado em: 04 jul. 2020.

BRASIL. Ministério da saúde. Roteiro para uso do sinan net, análise da qualidade da base de dados e cálculo de indicadores epidemiológicos e operacionais pfa / poliomielite. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2008. 6 p. Disponível em: http://www.saude.ba.gov.br/wp-content/uploads/2017/12/Caderno-de-analise- PFA.pdf.Acessado em: 04 jul. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Saúde de A a Z. Poliomielite. Situação Epidemiológica

– Dados. Brasília, 2020. Disponível em:(https://www.saude.gov.br/saude-de-a- z/poliomielite/11425-situacao-epidemiologica-dados)

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Coordenação-Geral de Desenvolvimento da Epidemiologia em Serviços. Guia de Vigilância em Saúde. –

ed. atual. – Brasília : Ministério da Saúde, 2016. 773 p. Disponível em: http://www.saude.ufpr.br/portal/medtrab/wp- content/uploads/sites/25/2016/08/Manual_de_Vigilancia_em_Saude_ago2016.pdf Acesso em: 04 jul. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações. Informe Técnico Campanha Nacional de Vacinação Contra a Poliomielite e Contra o Sarampo. Brasília, 2018. Disponível em: https://sbim.org.br/images/files/informe- campanha-polio-e-sarampo-03072018-final-cgpni.pdf . Acessado em 28 jun. de 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde.Coordenação de Vigilância das Doenças de Transmissão Respiratórias e Imunopreveníveis. Paralisias Flácidas Agudas. Brasília, 2013. Disponível em: http://siteantigo.suvisa.ba.gov.br/sites/default/files/vigilancia_epidemiologica/imunopr eveniveis/arquivo/2013/05/23/avalia%C3%A7%C3%A3o%20neurol%C3%B3gica%2 0ORIGINAL.pdf. Acessado em: 02 jul. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Guia de vigilância epidemiológica. – 7. ed. – Brasília : Ministério da Saúde, 2009. 816 p.Disponível

em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_vigilancia_epidemiologica_7ed.pdf. Acesso em: 05 jul. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. SINAN Dados Complementares do Caso 32 Data da Investigação Antecedentes Epidemiológicos FICHA DE INVESTIGAÇÃO

PARALISIA FLÁCIDA AGUDA / POLIOMIELITE. Brasília, 2009. Disponível em: http://portalsinan.saude.gov.br/images/documentos/Agravos/PFA- Poliomielite/PFA_v5.pdf) . Acessado em: 26 jun. 2020.

FRED, João; KITAGAWA, Beatriz Yuko; OLIVEIRA, Sílvia Silva de. Avaliação do Sistema de Vigilância Epidemiológica da Poliomielite e Paralisias Flácidas Agudas no estado de São Paulo, 2008. BEPA. Boletim Epidemiológico Paulista (Online), v. 8, n. 86, p. 04-18, 2011. Disponível em: http://periodicos.ses.sp.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806- 42722011000200001&lng=p&nrm=iso&tlng=pt. Acessado em: 04 jul. 2020.

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL. Secretaria da saúde do distrito federal. Subsecretaria de vigilância das paralisias flácidas e agudas. Informativo epidemiológico, Brasília, set. 2019. Disponível em: http://www.saude.df.gov.br/wp- conteudo/uploads/2020/02/INFORMATIVO_PFA_PUB.pdf Acessado em: 03 jul. 2020.

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA. Secretaria da saúde estadual da Bahia. Vigilância das paralisias flácidas e agudas. Boletim epidemiológico, Salvador, n. 2, 2019. Disponível em: http://www.saude.ba.gov.br/wp-content/uploads/2018/03/2019- Boletim-Epidemiol%C3%B3gico-Paralisia-Fl%C3%A1cidas-Agudas-n.-02.pdf. Acessado em: 05 jul. 2020.

LAGUARDIA, Josué; PENNA, Maria Lúcia. Definição de caso e vigilância epidemiológica. Inf. Epidemiol. Sus, Brasília , v. 8, n. 4, p. 63-66, dez. 1999. Disponível em: http://scielo.iec.gov.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104- 16731999000400005&lng=pt&nrm=iso. http://dx.doi.org/10.5123/S0104-1673. Acessado em: 06 jul. 2020.

SILVA, Sara Jany Medeiros da. A vigilância da poliomielite: paralisias flácidas agudas. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 58, n. 1, p. 110-111, 2005. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/reben/v58n1/a22.pdf. Acessado em: 20 jun. 2020.

AYUKEKBONG, James A.; BERGSTRÖM, Tomas. Polio will go, acute flaccid paralysis will stay. The Lancet, v. 383, n. 9936, p. 2209-2210, 2014




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n4-187

Refbacks

  • There are currently no refbacks.